Pesquisar
Pesquisar

Javier Milei: como outsider a favor da venda de órgãos foi destaque nas primárias da Argentina

Candidato da ultradireita, aliado do bolsonarismo e do Vox, foi o mais votado neste domingo (13), alcançando o apoio de 30% dos argentinos
Redação elDiario.es
elDiario.es
Madri

Tradução:

O candidato à presidência Javier Milei, fundador do partido A Liberdade Avança, surpreendeu nas eleições primárias na Argentina, cujos resultados apontam um giro do país rumo à extrema direita.

Nas eleições PASO (primárias, abertas, simultâneas e obrigatórias), nas quais os eleitores são convocados a votar em seus candidatos favoritos entre os apresentados por todos os partidos, a formação de Milei obteve mais de 30% de apoio. O pleito serve como uma fotografia eleitoral antes das eleições à presidência.

Assista na TV Diálogos do Sul

Milei, 52 anos, parece ter convencido um terço do eleitorado com suas denúncias contra “as castas” e “os políticos”, os sindicatos e, algumas vezes, “os jornalistas”. Por outro lado, não dedicou palavras hostis a empresários, Igreja e donos de terras, nem a ex-presidentes de direita, como o falecido peronista Carlos Menem ou o conservador Mauricio Macri.

Entre seus seguidores mais fieis há youtubers, corretores financeiros, figuras midiáticas, pregadores da ultradireita nostálgica da ditadura militar, antifeministas e conservadores de todas as cores.

Continua após o banner

Em seu programa, defende o fim do aborto legal, o fim da educação sexual nas escolas e o livre porte de armas. Também afirmou que o aquecimento global é outra das mentiras do socialismo”. Em várias ocasiões diante da mídia, disse que quando criança sofreu maus-tratos físicos e verbais dos pais: “Para mim não existem. Estão mortos”, dizia em 2018.

Candidato da ultradireita, aliado do bolsonarismo e do Vox, foi o mais votado neste domingo (13), alcançando o apoio de 30% dos argentinos

Reprodução/Facebook
As últimas pesquisas antes das primárias davam ao candidato menos de 20% das intenções de voto, mas as sondagens se equivocaram

Propostas econômicas radicais

O economista e ex-assessor da Corporação América, um dos principais empórios econômicos argentinos, após sua vitória nas primárias arremeteu contra “essa aberração chamada ‘justiça social’, que é injusta porque implica um tratamento desigual frente à lei e é baseada em roubo”.

O hiperliberalismo econômico que A Liberdade Avança propõe inclui a dolarização da economia, que poderia levar entre 9 e 24 meses até a circulação cotidiana do dólar nas ruas argentinas. Também propõe o fechamento do Banco Central do país e a privatização da saúde e da educação, somado ao encerramento do Estado, eliminando subsídios e baixando impostos e gastos com obras públicas. Uma “mudança de 180 graus”, define Milei.

Seu liberalismo econômico extremo o levou inclusive a apoiar a compra e venda de órgãos humanos, uma questão polêmica em sua campanha eleitoral, mas que aparentemente não deixou de lado. “É mais um mercado. Vocês podem pensar como um mercado. O problema é que tudo tem que ser regulado pelo Estado”, critica.

Em sua habitual retórica contra a classe política tradicional, algo comum nas extremas direitas de todo o mundo, o candidato prometeu: “Estamos frente ao fim do modelo de castas, baseado nessa atrocidade que diz que, onde há uma necessidade, há um direito, mas se esquece que esse direito precisa ser pago”. Do contrário, isso “se traduz em alto déficit fiscal: dos últimos 122 anos, a Argentina teve déficit durante 112”.

Continua após o banner

“No início do século 20, a Argentina teve 22 crises, produtos do déficit fiscal, e hoje é o país com a maior pressão fiscal do mundo”, afirmou na noite de ontem diante de seus seguidores, encontrando um terreno fértil na desastrosa economia argentina, com uma inflação galopante e uma taxa de pobreza que aumentou nos últimos anos (atualmente a pobreza de renda é de 39%, segundo dados oficiais).

De tertuliano a candidato presidencial

Os meios de comunicação abriram as portas da política para Milei quando fez sucesso nas redes. Ao perfil tecnocrático, o economista agregou a si uma personalidade exuberante que fazia com que suas participações televisivas compensassem em termos de audiência.

Em meados de 2021, fundou o A Liberdade Avança para disputar as eleições legislativas. Nas primárias de setembro daquele mesmo ano, pela primeira vez como candidato, Milei obteve 13% dos votos na cidade de Buenos Aires, convertendo seu recém-nascido partido na terceira força mais votada.

Após seu primeiro sucesso eleitoral, Pablo Stefanoni, historiador argentino e autor do livro ‘A rebeldia se tornou de direita?’, explicou ao elDiario.es que “Milei encarna um liberalismo de direita que não existia na Argentina. Algumas coisas da direita alternativa global ressoam nele, por isso sua reivindicação de Trump, sua ligação com Bolsonaro e o Vox. Emerge como um outsider, um personagem excêntrico, esteticamente nos antípodas dos antigos liberais argentinos. Milei é visto, até agora, com aversão nas fundações liberais tradicionais.”

Antes desse encontro com as urnas, Javier Ortega Smith, secretário-geral do Vox, esteve em Buenos Aires como convidado de uma conferência organizada por Victoria Villaruel, a segunda candidata na lista de Milei. No encontro, o dirigente espanhol convidou a construir uma alternativa à esquerda radical na Argentina: “Proponho a vocês, tal como propusemos aos nossos compatriotas na Espanha, que busquem uma alternativa, mas não uma alternativa eleitoral de curto prazo, mas sim geracional.”

O candidato de extrema-direita Javier Milei (à esquerda) com o líder do Vox, Santiago Abascal (Vox – Reprodução/Twitter)

Milei às vezes utiliza o mesmo discurso da ultradireita espanhola, como o negacionismo em relação a ditadura e memória histórica, em um país como a Argentina, onde a recente ditadura militar (1976-1983) deixou cerca de 30 mil desaparecidos.

Já Villaruel, candidato a vice-presidente da Milei, assinou o documento fundador do Foro de Madrid, criado em 2020 para combater a esquerda na “iberosfera”, introduzindo A Liberdade Avança no universo Vox, uma fonte de inspiração em seu caminho para a Casa Rosada (sede do Governo na Argentina).

Continua após o banner

O candidato ultraliberal também usa o adjetivo “comunistas” como um insulto aos seus adversários políticos e qualificou as políticas de memória e reparação como mera “doutrinação”, ideias todas amplificadas pelo mundo intelectual e jornalístico que o vem acompanhando desde sua ascensão meteórica.

Em um primeiro momento, o mercado eleitoral de Milei foi o dos “desiludidos” com o ex-presidente Macri (2015-2019), a quem sempre isentou de sua raiva. Porém, mais tarde, sua mensagem permeou setores populares ligados ao peronismo. Os problemas econômicos da Argentina deram a Milei a oportunidade de pescar o cansaço, sobretudo na classe média e média-baixa.

Continua após o banner

As últimas pesquisas antes das primárias davam ao candidato menos de 20% das intenções de voto, mas as sondagens se equivocaram mais uma vez e as propostas radicais de Milei, assim como sua “varinha mágica” para a economia, parecem ter atraído um em cada três argentinos que foram votar neste domingo (apesar de o voto ter caráter obrigatório, a abstenção não acarreta punições).

Milei, acima das expectativas

Ninguém previa que Milei seria a candidato mais votado em todo o arco político. Além disso, a vitória de Milei é ainda mais significativa A Liberdade Avança foi a força mais votada em 17 das 24 províncias, do norte andino à Patagônia: cidades industriais, agrícolas, mineradoras, de alta densidade ou pouco habitadas. Milei venceu em Córdoba e Santa Fé, segunda e terceira províncias mais populosas e com grande poder econômico.

Na noite de domingo, após conhecer os resultados, o candidato afirmou que sua proposta representa uma “alternativa competitiva que não só dará fim ao kirchnerismo, mas acabará com a casta parasita, tola e inútil deste país”.

Continua após o banner

Milei pediu o apoio dos eleitores que não foram às urnas neste domingo para completar a “revolução liberal”, tendo em vista o primeiro turno das eleições presidenciais de 22 de outubro. A participação nas primárias foi quase sete pontos percentuais menor do que em 2019, ficando ligeiramente abaixo de 70%.

O atual sistema de primárias foi implantado há 12 anos e serve como uma pesquisa com amostra real para as eleições presidenciais, que também contam com uma votação peculiar: o vencedor do primeiro turno deve superar 45% dos votos ou obter entre 40% e 45% e mais de dez pontos percentuais acima do segundo colocado para evitar um segundo turno, que neste ano seria em 19 de novembro.

Confirmando a guinada à direita, a segunda mais votada foi a ex-ministra da Segurança Patricia Bullrich, a candidata com posições mais radicais dentro da coalizão conservadora Juntos pela Mudança, que com pouco mais de 28% dos votos ficou ligeiramente à frente de União pela Pátria – a aliança dominante de centro-esquerda que alcançou 27% dos votos, graças ao apoio obtido pelo centrista Sergio Massa (21%).

Redação | elDiario.es
Tradução: Guilherme Ribeiro


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Redação elDiario.es

LEIA tAMBÉM

Daniel_Noboa_Colombia
Até 13 anos de prisão: oposição articula ação contra Noboa por invasão à embaixada
Petro_Maduro_Colombia_Venezuela 2
Encontro entre Petro e Maduro reafirma solidez dos laços entre Colômbia e Venezuela
Russia_Armenia
Rússia alerta Armênia: Não permitam que o Ocidente os engane e leve o país ao caminho errado
Jorge_Glas-Daniel_Noboa (3)
Ordem de invadir embaixada do México partiu de Noboa; Glas corre risco de vida, afirma defesa