Pesquisar
Pesquisar

Jurista Paulo Abrão analisa conflitos na OEA e comenta saída "de surpresa" da CIDH

Ex-membro da Comissão de Direitos Humanos comentou as circunstâncias que impediram sua continuidade no cargo de secretário-geral do organismo
Pedro Stropasolas
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

No mês passado, o Brasil governado por Jair Bolsonaro (sem partido) se envolveu em mais um conflito diplomático. O brasileiro Paulo Abrão teve sua recondução negada ao posto de secretário-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão que fiscaliza violações de direitos no continente.

Mesmo sendo eleito por unanimidade pela comissão, o brasileiro foi vetado pelo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, que agiu sob pressão dos governos dos Estados Unidos, da Colômbia e do Brasil, com os quais simpatiza.

Ex-membro da Comissão de Direitos Humanos comentou as circunstâncias que impediram sua continuidade no cargo de secretário-geral do organismo

Foto: EBC
Entre 2011 e 2014, Abrão foi secretário nacional de Justiça do governo de Dilma Rousseff

Papo de Janela

Abrão, neste sábado (26), às 17h, foi o convidado principal do Papo de Janela, programa transmitido pelo Facebook e pelo YouTube, e retransmitido nas redes do Brasil de Fato.

No encontro virtual, ele deu sua versão sobre a saída da CIDH e o trabalho que desenvolveu nos quatro anos em que cumpriu a função no órgão internacional.

Além do jurista, a bancada do programa foi composta pela professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Charlotth Back, e pelos jornalistas Jackson Segundo, Débora Cruz e Bráulio Ribeiro. Também participou do evento virtual a correspondente do Brasil de Fato, em Caracas, Michele de Mello.

O veto de Almagro se deu sob justificativa de que haveria denúncias administrativas contra o jurista brasileiro, mas sem apresentá-las.

Embora a CIDH seja vinculada à OEA, a instituição sempre teve poderes independentes, por isso a não renovação do vínculo de Abrão tem caráter inédito. Internamente, ela é vista como uma agressão à autonomia da CIDH e como uma tentativa de enfraquecimento da apuração de denúncias de violações de direitos humanos no continente.

Pedro Stropasolas | Brasil de Fato

Edição: Mauro Ramos


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Pedro Stropasolas

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda