Pesquisar
Pesquisar

Israel precisa sofrer consequências de seus atos, diz federação Árabe Palestina ao pedir fim da ocupação israelense

"Não podemos seguir vivendo os crimes de Israel contra a Palestina de tempo em tempo e aceitar que tudo se 'resolve' com mais um cessar-fogo", pontuou a organização
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Em nota emitida logo após o acordo de cessar-fogo firmado entre o governo do Estado de Israel e os representantes palestinos de Gaza na madrugada da última sexta-feira (21), a Federação Árabe Palestina do Brasil expressou a “alegria” com o “fim de mais uma rodada de matança israelense na Palestina”, que resultou em mais de 240 palestinos mortos.

Apesar da aparente “boa notícia”, a organização deixa claro a importância de não receber a informação como uma vitória palestina. “Não podemos seguir vivendo os crimes de Israel contra a Palestina de tempo em tempo e aceitar que tudo se ‘resolve’ com mais um cessar-fogo”, diz trecho do documento que alerta para o “círculo vicioso que normaliza o genocídio continuado na Palestina, a metódica limpeza étnica”.

A Federação ainda ressalta que “novas agressões, novos e inúteis cessar-fogos” só terão fim quando Israel “sofrer as consequências de seus atos”. “É necessário um cessar da ocupação israelense da Palestina e o fim de todos os crimes de guerra e de lesa humanidade daí decorrentes.”

Confira a íntegra:

"Não podemos seguir vivendo os crimes de Israel contra a Palestina de tempo em tempo e aceitar que tudo se 'resolve' com mais um cessar-fogo", pontuou a organização

Médicos Sem Fronteira
"É necessário um cessar da ocupação israelense da Palestina"

Recebemos com alegria o cessar-fogo e o fim de mais uma rodada de matança israelense na Palestina, com mais de 240 mortos, milhares de feridos e mutilados, desabrigados, danos materiais de centenas milhões de dólares, destruições de casas, hospitais, escolas, negócios, infraestruturas de água, esgoto, eletricidade, vias públicas.

Entretanto, não podemos seguir vivendo os crimes de Israel contra a Palestina de tempo em tempo, a destruição de tempo em tempo, os cadáveres e escombros de tempo em tempo e aceitar que tudo se “resolve” com mais um cessar-fogo. Não podemos seguir comemorando, de tempo em tempo, o fim de cada matança, nas quais morrem mais de 20 palestinos para um israelense, e aguardando a próxima, que necessariamente virá, em seguida novo cessar-fogo, e assim renovar-se um ciclo vicioso que normaliza o genocídio continuado na Palestina, a metódica limpeza étnica.

Não. É necessário um cessar da ocupação israelense da Palestina e o fim de todos os crimes de guerra e de lesa humanidade daí decorrentes. Sem isso, a vida palestina seguirá a rotina interminável da destruição, que, depois de consumada, será interrompida por novo cessar-fogo.

Israel obtém o sangue palestino que busca, inclusive para resolver seus problemas políticos domésticos, e um cessar-fogo, que garante sua impunidade, é louvado e aplaudido. Os crimes de Israel é que precisam cessar, não meramente sua fúria momentânea, até que venha a próxima.

Assim, é preciso dar fim a este ciclo vicioso. Novas agressões e novos e inúteis cessar-fogo só terão fim da cena Palestina quando Israel sofrer as consequências de seus atos. A Comunidade Internacional deve assumir suas responsabilidades e impor a Israel total obediência às resoluções da ONU, ao Direito Internacional, bem como garantir proteção internacional ao povo palestino.

Novamente cumprimentamos o povo palestino por sua bravura, agradecemos à solidariedade internacional nas ruas de todo o mundo, razão maior que levou os EUA a ordenaram a Israel a cessação de mais esta carnificina, assim como renovamos nossa luta a partir desta diáspora árabe palestino-brasileira.

Palestina Livre a Partir do Brasil, 21 de maio de 2021, 74º ano da Nakba.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda