Pesquisar
Pesquisar
Foto: Reprodução

Justiça do Chile pede 25 anos de prisão a Héctor Carrillanca por liderar luta Mapuche

Julgamento contra porta-voz e principal dirigente da organização rebelde mapuche Coordinadora Arauco Malleco (CAM) começou na última terça-feira (12)
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago del Chile

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Um julgamento penal contra Héctor Llaitul Carrillanca (56), porta-voz e principal dirigente da organização rebelde mapuche Coordinadora Arauco Malleco (CAM), teve início na última terça-feira (12), na cidade de Temuco, 700 quilômetros ao sul da capital chilena, no coração do território (Wallmapu) indígena. A promotoria solicita 25 anos de prisão para ele.

Llaitul, preso desde agosto de 2022 após ser detido sem resistência em uma locação rural na Região do Bio-bío, é acusado dos delitos de incitação e apologia à violência, furto simples, atentado contra a autoridade e usurpação. O governo do presidente Gabriel Boric (1986-) é também demandante na causa, representado pelo Ministério do Interior.

Leia também | Mapuches a Boric: “Enquanto houver presos políticos e militarização, não haverá diálogo”

A CAM, com mais de 20 anos de trajetória, é uma das pelo menos cinco organizações mapuches que operam armadas em prol da recuperação dos territórios ancestrais dessa etnia, da expulsão do Wallmapu dos conglomerados florestais que exploram as terras e da obtenção de autonomia que facilite formas de organização, segundo a cultura e tradição mapuche

Sobretudo, a CAM, mediante a ação de seus Órgãos de Resistência Territorial (ORT), da mesma forma que os outros agrupamentos, age recuperando e habitando prédios, incendiando comboios e madeireiras, fazendas agrícolas em poder de colonos chilenos e infraestruturas como pontes, escolas e igrejas que simbolizaram a colonização e usurpação ocorrida desde meados do século XIX, após a ocupação do Wallmapu pelo exército chileno.

O líder mapuche se declaro como preso político
Héctor Llaitul Carrillanca: “A luta mapuche não é algo sem conteúdo” (Foto: Reprodução)

Llaitul apelou à resistência armada mapuche

Em janeiro de 2020, após o julgamento e condenação de um militante da CAM, Llaitul apelou à resistência armada, conforme interpretado pela administração do falecido ex-presidente Sebastián Piñera (1949-2024), o que lhe custou o início da persecução penal. Ao longo de sua existência, a CAM e outros agrupamentos reivindicaram a autoria de centenas de atentados.

Leia também | Prisão de líder mapuche Llaitul é continuidade da estratégia de repressão do Estado chileno

“A luta mapuche não é algo sem conteúdo. Tem muitos fundamentos: histórico, político, ideológico, cultural, espiritual. Portanto, se nos mandarem dizer que a resistência se manterá. E a resistência, tal qual, é uma resistência armada”, afirma.

Havia uma certa expectativa de que o “conflito mapuche” seria amenizado com a chegada de Boric à presidência do Chile, pois durante sua campanha prometeu desmilitarizar regiões do Wallmapu onde Piñera enviou tropas. No entanto, apenas dois meses depois de assumir o cargo, em meados de 2022, decretou o estado de exceção e militarizou zonas específicas. Segundo o governo, a violência rural diminuiu tanto devido à emergência quanto às novas leis em matéria de segurança.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri