Pesquisar
Pesquisar

Israel liberta prisioneiro palestino em coma intermitente após 141 dias em greve; caso gera revolta

Abu Hawash foi detido com base em lei que permite a Israel prender palestinos em intervalos renováveis de 3 a 6 meses, com base em evidências não divulgadas nem a advogados
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Ramallah

Tradução:

A Autoridade Palestina para Assuntos de Prisioneiros e ex-prisioneiros declara em um comunicado que Abu Hawash, 40, deixará a prisão em 26 de fevereiro. Esta é uma nova vitória para nossos detidos, diz o texto, referindo-se a outros protestos semelhantes que obrigaram Tel Aviv a adotar a mesma decisão.

Horas antes, o porta-voz dessa instituição, Hassan Abd Rabbo, revelou que o estado de saúde de Abu Hawash é crítico. “Ele está em coma intermitente e sofre de fraqueza visual e incapacidade de falar, além de problemas cardíacos e atrofia muscular, frisou em declarações à agência oficial de notícias Wafa.

Nos últimos dias, protestos e marchas se intensificaram em várias áreas da Faixa de Gaza e da Cisjordânia em solidariedade ao detido. A União Europeia, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e outras organizações globais também expressaram preocupação com a saúde do prisioneiro.

Pouco antes do anúncio de sua libertação, 50 prisioneiros palestinos em prisões israelenses começaram uma greve de fome em solidariedade com seu compatriota na terça-feira. As milícias palestinas também aumentaram os contatos para responder a Israel.

Abu Hawash foi detido com base em lei que permite a Israel prender palestinos em intervalos renováveis de 3 a 6 meses, com base em evidências não divulgadas nem a advogados

Prensa Latina
Hisham Abu Hawash

A este respeito, representantes de alto escalão do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) e da Jihad Islâmica se encontraram na noite passada em Gaza para avaliar a situação.

Ambas as formações responsabilizaram o país vizinho nos últimos dias pela possível morte de Abu Hawash e ameaçaram represálias.

Este último está atrás das grades sob a política de detenção administrativa, criticada pela ONU e grupos de direitos humanos, porque permite que Israel prenda palestinos em intervalos renováveis que variam normalmente de três a seis meses com base em evidências não divulgadas que até mesmo o advogado do réu está proibido de ver .

Estima-se que cerca de 500 palestinos, dos mais de 4.000 detidos em prisões israelenses, sejam mantidos sob esses regulamentos controversos.

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza