Pesquisar
Pesquisar

Isolado e espionado, o fundador da WikiLeaks Julian Assange continua lutando

Em um escrito judicial, o ativista Julian Assange pede que a CIDH solicite aos Estados Unidos um esclarecimento sobre suas intenções de levá-lo à Justiça
Santiago O'Donnell
Carta Maior
São Paulo (SP)

Tradução:

Sozinho, doente, isolado, espionado e ameaçado. Mais ainda lutando. Assim vive hoje seus dias, na embaixada do Equador em Londres, o editor que revelou os segredos mais devastadores de um dos impérios mais poderosos da história.

E é o que ele diz também em um documento judicial escrito dois dias depois do natal e assinado com seu nome completo, Julian Paul Assange, fundador do site de megavazamentos WikiLeaks.org, junto com seu advogado, ninguém menos que o legendário ex-juiz espanhol Baltasar Garzón. Se trata de um pedido à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) de medidas cautelares contra os governos dos Estados Unidos e do Equador. O Página/12 teve acesso a uma cópia.

Leia também:
Diálogos do Sul lança campanha de assinaturas colaborativas no Catarse 

O documento apresenta uma crua descrição de como a hostilidade do governo estadunidense contra Assange foi crescendo, à medida que WikiLeaks publicava novas revelações de testemunhas anônimos que mostravam os piores vícios das instituições militares, diplomáticas, políticas e de inteligência dos Estados Unidos.

Segundo a demanda, a perseguição começou em 2002 quando WikiLeaks publicou documentos secretos sobre a prisão de Guantánamo. Logo, a pressão se intensificaria, depois de publicações sobre as guerras do Afeganistão e do Iraque. Entre uma e outra revelação, Assange foi preso na Grã-Bretanha por um pedido de captura sueco, relativo a um suposto delito sexual pelo qual nunca seria acusado. Depois, chegou o “cabogate” de despachos diplomáticos que sacudiu o mundo. Assange se asilou na embaixada equatoriana, em um apartamento de cerca de 180 metros quadrados, o qual deve compartilhar com a delegação diplomática, sem ar puro nem luz solar há mais de seis anos e meio.

Já na embaixada, o editor do WikiLeaks publicou em 2016 os vazamentos sobre Hillary Clinton e as brigas internas de seu partido em plena campanha presidencial, o que fizeram com que Assange fosse processado judicialmente pelo Partido Democrata, por suposta interferência no processo eleitoral estadunidense, através de um suposto complô que também envolveria a Rússia.

A ofensiva estadunidense contra Assange fortaleceu-se durante o governo de Trump, depois da publicação do arquivo chamado “Vault 7”, o maior vazamento de documentos secretos da história da CIA: “Nos referidos pacotes de informação é possível observar os meios de espionagem irregulares utilizados pela CIA em todo o mundo, por exemplo, através dos dispositivos celulares, smartphones, e também televisores dos cidadãos, com um programa de injeta vírus troianos em bases de dados biométricas estatais de países aliados através do software Cross Match”.

Em um escrito judicial, o ativista Julian Assange pede que a CIDH solicite aos Estados Unidos um esclarecimento sobre suas intenções de levá-lo à Justiça

Vermelho
Assange também reclama que o governo de Lenín Moreno deixe de hostilizá-lo, castigá-lo, vigiá-lo e ameaçá-lo

A demanda apresentada por Assange revela como cada um desses vazamentos gerou criminalizações e respostas ameaçadoras de altos funcionários dos três poderes estadunidenses, desde pedidos de aplicação de pena de morte até ataque a WikiLeaks, acusando-o de ser “um serviço de inteligência hostil, não estatal”, como expressado no último informe do FBI no comitê bicameral de inteligência do Congresso estadunidense.

Sobre essa situação, o texto de Assange e Garzón lembra do caso de Chelsea Manning, a suposta fonte do “cabogate”, condenada a 35 anos de prisão e perdoada depois de cumprir sete, e que durante esse período de detenção recebeu um tratamento “cruel, desumano e degradante”, equipável com a tortura, segundo o relatado em 2012 pelo então relator especial sobre torturas da ONU, o argentino Juan Méndez. Devido a que Assange foi acusado por um Grande Jurado de Alexandria (Estado de Virginia), que o investiga desde 2010 por seu papel no vazamento de Manning, e considerando que a mesma se mantém “restrita” ou “secreta”, o escrito judicial de Assange e Garzón conclui que existem sérios riscos de que o fundador do WikiLeaks seja extraditado aos Estados Unidos, onde provavelmente receberia o mesmo trato desumano, cruel e degradante que foi dado ao seu suposto informante.

Em sua parte expeditiva, a demanda judicial “solicita” que a Comissão “faça um requerimento” aos Estados Unidos, para que entregue “toda a informação” sobre as acusações e ordens de captura vigentes contra Assange, “e tudo isso com a finalidade de que a CIDH possa servir como mediadora na possibilidade de uma saída do Sr. Assange da embaixada, em direção a um país seguro”, diz a demanda. Ademais, o texto relata a mudança de atitude do governo do Equador com respeito a Assange depois que Lenín Moreno substituiu Rafael Correa na Presidência do país. Do forte apoio aos seus direitos à livre expressão, e da adesão irrestrita aos tratados internacionais em matéria de asilo e defesa dos direitos humanos, o governo equatoriano passou a negociar abertamente a entrega de Assange com os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, tornando-se cúmplice da ação de espionagem, humilhação e hostilidade contra o ativista, burlando a própria instituição do asilo, segundo o denunciado pelo documento, que cita diversas e reconhecidas fontes jornalísticas que comprovariam tais negociações.

O documento fala também sobre a saúde de Assange. Assegura que esta poderia ter sofrido dano irreparável, e que vem se agravando devido às restrições que a embaixada lhe impôs em março do ano passado, como castigo por ele ter se manifestado a favor da independência catalã através das redes sociais. Ademais, foi agregado informes de um médico, um psicólogo e do ex-presidente do Comitê contra a Tortura da ONU, Fernando Mariño, “quem não duvidou em qualificar como tortura o comportamento das autoridades suecas e britânicas com relação ao Sr. Assange”. A demanda também cita uma resolução do Grupo de Trabalho sobre Detenções Arbitrárias do Conselho de Direitos Humanos da ONU, que condena a Grã-Bretanha e a Suécia pela detenção arbitrária que resulta da negativa em entregar um salvo-conduto a Assange, para que possa sair da embaixada sem ser preso.

Segundo a demanda enviada à CIDH, desde março de 2018, o governo equatoriano cortou todas as comunicações de Assange com o mundo exterior. “A embaixada instalou quatro bloqueadores de sinal, com um total de 22 antenas, impedindo qualquer tipo de acesso a cobertura telefônica ou sinal de wifi. Como o Sr. Assange não tem acesso à rede telefônica da embaixada, a instalação dos bloqueadores significou um total bloqueio do acesso telefônico ao exterior” diz a demanda. A embaixada também impôs severas restrições ao seu regime de visitas, inclusive com respeito aos seus advogados. Em outubro, o obrigou a assinar um protocolo cheio de demandas, que vão desde a proibição de falar em público até o cuidado da higiene de seu gato, protocolo que os demandantes consideram absurdo e humilhante, escrito com o único fim de preparar o terreno para a expulsão de Assange da sede diplomática londrina. “O protocolo desatende um princípio fundamental do asilo, que é o fato de que este só pode cessar si o risco pelo qual foi outorgado se termina, não podendo terminar de forma arbitrária e unilateralmente pelo Estado que brinda a proteção, simplesmente pela vulneração de irrisórias condições dentro da embaixada, estabelecidas em um documento” escrevem Assange e Garzón. “O refúgio de Assange na embaixada de parece cada vez mais com um confinamento numa solitária” diz a conselheira legal da organização Human Rights Watch, Dinah Pokempner, citada na demanda.

Além do isolamento total, Assange também sofre com a perda da sua privacidade, diz o escrito judicial: “o governo do Equador teria contratado serviços especializados de segurança para espionar o Sr. Assange, e essa empresa, segundo os meios internacionais, estaria reportando informações a diversas autoridades norte-americanas, concretamente ao FBI”.

Tudo isso coloca em grave perigo a saúde física e mental do asilado, segundo o documento judicial: “também deve ser destacado o dano irreparável que poderia sofrer o estado de saúde do Sr. Assange, se a situação continua neste impasse devido à delicada situação física e psicológica na que permanece há anos, e que se vê agravada após as últimas medidas de isolamento absoluto tomadas pelo governo equatoriano”.

Além das medidas cautelares dirigidas aos Estados Unidos, os demandantes pedem concretamente à CIDH um requerimento para que o governo equatoriano derrogue o protocolo, e que deixe de espionar Assange, ou que não proceda com “a entrega do Sr. Assange a qualquer país que não lhe dê garantias de não extradição (“nonrefoulement”) aos Estados Unidos”.

O Página/12 tentou se comunicar com o secretário-geral de comunicação da Presidência do Equador, Andrés Michelena, para conhecer a postura do seu governo. Até a manhã desta terça-feira (26/2), não houve respostas às mensagens gravados na caixa de mensagens do seu celular. Também se tentou conhecer a postura do governo estadunidense, canalizando um pedido de comentário da Casa Branca e do Departamento de Estado através da embaixada, e se aguardou uma resposta até o fechamento desta edição. Além disso, o jornal contatou pessoas ligadas ao WikiLeaks para conhecer sua reação sobre a publicação da demanda, mas tampouco obteve uma declaração. Fontes próximas ao caso asseguram que uma resolução da CIDH sobre o caso Assange se conhecerá nos próximos dias.

*Publicado originalmente em pagina12.com.ar | Tradução de Victor Farinelli 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Santiago O'Donnell

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda