Pesquisar
Pesquisar

Líder do ETA negocia com governo espanhol saída da prisão de 200 ex-combatentes

No 10º aniversário do fim da luta armada por parte do ETA, o líder da esquerda abertzale, Arnaldo Otegi negocia libertação em troca da aprovação do orçamento do governo
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

No décimo aniversário da declaração do cessamento unilateral e definitivo da luta armada por parte da organização separatista basca ETA, o líder da esquerda abertzale, Arnaldo Otegi tornou a se converter no protagonista ao reconhecer que negocia com o governo espanhol, do socialista Pedro Sánchez, a saída da prisão de até 200 presos etarras em troca de apoiar os orçamentos. 

O mandatário espanhol enfrentou um alude de críticas e desqualificações da direita no Congresso em uma sessão de controle na qual afirmou que “rotundamente não” vai liberar os militantes da organização armada. 

Otegi, como líder de EH-Bildu e representante histórico do chamado “braço político do ETA”, reconheceu em um encontro com seus militantes que sua formação normalizou a relação institucional com o governo espanhol, sobretudo graças à intermediação do Unidas Podemos (UP) e a mudança de postura do Partido Socialista Obreiro Espanhol (PSOE). 

Os cinco deputados do Bildu são cruciais na aritmética parlamentar espanhola e podem inclinar a balança para aprovar ou não as iniciativas do governo. De fato, os anteriores orçamentos gerais foram adiante graças aos votos do Bildu, que receberam em troca o acercamento dos presos do ETA a prisões da região e uma promessa, ainda não cumprida, que foi a da derrogação a atual lei trabalhista.

No 10º aniversário do fim da luta armada por parte do ETA, o líder da esquerda abertzale, Arnaldo Otegi negocia libertação em troca da aprovação do orçamento do governo

La Jornada
Otegi reconheceu que na mesa de negociação com o Executivo de Sánchez está a saída da prisão de até 200 membros do ETA

Neste sentido, Otegi reconheceu que na mesa de negociação com o Executivo de Sánchez está a saída da prisão de até 200 membros do ETA. E explicou: “temos 200 presos no cárcere e se para tirá-los há que votar os orçamentos, pois os votamos. Eu digo assim alto e claro”.  E agregou: “demos uma patada no formigueiro e nos pusemos no centro do tabuleiro. Este é o momento. É um momento crítico, é um momento difícil, é um momento importante. E vamos dar tudo, vamos colocar tudo”. 

Após admitir erros cometidos pelo ETA, líder separatista cobra de ex-presidente mea culpa

O presidente Pedro Sánchez recebeu duras críticas da oposição de direita no Congresso dos Deputados, sobretudo do Partido Popular (PP) e de Vox, que lhe exigiram romper qualquer tipo de aliança ou de negociação com Bildu. 

O mandatário espanhol se limitou a responder que “rotundamente não” vai libertar os 200 presos do ETA a que aludiu Otegi. 

Também, aproveitando o aniversário do comunicado do ETA, os ex-presidentes do governo espanhol Felipe González e Mariano Rajoy exigiram à esquerda abertzale que “peça perdão” pelos atentados. 

Rei emérito da Espanha burla justiça para impedir que processo por delito fiscal avance

Além de ser negociado no Congresso dos Deputados uma declaração institucional de condenação à violência do ETA, que foi impulsionada conjuntamente pelo PP e o PSOE, mas à qual já expressaram seu rechaço tanto o partido do governo, UP, como seus sócios parlamentares da Esquerra Republicana de Catalunya. Enquanto as formações bascas, Bildu e Partido Nacionalista Basco, não contestaram.  

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo
Neoliberalismo
Thatcher 2.0? Think tank Atlas Network invade Europa com negacionismo e ultra liberdade de mercado
Jesus-Chuy-Garcia
Vítimas da violência no México e nos EUA se unem contra armamentismo estadunidense
emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular