Pesquisar
Pesquisar

Lavrov na ONU: Ninguém permitiu que o Ocidente falasse em nome de toda humanidade

Diplomata russo também instou a comunidade internacional a não ver a questão ucraniana sem o seu contexto geopolítico
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Moscou

Tradução:

Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, disse nesta segunda-feira (24) que a minoria ocidental deveria se comportar decentemente e respeitar os outros membros da comunidade mundial.

“Vamos ser diretos: ninguém permitiu que a minoria ocidental falasse em nome de toda a humanidade”, disse Lavrov, falando em reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre multilateralismo efetivo e a defesa dos princípios da Carta da ONU.

Assista na TV Diálogos do Sul

“Temos que nos comportar decentemente e respeitar todos os membros da comunidade internacional”, sublinhou o ministro.

Segundo Lavrov, os EUA escolheram o caminho de destruição da globalização.

“Em uma tentativa desesperada de afirmar seu domínio através da punição dos desobedientes, os EUA têm se empenhado em destruir a globalização, que durante anos exaltaram como um bem supremo de toda a humanidade, que servia o sistema multilateral da economia mundial“, apontou.

Continua após o banner

Conforme declarou, “Washington e o resto do Ocidente que se lhe submeteu invocam suas ‘regras’ sempre que precisam justificar movimentos ilegítimos contra aqueles que traçam suas políticas de acordo com o direito internacional e se recusam a seguir os interesses egoístas do ‘bilhão de ouro'”, em referência à população dos países mais ricos.

“Os discordantes ficam na lista negra de acordo com o princípio: quem não está conosco está contra nós”, sublinhou o alto responsável.

Diplomata russo também instou a comunidade internacional a não ver a questão ucraniana sem o seu contexto geopolítico

Serviço de imprensa do Ministério das Relações Exteriores da Rússia
"Mais uma vez, como no período da Guerra Fria, chegamos a uma linha perigosa, e talvez ainda mais perigosa", observa Lavrov




Situação internacional da Ucrânia

O diplomata instou a comunidade internacional a não ver a questão ucraniana sem o seu contexto geopolítico, e sugeriu que o multilateralismo “pressupõe o respeito pela Carta das Nações Unidas em todos os seus princípios inter-relacionados”.

Lavrov: Como Hitler, EUA tentam unir países europeus para “solução final” contra Rússia

O regime nazista de Kiev não pode ser visto como representando os interesses da região de Donbass depois que a população local recusou reconhecer o golpe de Estado sangrento de fevereiro de 2014, continuou Sergei Lavrov, citando o exemplo dos sérvios do Kosovo, aos quais a União Europeia prometeu a autonomia, da mesma forma que a Alemanha e a França o fizeram para Donbass.


Tensões internacionais

“Mais uma vez, como no período da Guerra Fria, chegamos a uma linha perigosa, e talvez ainda mais perigosa. A situação é exacerbada pela perda de fé no multilateralismo, quando a agressão financeira e econômica ocidental destrói os benefícios da globalização, quando os EUA e seus aliados abandonam a diplomacia e exigem que as relações sejam resolvidas ‘no campo de batalha’.”

Tudo isso dentro dos muros da ONU, que foi criada para evitar os horrores da guerra. As vozes de forças responsáveis e sensatas, os apelos por sabedoria política e o renascimento de uma cultura de diálogo estão sendo abafados por aqueles que escolheram minar os princípios fundamentais da comunicação interestatal”, notou ele, instando ao “retorno às raízes”, com respeito aos propósitos e princípios da Carta da ONU “em toda a sua diversidade e interconexão”.

Continua após o banner

O ministro das Relações Exteriores vê o destacamento de forças significativas de Washington e aliados para a Ásia-Pacífico como outro ataque ao multilateralismo.

“Os EUA e seus aliados estão agora empregando forças consideráveis para minar o multilateralismo na Ásia-Pacífico, onde um sistema aberto e bem-sucedido de cooperação econômica e de segurança foi desenvolvido por décadas em torno da ASEAN”, mencionou Lavrov, falando sobre a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, na sigla em inglês).

Continua após o banner

O chanceler disse que esse sistema de cooperação permitiu abordagens consensuais que se adequavam tanto aos dez membros da ASEAN quanto a seus parceiros de diálogo, incluindo a Rússia, China, EUA, Índia, Japão, Austrália e Coreia do Sul, garantindo um verdadeiro multilateralismo inclusivo.

“Ao apresentar sua ‘Estratégia do Indo-Pacífico’, Washington escolheu romper essa arquitetura de consenso estabelecida”, assumiu o ministro das Relações Exteriores russo.

Redação | Sputnik News


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição