Pesquisar
Pesquisar

Jovens negros latino-americanos são maiores alvos da desigualdade socioeconômica

Estudo aponta que 134 milhões de pessoas que compõem esse grupo enfrentam diariamente racismo, sexismo, adultocentrismo e heteronormatividade
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Santiago

Tradução:

Os jovens afrodescendentes da América Latina, cerca de 37,6 milhões de pessoas, enfrentam hoje maiores desigualdades socioeconômicas e estruturais, segundo um relatório.

Segundo relatório elaborado pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e o Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa), na região o racismo, o sexismo, o adultocentrismo e a heteronormatividade marcam a vida desse segmento populacional.

Da mesma forma, o perfil racial, sendo todas as ações realizadas pela polícia ou por um funcionário encarregado de fazer cumprir a lei contra uma pessoa, ou grupo, com base em suas características físicas (cor da pele, origem étnica, aparência e outras).

Estudo aponta que 134 milhões de pessoas que compõem esse grupo enfrentam diariamente racismo, sexismo, adultocentrismo e heteronormatividade

Bernardo Jardim Ribeiro
A falta de oportunidades tem impacto direto na educação, saúde e emprego dos jovens negros na América Latina

Estas realidades têm um impacto direto nas oportunidades de educação, saúde e emprego destes jovens, que se agravou em consequência da pandemia de Covid-19, aponta o estudo.

A América Latina recebe o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, comemorado todo dia 21 de março, com a necessidade de promover políticas e programas que ajudem a superar essas diferenças e fortalecer a liderança de jovens e organizações de jovens afrodescendentes.

Seu papel deve ser protagonista na construção de propostas e ações vinculadas ao seu ambiente e realidade, para transformar o panorama atual, apontam a CEPAL e o UNFPA.

Atualmente na área latino-americana existem 134 milhões de pessoas que se autoidentificam com base em categorias relacionadas a afrodescendentes ou cor da pele, o que representa 20,9% da população total, especifica a pesquisa.

Em 21 de março de 1960, a polícia abriu fogo contra uma manifestação pacífica contra as leis do apartheid em Sharpeville, África do Sul, matando 69 pessoas.

Seis anos depois, a Organização das Nações Unidas proclamou a data como o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, para que a comunidade internacional redobrasse os esforços para eliminar todas as formas de segregação.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Lin Jian - China
China expõe contradições da UE sobre Direitos Humanos e critica interferências
sudao-refugiados
Fugir da guerra para passar fome nos países vizinhos: o martírio dos refugiados do Sudão
Fujimori-Peru
PL no Peru que pode deixar Fujimori impune e engavetar 600 crimes viola direito internacional
imigração
Antes esperança para refugiados, Norte global germina ódios, aumenta muros e deixar morrer