Pesquisar
Pesquisar

Israel cria campanha para isolar palestinos do contato com amigos e familiares

Medida considera qualquer conexão de palestinos em Israel com outros palestinos, seja cultural, política ou econômica, como uma ameaça
Yousef M. Aljamal
Rebelión
Líbano

Tradução:

Todos os indícios sugerem que, desde maio de 2021, as autoridades israelitas transformaram os palestinos que vivem em Israel no seu próximo objetivo.

Os israelenses sempre atacaram os palestinos em Israel e em outros lugares utilizando diferentes métodos, como prisões e demolições de casas; no entanto, a escalada de maio de 2021 desencadeou um processo novo.

Faixa de Gaza e Israel começaram a agir como um só corpo, rompendo a narrativa divisória de Israel de gazatiescisjordanos e os “árabes israelenses“. Por um momento real, todos se tornaram palestinos.

As autoridades israelitas atacam os palestinianos em Israel isolando-os dos seus compatriotas palestinianos que vivem na Faixa de Gaza, na Cisjordânia e na diáspora.

Assista na TV Diálogos do Sul

Um número cada vez maior de incidentes revela que Israel vê qualquer conexão que os palestinos em Israel têm com outros palestinos, seja cultural, política ou econômica, como uma ameaça a sua existência, um discurso profundamente arraigado na mentalidade colonialista.

Esta campanha israelense de isolamento dos palestinos tem previamente empurrado os palestinos a usar as redes sociais sob o hashtag #Mutawasiloun (contatados em árabe), expressando seu direito a estar conectados entre si.

Esta lógica visa manter os palestinianos divididos e explica por que razão Israel isola a Faixa de Gaza do resto da Palestina.

Existe, sem dúvida, uma divisão política palestiniana, mas a divisão geográfica israelita contribuiu em grande medida para isso. Além disso, esta divisão política tem a ver com a política pós-Oslo e não inclui grande parte da diáspora palestiniana.

Medida considera qualquer conexão de palestinos em Israel com outros palestinos, seja cultural, política ou econômica, como uma ameaça

Palestina Libre
Israel manteve durante muito tempo uma política que trata Gaza como uma entidade separada

Gaza, uma entidade separada

Israel manteve durante muito tempo uma política que trata Gaza como uma entidade separada, e os palestinos que ali residem foram tratados de forma mais severa, apesar de, na sequência dos Acordos de Oslo de 1993, ostentarem os mesmos documentos de identidade que foram entregues aos palestinos da Cisjordânia. Atualmente, Israel continua a ter a liderança na emissão destes bilhetes de identidade palestinos.

O caso da estudante de doutorado, a palestina Somaya Falah, matriculada na Faculdade de Engenharia Civil e Ambiental do Instituto Tecnológico Technion-Israel de Haifa, fala desta realidade.

O ativismo e os escritos de Falah expõem a destruição do meio ambiente palestino por parte de Israel e os perigos ambientais que a ocupação israelense provoca no entorno.

Falah foi interrogada em 27 de janeiro de 2022 e colocada em prisão domiciliar durante 10 dias por ter participado de uma conferência da diáspora palestina na Espanha em novembro de 2021, conhecida como Masar BadilMovimento da Rota Revolucionária Alternativa Palestina, durante a qual, segundo as autoridades israelitas, falou com Khaled Barakat, escritor palestino e ativista político que reside no Canadá.

Opressão israelense

“A opressão israelense aumenta depois que nosso povo se levantou em maio de 2021, e há a intenção de dar-lhes uma lição. Os palestinos estão habituados a esta experiência”, disse Barakat, natural de Jerusalém, à Politics Today numa entrevista exclusiva, a primeira desde a detenção de Falah.

“A razão pela qual meu nome é mencionado é para que Israel tente ocultar a verdadeira história, que é o ataque aos estudantes palestinos e o direito ao retorno. Estes foram os debates da conferência que incomodaram os israelitas. Obviamente, assisti à conferência em Madrid, já que fui um dos organizadores, e vi todas as pessoas que assistiram à conferência. Foi um ato legítimo e público ao qual assistiram pessoas dos cinco continentes”, disse Barakat.

Apartheid: quase 5 mil palestinos definham em prisões israelenses; 160 são menores de idade

Segundo as autoridades israelitas, Falah falou do movimento estudantil palestino em Israel com outros palestinos da diáspora, incluindo Barakat. Em outubro de 2021, as autoridades israelenses classificaram como terroristas seis ONGs palestinianas, incluindo a Associação de Apoio aos Prisioneiros e Direitos Humanos Addameer e a Defesa das Crianças Internacional – Palestina (DCIP) que fazem campanha pelos direitos dos prisioneiros palestinos.

De acordo com a legislação israelita, o fato de Falah falar com Barakat é proibido porque se considera que está em contato com “um agente estrangeiro”. Segundo esta lógica israelita, um ator estrangeiro pode ser um ativista político, um defensor dos direitos humanos, um estudante, um familiar ou simplesmente qualquer palestiniano que se atreva a pedir a igualdade de direitos para os palestinianos depois de Israel ter se recusado claramente a conceder-lhes um Estado, como salientou uma vez mais o atual primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennet.

Bennet disse que seria “um erro terrível criar uma entidade diplomática palestina na nossa terra”. Bennet assinalou que Yair Lapid e Benny Gantz, que descreveu como políticos de esquerda no seu gabinete, podem continuar a apoiar a criação de um Estado palestino, mas o seu “campo” não.

Yousef M. Aljamal, Rebelión
Tradução: João Baptista Pimentel Neto


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Yousef M. Aljamal

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda