Pesquisar
Pesquisar
Foto: UNRWA / X

Israel destrói terras agrícolas em Gaza e no Líbano para tornar áreas inabitáveis

Bombardeios já destruíram aproximadamente 50% das culturas arbóreas e 42% das estufas agrícolas dentro de Gaza, aponta Universidade de Kent, nos EUA
Redação Resumen LatinoAmericano
Resumen LatinoAmericano
Buenos Aires

Tradução:

Carolina Ferreira

Os bombardeamentos israelenses atingiram todos os aspectos da vida em Gaza, tornando a faixa densamente povoada e sitiada cada vez mais inabitável. O bombardeamento israelita de Gaza nos seis meses desde 7 de outubro não só arrasou bairros inteiros, destruiu infraestruturas críticas e matou mais de 32 mil pessoas, mas também dizimou as terras agrícolas de Gaza, informou a Axios.

De acordo com uma análise de satélite da Universidade Estatal de Kent, os bombardeamentos israelitas destruíram aproximadamente 50% das culturas arbóreas e 42% das estufas agrícolas dentro de Gaza. “O nível de destruição é muito superior ao de outros locais afetados pela guerra que estudei, como a Chechênia e a Síria”, argumenta o relatório.

Leia também | Massacre da farinha: como mídia imperial tentou justificar carnificina de famintos em Gaza

A destruição das terras agrícolas de Gaza é uma das muitas formas pelas quais Israel está a tornar o enclave sitiado inabitável, especialmente quando a fome começa a instalar-se. O bombardeio e a invasão de Gaza também devastaram muitos dos olivais no norte e impediram os agricultores de colher o que restou, disse Naser Qadous, diretor sênior do programa de agricultura e meios de subsistência da organização humanitária Anera, à Axios.

O regime destruiu as estufas de Gaza, afirmou Qadous. Mas, “não se trata apenas da destruição da estufa em si, mas também da cadeia de valor. Ainda existem algumas estufas, mas os agricultores não têm acesso a elas e cuidam das suas plantas. É muito arriscado.”

Investigação

Uma investigação realizada por uma equipe de perícia digital da Universidade de Londres descobriu que Israel tinha “atacado sistematicamente” terras agrícolas e infraestruturas durante o cerco. Além disso, os bombardeamentos constantes destruíram escolas, padarias, mesquitas, igrejas, hospitais e locais de patrimônio cultural em Gaza.

As autoridades israelitas tentaram desculpar a destruição indiscriminada alegando que os membros do Hamas operam militarmente a partir destes tipos de locais. Uma análise de dados de satélite realizada pela Oregon State University mostrou que, desde 7 de outubro, as operações militares israelitas danificaram ou destruíram mais de 50% dos edifícios em Gaza, incluindo mais de 70% nas regiões do norte.

Leia também | Massacre contra ONG em Gaza revela: Netanyahu quer afundar Oriente Médio na guerra

Israel atacou terras agrícolas libanesas nos seus confrontos com o Hezbollah desde 7 de outubro. Como relatou o The Cradle, exuberantes áreas agrícolas do sul do Levante foram danificadas pelos bombardeios incendiários sionistas. De acordo com a Save the Children, “o aumento dos bombardeamentos e lançamentos de foguetes transfronteiriços desde 7 de outubro provocou incêndios numa área agrícola importante do Líbano que devastaram olivais e comunidades agrícolas próximas”.

Em fevereiro, a mesma organização observou que dezenas de milhares de famílias no sul do Líbano perderam seus meios de subsistência e o fogo israelita destruiu mais de 47 mil oliveiras, bem como outras culturas durante a sua colheita.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Resumen LatinoAmericano

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes