Pesquisar
Pesquisar

José Martí é mais do que o pai de Cuba, é o herói da libertação de toda América Latina

Sua voz ecoa desde o sul do rio Bravo até a Patagônia. Em cada país os povos compartilham a essência de sua mensagem de uma América unida
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul
Lima

Tradução:

Costuma-se dizer que José Martí é o Apóstolo de CubaSan Martín e de Bolívar, e se projeta no continente porque ele viveu a América de um extremo a outro com inteligência e paixão.

José Martí nasceu em Havana há 169 anos, em um 28 de janeiro de 1853. Sua vida curta – morreu combatendo pela Independência de seu país em 19 de maio de 1895, com apenas 41 anos – foi manancial cristalino e suas ideias e ações alentaram a vida dos povos desta região em uma etapa gloriosa que fechou o primeiro ciclo da independência da América, quando estas terras acabaram com o jugo espanhol e abriram passagem para um novo cenário de luta, que hoje perdura. 

Tinha só 16 anos quando foi encarcerado e submetido a seis anos de prisão e trabalhos forçados. Em 1869 já andava com grilhões nos tornozelos, pagando tributo por uma causa que concebeu como sua desde que viu a luz. Desterrado à Espanha com apenas 19 anos, não assumiu nunca o espírito dos opressores, mas sim afirmou em sua alma a vigorosa chama da liberdade. 

Primeiro no México e depois em Nova York, nunca perdeu suas raízes. Explicando com belas palavras sua ideia de Pátria diria a Leonor Pérez Cabrera, sua mãe, que o amor à Pátria, “não é o amor ridículo à terra, nem à erva que pisam nossas plantas dos pés. É o ódio invencível a quem a oprime, é o rancor eterno a quem a ataca”. 

assista na tv diálogos do sul

A partir dessa concepção. Martí marcou seu caminho na mesma rota dos Libertadores, assumindo a ideia de que a Pátria não era uma pequena ilha perdida no Caribe, mas sim a América inteira, pela qual lutou com denodo. 

Foi com esse espírito que fundou sua primeira ferramenta de ação, o Partido Revolucionário Cubano, surgido em 1892, e que deu início à gesta armada que selaria, pouco depois, a Independência da Maior das Antilhas.

Sua voz ecoa desde o sul do rio Bravo até a Patagônia. Em cada país os povos compartilham a essência de sua mensagem de uma América unida

on cuba
José Martí, o apostolo da América

Marcas indeléveis

Ao mesmo tempo em que combatia infatigavelmente, José Martí – ensaísta, jornalista e filósofo, além de político e poeta – escreveu livros que deixaram marcas indeléveis na consciência de milhões. 

“Nossa América”, foi um deles, e “A Idade de Ouro”, outro.  No primeiro desenhou com assombrosa clareza o cenário que confrontava. Disse assim: O que sobre de aldeia na América há de despertar. Estes tempos não são para se deitar com o lenço na cabeça, mas sim com as armas no travesseiro, como os varões de Juan de Castellanos: as armas do juízo, que vencem as outras. Trincheira de ideias valem mais que trincheiras de pedra”.

E no segundo, integrado por quatro números da revista do mesmo nome, publicado em Nova York entre julho e outubro de 1889, rendeu uma homenagem prístina aos libertadores: Bolívar, da Venezuela; San Martín, do Rio da Prata; Hidalgo, do México: “três homens sagrados”.

Saiba quem foi José Martí, herói morto em batalha ao lutar pela Revolução Cubana

Aludindo ao dever destes homens, ao seu aporte criador e a suas ações não isentas de erros, Martí disse: “Os homens não podem ser mais perfeitos que o sol. O sol queima com a mesma luz que esquenta. O sol tem manchas. Os desagradecidos não falam senão das manchas. Os agradecidos falam da luz”. 

Passaram-se anos daqueles fulgurantes episódios da história. E é que hoje “É a hora do reconto e da marcha unida, e andaremos em quadro apertado, como a prata nas raízes dos Andes”. 

Isso explica o avanço dos povos de nosso continente. Assim se resume o que agora mesmo ocorre neste continente em que se joga a sorte do universo todo. A chama dos Libertadores ainda está acesa e ilumina o caminho pelo qual discorre nosso tempo. E Martí – que viveu nas entranhas do monstro e que o conheceu por dentro – deixou de ser só uma figura de Cuba e se converteu no Apóstolo de América. 

Por isso se impõe sua voz desde o sul do rio Bravo até a Patagônia. Em cada país, com seu estilo, os povos compartilham a essência de sua mensagem e estão crescentemente convencidos de que “No mundo há de haver certa quantidade de decoro como há certa quantidade de luz.

Quando há muitos homens sem decoro, há outros que têm em si o decoro de muitos homens. Estes são os que se rebelam com força terrível contra os que lhes roubam aos povos sua liberdade, que é roubar aos homens seu decoro. Nesses homens vão milhares de homens, vai um povo inteiro, vai à dignidade humana”.

“Pátria é humanidade”: em tempos de pandemia, Cuba se mantém fiel a Martí e Fidel

Se olharmos cada país e analisarmos cada experiência vivida pelos povos de nosso continente veremos que, em efeito, a América é uma só, e que hoje se pode falar de Nossa América com o mesmo espírito com que se falava nos anos de Martí ou de Mariátegui

O Processo Emancipador Latino-americano cresce no coração de cada cidadão e haverá de florescer em cada curva do caminho no qual se encontre uma ideia extraída do pensamento martiano, ou um conceito mariateguista que assinale o caminho dos povos. 

Falar disso, não é aludir a um personagem alheio, nem a uma figura estranha. Ele também encarna a vontade dos peruanos, imersos em uma luta na qual outra vez assomam os mestiços que viveram à sombra do Poder tradicional, e dos libertadores que caminham com as ideias de San Martín, Bolívar e Martí, agitando a consciência das multidões e abrindo caminho à modernização de nossa sociedades.

Gustavo Espinoza M., Colaborador de Diálogos do Sul de Lima, Peru

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri