Pesquisar
Pesquisar

#JuanOrlandoEsNarco: Acusado de corrupção e tráfico de drogas, presidente de Honduras é rechaçado nas redes

O comparecimento de Juan Hernández diante do Congresso de Honduras foi descrito como um “show” pelo deputado Luis Redondo
CRITERION.HN
Pressenza
Tegucigalpa

Tradução:

O comparecimento de Juan Hernández diante do Congresso de Honduras foi descrito como um “show” pelo deputado do partido PINU (Partido Innovación y Unidad Social Demócrata), Luis Redondo, um dos primeiros a reagir às declarações das quais o presidente quer se desvincular e que são as últimas acusações contra ele por corrupção e tráfico de drogas.

Redondo questionou que Hernández, a quem qualificou de “cínico e criminoso”, tenha usado o Congresso Nacional “como plataforma para mentir, eles nos transformaram em um governo narcotraficante” e também atacou a Diretoria Legislativa que não deveria ter permitido o comparecimento. “Eles são cúmplices”, indicou. Em relação às declarações do presidente que, com um rosto sombrio, defendeu mais uma vez sua luta contra o narcotráfico em meio a pedidos para que renuncie, o parlamentar levantou a questão de “quantos narcotraficantes do partido (Nacional) estão extraditados e receberam o pedido de extradição, quantos corruptos impunes, quantos corruptos em liberdade estão gozando da impunidade?”.

O comparecimento de Juan Hernández diante do Congresso de Honduras foi descrito como um “show” pelo deputado Luis Redondo

Reprodução: Flckr
O presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández,

Ele esclareceu que a líder da bancada do PINU, Doris Gutiérrez, “abandonou esse show dos nacionalistas e seus aliados no Congresso Nacional”.

Também se uniu ao apelo solicitando a renúncia de Hernández e declarou que os membros do Conselho de Defesa e Segurança Nacional “também estão envolvidos no tráfico de drogas”.

Para o deputado, as declarações de Hernández, dizendo que acordos (como o de extradição) podem se desmoronar são uma “ameaça direta aos Estados Unidos”.

O ex-presidente Manuel Zelaya também se referiu ao que disse Hernández, que, em sua opinião, “se despede com um discurso falso diante dos militares e da diretriz do CN. Ele sabe que, ao deixar a presidência, será acusado pelos Estados Unidos de conspirador CC4 (conspirador número 4) pelo narcotráfico”. Da mesma forma, uniu-se à convocação geral da sociedade, “você deve renunciar”.

Por sua vez, a ex-deputada do Partido Libre, Beatriz Valle, afirmou que “a mitomania do narcotraficante é impressionante… que cinismo”.

Enquanto Hernández pronunciava seu discurso, o hashtag “JuanOrlandoEsNarco” se posicionou no topo das tendências no Twitter, seguido por #FueraJOH.

“Enquanto as autoridades se defendem com unhas e dentes, nós, hondurenhos, queremos saber se o Ministério Público vai agir e começar uma investigação”, comentou o deputado do Libre Jorge Cálix. O não cumprimento, acrescentou, “deixará claro que são cúmplices da corrupção e do tráfico de drogas”.

Cálix também aderiu ao apelo para que Hernández renuncie ao cargo de presidente.

Afirmou que os deputados do Libre não foram convocados para a reunião dos líderes de bancada e do Conselho Nacional de Defesa e Segurança, e que “os conservadores estão contando suas mentiras entre si”.

Por sua vez, a pesquisadora científica hondurenha Mary Vallecillo, residente nos Estados Unidos, lembrou que “as acusações e denúncias aqui são baseadas em evidências suficientes para sustentar um caso… não se trata apenas de fofoca, ‘más intenções’ ou ‘vingança ‘”, aludindo ao discurso vitimizado de Hernández.

Em termos semelhantes, o ex-candidato presidencial, Bernard Martínez, considerou que o presidente “com cara de bobo queria apresentar um sentimento de pena que não funcionou para ele”, e também exigiu sua saída imediata junto com o gabinete. “Renunciar ao poder executivo é um ato de coragem de alguém que está livre de todos os laços com o crime organizado”.

Também a ex-diretora de Medicina Forense, Julissa Villanueva, referiu-se ao apelo de vários setores da sociedade hondurenha para que Hernández deixe a Presidência, “chegou a hora de nos unirmos todos e ser parte da oposição” e pediu deixar para trás a indiferença e lutar para recuperar o país.

Diversas organizações fizeram apelos solicitando renúncia do presidente hondurenho, entre elas, o Conselho Nacional Anticorrupção, o Movimento da Pátria e Convergência contra o Continuismo, o Fórum Social para a Dívida Externa e Desenvolvimento de Honduras (Fosdeh) e a Plataforma Nacional de Políticos Negros de Honduras (Planapohn).


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
CRITERION.HN

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri