Pesquisar
Pesquisar

Líder do Hamas denuncia “limpeza étnica” e diz que Jerusalém jamais será rendida aos “invasores sionistas”

Khaled Meshaal descreveu a campanha de despejo contra famílias palestinas do bairro de Sheikh Jarrah
Redação Monitor Do Oriente Médio
São Paulo (SP)

Tradução:

Khaled Meshaal, chefe do gabinete da diáspora do movimento Hamas, descreveu a campanha de despejo contra famílias palestinas do bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental ocupada, conduzida por forças israelenses, como “limpeza étnica”.

As informações são da agência Anadolu.

“O que acontece hoje em Sheikh Jarrah é limpeza étnica, com a expulsão de famílias que têm história no bairro”, denunciou Meshaal em evento denominado “Jerusalém e a promessa do futuro”, organizado pela Associação Marroquina em Apoio às Causas da Ummah.

O líder do Hamas reiterou que Jerusalém jamais será rendida aos “invasores sionistas”.

“A Ummah [comunidade islâmica global] será vitoriosa e seus inimigos serão derrotados, apesar de todo o sofrimento em curso e as tentativas de dividí-la”, prosseguiu.

“Não há vida para nós sem Jerusalém”, reiterou Meshaal. “Jerusalém não é uma capital política, religiosa ou civilizacional, mas sim o próprio passado, presente e futuro, a terra  decisiva na luta contra os sionistas, desde o primeiro ao último momento”.

Khaled Meshaal descreveu a campanha de despejo contra famílias palestinas do bairro de Sheikh Jarrah

Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu
Forças israelenses arrombam um portão de uma família palestina durante manifestação contra a ordem israelense de expulsar residentes locais.

Nos últimos dias, os palestinos de Jerusalém protestaram em solidariedade aos residentes de Sheikh Jarrah, em meio a forte repressão da polícia israelense.

As manifestações denunciam os planos da ocupação de despejar famílias palestinas do bairro, para entregar suas casas a associações coloniais e substituí-las por colonos ilegais, em violação flagrante da lei internacional.

Mais de 290 palestinos ficaram feridos devido à violência das forças de Israel, na cidade de Jerusalém, desde sexta-feira (7).

Israel capturou Jerusalém Oriental, onde se localiza o complexo da Mesquita de Al-Aqsa, durante a chamada Guerra dos Seis Dias, em 1967. A ocupação israelense anexou toda a cidade em 1980, medida jamais reconhecida pela comunidade internacional.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul


   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Monitor Do Oriente Médio

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação