Pesquisar
Pesquisar

Lula: Pelé nos obrigava a assistir futebol, a gente gosta de alguém que dá espetáculo

Presidente foi a Santos nesta terça-feira (3) dar o último adeus e prestar homenagem ao Rei do Futebol
Bárbara Luz
Portal Vermelho
São Paulo (SP)

Tradução:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chegou ao velório do Pelé na manhã desta terça-feira (3) acompanhado da primeira-dama, Rosângela da Silva, a Janja, para prestar as últimas homenagens ao Rei do Futebol e solidariedade para sua família. O presidente chegou a Santos de helicóptero e desembarcou no estádio da Portuguesa Santista, de onde seguiu de carro até a Vila Belmiro.

Após a chegada do presidente, foi iniciada uma cerimônia religiosa com o padre Javier Mateo Arana, da diocese de Santos. O celebrante destacou a relação de Pelé com a mãe, dona Celeste, de 100 anos e chegou a citar Maradona e Di Stéfano. Os presentes rezaram um pai-nosso e uma “Ave Maria”.Lula e Janja chegam ao velório do Pelé | Foto: Marcos Ribolli 

Mesmo com a presença do presidente, a fila de torcedores continuou ininterrupta e em silêncio, sem manifestações sonoras direcionadas nem a Lula nem a Pelé.

Assista na TV Diálogos do Sul

Esse é o primeiro compromisso de agenda oficial de Lula fora de Brasília desde que tomou posse neste domingo (1º/1). Ele entrou no estádio sem falar com a imprensa e foi aplaudido por algumas das últimas pessoas que passavam ao lado da tenda onde estava o caixão, enquanto torcedores santistas cantavam o hino do clube do lado de fora.

Em suas redes sociais, logo após a notícia do falecimento do camisa 10 da seleção, Lula disse que “poucos brasileiros levaram o nome do nosso país tão longe feito ele. Por mais diferente do português que fosse o idioma, os estrangeiros dos quatros cantos do planeta logo davam um jeito de pronunciar a palavra mágica: “Pelé”.”

Lula fala de Pelé

Em entrevista para a Santos TV, filiada da Globo, Lula contou que assistiu muitos jogos do Santos contra o Corinthians, seu time do coração, e que viu o Corinthians perder vários. Segundo ele, o Pelé tinha uma ‘obsessão de derrotar’ seu time.

“Ele obrigava a gente a ir em qualquer lugar assistir futebol, porque muitas vezes a gente não gosta só do nosso time, a gente gosta de alguém que dá espetáculo, alguém que é brilhante. O Pelé simboliza tudo aquilo que é a ascensão da espécie humana. Tudo aquilo que a gente pode perceber da ascensão do ser humano foi o Pelé”.

O presidente falou da personalidade de Pelé dizendo que o ex-jogador sempre foi um cidadão humilde e sempre conversou de forma igual com todo mundo. “Era um cidadão comum. Ele não se deixava levar pelo brilhantismo dele e pelo apogeu, nos maiores momentos de glória dele, quando encontrava com a Rainha da Inglaterra, quando ganhava um prêmio, ele era o mesmo de quando dava uma entrevista ou encontrava uma criança para conversar”, disse.

Presidente foi a Santos nesta terça-feira (3) dar o último adeus e prestar homenagem ao Rei do Futebol

Foto: Ricardo Stuckert
"Todos nós devemos um pouco ao Pelé, e o Brasil deve muito”, afirma Lula

“O Pelé é uma figura muito especial. A gente não pode ficar comparando Pelé a ninguém, porque não tem ninguém comparável a Pelé em se tratando de jogador de futebol, de ser humano, e de comportamento, fino e educado que o Pelé tinha. Ele foi muito para o Brasil, foi muito para Santos, para a cidade de Santos, ele foi muito para São Paulo e ele foi muito para o Lula”, explicou o presidente.

Grandeza de Pelé, lenda universal, vai muito além dos números

Durante a entrevista, Lula disse que gostaria que um documentário sobre o camisa 10 da seleção fosse feito em Santos mostrando para as novas gerações quem foi Pelé.

“Além do futebol, ele vai ensinar um pouco de caráter, de humildade, de dignidade, e quem sabe vai ensinar um pouco as pessoas a serem mais humanistas, mais solidárias, mais fraternas. Foi tudo isso que Pelé foi. Por isso acho que o mundo deve ao Pelé muita coisa, sobretudo a dignidade de um homem que nasceu pobre, negro, em um país onde o preconceito é muito vivo, e o Pelé nunca se importou com isso. Ele sempre soube ser Pelé, o melhor e mais humilde”

Lula lamentou profundamente a perda do Rei do Futebol e contou que foi ao Pacaembu ver o ídolo jogar muitas vezes. “Não vou ver daqui para frente nunca mais o Pelé jogar, a não ser que eu fique assistindo filmes com gols do Pelé, que são muitos. Todos nós devemos um pouco ao Pelé, e o Brasil deve muito”, finalizou.


O último adeus

Durante todo o tempo a torcida organizada do Santos manteve-se no adeus a Pelé na Vila Belmiro. Imagens divulgadas pela assessoria do clube mostram os torcedores entrando no gramado com bandeiras. De acordo com as informações oficiais, cerca de 230 mil pessoas passaram pela Vila Belmiro durante as 24 horas de velório.

Em nota, a Prefeitura informou também que a homenagem, organizada pela Diocese de Santos, tem o objetivo de “relembrar o ídolo mundial, além de destacar que, apesar da fama, o ex-jogador se mantinha como uma pessoa simples”.


Enterro

O enterro, restrito a familiares, deve acontecer às 14h. Pelé será sepultado em um mausoléu no primeiro andar do Memorial Necrópole Ecumênica, homologado há mais de 20 anos no Guiness Book, o livro dos recordes, como o mais alto cemitério vertical do mundo. O Rei optou pelo local pessoalmente, há 19 anos.

“Escolhi por sua organização, limpeza, estrutura. É um local muito agradável. A gente não se sente deprimido, nem parece que estamos num cemitério. Ficamos à vontade, nos transmite tranquilidade, paz”, disse Pelé na época.

Bárbara Luz | Portal Vermelho com informações de agências.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Bárbara Luz

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)