Pesquisar
Pesquisar

Lista europeia do Pandora Papers reúne realeza, políticos, máfia e estrelas do esporte e música

Documentos incriminam o ex-premiê britânico Tony Blair, o capo da camorra italiana Raffaele Amato, o treinador de futebol catalão Pepe Guardiola e a ex-amante do rei emérito Juan Carlos de Borbón, a princesa alemã Corinna Larsen
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Os Papéis de Pandora revelados no final de semana pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) apontam destacados líderes, empresários, futebolistas e até músicos europeus, entre eles o ex-premiê britânico Tony Blair, o financeiro francês e ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, o primeiro-ministro da República Checa, Andrey Babic e outras personalidades, como o treinador de futebol catalão Pep Guardiola, e o baterista dos Beatles, Ringo Starr.

Pandora Papers: Investigação revela os paraísos fiscais dos milionários

A massiva divulgação de arquivos sobre a rede de empresas que operam em paraísos fiscais para lavar dinheiro e mover as grandes fortunas da elite mundial mostra alguns dos grandes políticos e financeiros europeus entre eles o ex-premiê britânico, o trabalhista Tony Blair, o qual foi um artífice crucial para a guerra de invasão do Iraque em 2003.

Segundo a investigação, Clair e sua esposa, Cherie Blair, compraram um edifício vitoriano em Londres, avaliado em 8,8 milhões de dólares, e a aquisição foi feita em 2017 através de uma companhia das Ilhas Virgens Britânicas registrada como proprietária legal da propriedade.

Um dos casos mais graves é o do francês Strauss-Kahn, que esteve à frente do Fundo Monetário Internacional de 2007 a 2011, ano em que foi acusado de violação por uma empregada de um hotel em Nova York.

Segundo a investigação jornalística, o ex-político socialista figura como diretor e acionista de uma companhia criada em Dubai com domicílio em Marrocos, uma trama offshore que utilizou para gerir seus ganhos como assessor internacional. 

Documentos incriminam o ex-premiê britânico Tony Blair, o capo da camorra italiana Raffaele Amato, o treinador de futebol catalão Pepe Guardiola e a ex-amante do rei emérito Juan Carlos de Borbón, a princesa alemã Corinna Larsen

europe politique
Lista europeia reúne realeza, políticos, mafiosos e astros do esporte

Em relação ao primeiro-ministro checo, Babi, a investigação adverte que em 2009 ele comprou um castelo na Costa Azul da França através de uma extensa trama de empresas pouco transparentes e um ano depois adquiriu sete propriedades próximas ao mesmo terreno por meio de uma empresa de Mônaco.

Do ministro holandês de Finanças, Wopke Hoekstra, o ICIJ apontou que fez várias aquisições de ações da sociedade offshore Candace Management LTD, incorporada nas Ilhas Virgens Britânicas, entre 2010 e 2014.

A investigação na Espanha confirmou que a rede de utilização dessas argúcias financeiras estava muito extensa, ao ser identificadas em torno de 600 pessoas vinculadas à fraude global por meio de 751 sociedades pouco transparentes, entre as quais estariam desde o atual treinador do Real Madrid, Carlo Ancelotti, o capo da camorra italiana Raffaele Amato e o ex-prefeito de Barcelona, Xavier Trias, entre outros. 

Na investigação também está a ex-amante do rei emérito Juan Carlos de Borbón, a princesa alemã Corinna Larsen, a qual planejou em 2007 que administradores de um fideicomisso denominado Peregrine, a partir da Nova Zelândia, entregassem Juan Carlos I, no caso de que ela morresse, “os 30% dos ingressos provenientes do Fundo de Investimentos Hispano Saudi” que o anterior chefe de Estado havia patrocinado e para o qual ela havia trabalhado. 

Pandora Papers: Só na América Latina, US$ 40 bilhões foram desviados para paraísos fiscais

Os documentos, sem assinar, nos quais se refletem seus desejos, foram criados em 27 de março de 2007, 14 dias antes de que fosse registrado em Guernsey, paraíso fiscal das Ilhas do Canal, o fundo hispano saudita impulsionado por ambos os países. O advogado de Larsen assegura que esses documentos são falsos. 

Na trama também figura o treinador de futebol catalão Pep Guardiola, que nos últimos anos assumiu a causa do independentismo. Segundo a investigação, o ex-futebolista foi titular de uma conta bancária em Andorra até 2012, quando decidiu acolher-se a uma regularização de anistia fiscal impulsionada pelo governo de Mariano Rajoy. Calcula-se que o esportista tenha regularizado quase meio milhão de euros. 

A pesquisa também aponta para o rei da Jordânia, Abdallah II, que foi identificado como o proprietário de 14 casas de luxo não declaradas, repartidas por Reino Unido e Estados Unidos. Os imóveis foram adquiridos entre 2003 e 2017 através de empresas de fachada registadas em paraísos fiscais. O seu valor total eleva-se a mais de 106 milhões de dólares (dois mil e 120 milhões de pesos).

Armando G. Tejeda, Correspondente de Madri

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos