Pesquisar
Pesquisar

Lula venceria Bolsonaro, Ciro, Huck e Doria se eleições fossem hoje, diz pesquisa Fórum

Na oitava edição da pesquisa é a primeira vez que o ex-presidente Lula aparece à frente de Jair Bolsonaro; cenário mudou após a decisão do ministro Edson Fachin, que tornou o petista elegível
Dri Delorenzo
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

Se a eleição fosse hoje o ex-presidente Lula venceria Jair Bolsonaro no segundo turno e ficaria à frente já no primeiro em um cenário mais concentrado com apenas quatro candidatos, sendo os outros dois Ciro Gomes e João Doria. É o que mostra a 8ª edição da Pesquisa Fórum, realizada entre os dias 12 e 16 de março, em parceria com a Offerwise.

De acordo com a pesquisa estimulada (quando os nomes são apresentados aos entrevistados), 31,2% disseram que votariam no petista já no primeiro turno. Bolsonaro tem 30,7% das intenções de voto; Ciro Gomes, 7,4% e João Doria, 6,4%. Já os que não votariam em nenhum são 24,3%.

Cenário 1: Em quem votaria se a eleição fosse hoje (1º turno)


Num segundo cenário também estimulado, ainda no primeiro turno, mas com mais candidatos, Lula e Bolsonaro aparecem tecnicamente empatados. Bolsonaro tem 29,2%, Lula, 27,1%, Sergio Moro, 7,8%, Luciano Huck, 6,8%, Ciro Gomes, 6,1%, João Doria, 4,9%, João Amôedo, 1,6%, Guilherme Boulos, 1,5% e Flavio Dino, 0,2%. Os que não votariam em ninguém são 14,6%.

Cenário 3: Em quem votaria se a eleição fosse hoje (1º turno), sem Lula

Lula dispara após anulação de condenações

Na série histórica da Pesquisa Fórum, é a primeira vez que o ex-presidente Lula aparece à frente de Jair Bolsonaro. Esta 8ª edição da pesquisa foi realizada após a anulação das condenações do ex-presidente, conforme decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que tornou o petista elegível, e do pronunciamento histórico no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, na quarta-feira (10). Além do “efeito Lula”, o Brasil atravessa o pior momento da pandemia, com sucessivos recordes no número de mortes.

Na oitava edição da pesquisa é a primeira vez que o ex-presidente Lula aparece à frente de Jair Bolsonaro; cenário mudou após a decisão do ministro Edson Fachin, que tornou o petista elegível

Ricardo Stuckert
Lula recebe primeira dose da vacina contra a Covid-19

Entre junho de 2020 até novembro de 2020, Bolsonaro liderava a disputa, chegando a ter 41% das intenções de voto em agosto. Já Lula apareceu em todas as pesquisas do ano passado com índices entre 15 e 17,1% no primeiro turno. Neste mês, Lula praticamente dobrou. Já o possível candidato que mais caiu nas intenções de voto foi o ex-juiz Sergio Moro, que tinha 18,4% de intenções de votos em junho de 2020 e, agora, soma 13,6%.

Série histórica da Pesquisa Fórum: se a eleição fosse hoje em quem votaria (sem Lula)

Nas séries históricas de segundo turno, Lula perdia para Bolsonaro em outubro e novembro de 2020, apesar de apresentar crescimento de 25,2% para 29,5 no ano passado. Agora neste mês de março ele bateu em 38%. Bolsonaro caiu de 43% em outubro para 33,8% em março, nesta 8ª edição da pesquisa.

Histórico Pesquisa Fórum: Pensando em um cenário para o segundo turno se a eleição de 2022 fosse hoje, em quem votaria

Só Lula vence Bolsonaro no 2º turno

Se o segundo turno das eleições fosse hoje, o ex-presidente Lula venceria. Numa disputa contra Bolsonaro, o petista ganharia com 38% contra 33,8% do ex-capitão. As mulheres são decisivas, entre elas 45,6% votariam em Lula e apenas 24,6% em Bolsonaro. Entre os homens, 29,4% dizem que votariam em Lula e 44,1% em Bolsonaro.

O petista também lidera entre os mais jovens, especialmente entre aqueles que eram crianças nos governos Lula. Entre 16 e 24 anos, 51,9% votariam no petista e 24,6% em Bolsonaro. Entre 25 e 34 anos, 51,1% votariam em Lula e 30,5% em Bolsonaro. De 35 a 44 anos, Lula tem 40% e Bolsonaro, 34,2%. Entre 45 e 59 anos, Lula fica com 25,9% e Bolsonaro, 38,5%. Já entre as pessoas acima de 60 anos, 27,4% votariam em Lula e 38,6% em Bolsonaro.

O ex-presidente Lula também tem maioria entre os com mais baixa escolaridade. Entre quem tem ensino fundamental, 47,2% votariam em Lula e 30,2% em Bolsonaro. Entre quem tem ensino médio, os índices são 34% (Lula) e 35,2% (Bolsonaro). Entre os que têm ensino superior, são 32,2% (Lula) e 36,1% (Bolsonaro).

Lula ganha disparado no Nordeste com 54,6%, contra 27,7% de Bolsonaro, e vence no Sul, onde tem 40,9% e Bolsonaro, 29,6%. O petista perde nas outras regiões. Norte: 41,4% (Bolsonaro) a 27,6% (Lula). Centro-Oeste 39,1% (Bolsonaro) a 33,4% (Lula). Sudeste 36,5% (Bolsonaro) a 29,7% (Lula).

No recorte de renda, entre quem ganha até dois salários mínimos, 48,2% votariam em Lula e 27% em Bolsonaro. Entre quem ganha de cinco a dez salários mínimos, 29,9% preferem Lula e 36,9%, Bolsonaro. 

Lula vence todos os outros candidatos no 2º turno

Se Jair Bolsonaro fosse impedido de disputar as eleições e Lula fosse ao segundo turno com qualquer um dos outros possíveis candidatos, o petista venceria a disputa. Contra Ciro Gomes, Lula teria 33,6% e o pedetista, 16,7%. Contra João Doria, Lula teria 36,9% e o tucano, 13,4%. Contra Sergio Moro, Lula teria 35,7% e o ex-juiz, 24,5%. Contra Huck, Lula teria 35,4% e o apresentador da Globo, 17,4%.

Em um segundo turno da eleição para presidente em 2022, em quem votaria (8ª Pesquisa Fórum, realizada em março/2021)

Já num cenário de segundo turno sem Lula, Bolsonaro venceria a disputa. Contra Haddad, 35,9% a 25,1%. Contra Ciro Gomes, 34,9% a 24,4%. Contra João Doria, 36,3% a 18,7%. Contra Sergio Moro, 32,6% a 24,6%.

Série histórica: em um cenário de segundo turno da eleição para presidente em 2022, em quem votaria (Sem Lula)

Pesquisa inova com metodologia

A 8ª Pesquisa Fórum foi realizada entre os dias 12  e 16 de março, em parceria com a Offerwise, e ouviu 1000 pessoas de todas as regiões do país. A margem de erro é de 3,2 pontos porcentuais, para cima ou para baixo. O método utilizado é o de painel online e a coleta de informações respeita o percentual da população brasileira nas diferentes faixas e segmentos.

O consultor técnico da Pesquisa Fórum, Wilson Molinari, explica que os painelistas são pessoas recrutadas para responderem pesquisas de forma online. A empresa que realiza a pesquisa, a Offerwise, conta com aproximadamente 1.200.000 potenciais respondentes no Brasil. “A grande vantagem é que o respondente já foi recrutado e aceitou participar e ser remunerado pelas respostas nos estudos que tenha interesse e/ou perfil para participar. 

No caso da Pesquisa Fórum, por ser de opinião, não existe perfil de consumidor restrito, como, por exemplo, ter conta em determinado banco, ou possuir o celular da marca X. O mais importante é manter a representatividade da população brasileira, tais como, gênero, idade, escolaridade, região, renda, etc.”

Molinari registra que pesquisas feitas em ruas ou nos domicílios costumam ter margem de erro menor. “Porém sabemos que 90% da população brasileira possui acesso à telefonia celular e, especificamente na situação de quarentena que estamos vivendo, o método online é mais seguro do que o pessoal e sempre é menos invasivo que o telefônico.”

Pouco usado para pesquisas de opinião no Brasil, os painéis online são adotados como método de pesquisa no mundo todo, segundo Molinari. E regulamentados pelas principais associações de pesquisa. “Os painéis hoje são amplamente utilizados para pesquisas de satisfação, imagem de marca, qualidade de produtos e serviços, opinião, entre outras”, acrescenta.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Dri Delorenzo

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização