Pesquisar
Pesquisar

Israel violenta e prejudica bem-estar de palestinos em Hebron, diz agência da ONU

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Soldado israelense patrulha mercado ao ar aberto em Hebron (imagem ilustrativa, de agosto de 2004)  | Foto: Wikicommons

O Departamento da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) denunciou as práticas implementadas pelas autoridades israelenses na cidade de Hebron, que transformaram essa localidade numa “cidade fantasma”.

Segundo a entidade, as condições de vida dos palestinos que permanecem nas áreas ocupadas, cercadas e restritas nessa cidade, estão se deteriorando gradualmente, inclusive em relação com os serviços básicos e as fontes de suprimento.

Israel, denuncia a entidade da ONU, exerce controle direto sobre 20% da cidade de Hebron, zona conhecida como H2, que abarca aproximadamente uns 40 mil palestinos e várias centenas de colonos israelenses que vivem em cinco assentamentos ilegais.

Publicidade

O isolamento das áreas desses assentamento e seus arredores do restante de cidade, diz o relatório, tem perturbado gravemente a vida familiar e social dos palestinos que vivem ali com sua dignidade violentada e desbaratado seu bem-estar psicossocial.

O texto acrescenta que os ataques e a intimidação praticadas pelos colonos israelenses têm sido componente principal no cerco coercitivo imposto contra os palestino que vivem nas proximidades desses enclaves.

Como potência ocupante, conclui o relatório, Israel deve proteger os civis palestinos na cidade de Hebron, garantir que possam satisfazer suas necessidades humanitárias e que possam exercer seus direitos humanos, inclusive seu direito à liberdade de circulação e não sofrer discriminação.

*Prensa Latina, de Tel Aviv, especial para Diálogos do Sul, direitos reservados


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei