Pesquisar
Pesquisar

López Obrador declara: OEA é inútil, opera contra governos populares e deve desaparecer

Presidente do México fez declaração nesta quarta (10), durante conferência matinal: “Sabem de algo bom que tenham feito?”, questionou
Emir Olivares
La Jornada
Cidade do México

Tradução:

O presidente Andrés Manuel López Obrador criticou a “interferência” da Organização dos Estados Americanos (OEA), “que está a serviço de interesses escusos”. E, mais uma vez, propôs seu desaparecimento, já que tem se dedicado apenas a “endossar atos autoritários” contra os governos populares da região.

“Esta organização enganosa está a serviço de grupos com interesses escusos. Recomendo que a OEA, que é inútil, desapareça. A OEA serve para alguma coisa? Sabem de algo bom que a OEA tenha feito?”, questionou o presidente mexicano na manhã desta quarta-feira (10).

O líder mexicano enfatizou que a única coisa que a referida aliança regional tem feito “é endossar todos os atos autoritários contra os governos legítimos, legais e populares na América Latina. É isso e nada mais o que a OEA tem feito. Eles não possuem nenhuma autoridade, nem autoridade moral, nem autoridade política”.

Emir Olivares e Alonso Urrutia | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Emir Olivares

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei