Pesquisar
Pesquisar

Macri antecedeu Bolsonaro na submissão ao sionismo israelense comandado por Netanyahu

A violência repressiva do Estado argentino nas mãos de Macri é muito semelhante à violência exercida nos territórios palestinos usurpados por Israel
Cícero
Buenos Aires

Tradução:

Nota da Edição: Esta nota foi publicada pela primeira vez em março de 2016. A republicamos pela transcendência de seu conteúdo

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, prometeu ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, uma aliança estratégica entre seu país e Israel. O argentino realizou uma reunião em Jerusalém depois de participar da 29ª Conferência Internacional de Prefeitos, na sede do governo israelense, na quarta-feira, 18 de junho de 2014.

Um dos funcionários que acompanharam Macri a Israel era seu então vice-secretário de Direitos Humanos da Cidade de Buenos Aires, Claudio Avruj, que foi diretor da organização judaica Daia. Avruj explicou ao semanário La política online os planos para a estratégica aliança que o líder do PRO fecharia com Israel caso ele ganhasse as eleições presidenciais.

“Mauricio sempre olhou para Israel como um país líder e reconhece seu desenvolvimento e sua inovação permanente”, disse Avruj ao site. Macri acrescentou que “reconhece a liderança de Israel em tecnologia e inovação em segurança” e que “no encontro com Netanyahu ele expressou o desejo de ser um parceiro estratégico nessas duas questões.

Netanyahu também elogiou “a rejeição do memorando com o Irã — que Macri disse a Netanyahu”. Avruj disse que, após a reunião com o primeiro-ministro israelense, estava claro que a materialização seria com investimentos na Argentina por parte de Israel e que a troca também seria “intelectual, educacional e científica”.

Durante sua visita à sede do Governo de Israel, em Jerusalém, Macri se reuniu com um economista argentino Manuel Trajtemberg, o membro do Knesset (Parlamento israelense) Erel Margarit e o diretor geral para a América Latina e o Caribe do Ministério das Relações Exteriores, Itzhak Shoham, que o convidou para visitar Buenos Aires, como disse Yoav Adler, funcionário da Divisão de Assuntos Econômicos da América Latina e Canadá, do Ministério israelense das Relações Exteriores, a Agência de Notícias judaica (AJN) relatou.

Avruj, advertia naquele momento que a mudança política do PRO com relação ao Irã seria “o dia e a noite” no que diz respeito ao que realizava o governo de Cristina Kirchner, particularmente em relação ao caso AMIA, um atentado que um grande número de especialistas vinculam ao Mossad israelense.

“A relação com o Irã vai ser completamente frio, em seus estados mais baixos, como é agora com o governo da Cidade” forward Avruj, acrescentando que Macri tentaria revogar o memorando com o Irã. “

Macri já adiantou a posição da ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton, em uma viagem que fez a Nova York em março de 2014. De acordo com la política online, Clinton lhe disse que “há uma vocação da Argentina que deve se juntar a questões que são centrais no mundo, como o freio na corrida armamentista” do Irã.

Macri busca, então, uma reorientação sionista da política externa argentina e separa este país da corrente nacionalista soberana e de esquerda que governa outros países da América Latina. Os projetos de investimento israelenses descritos por ele buscam a submissão da Argentina e de seu povo ao sionismo e a Israel.

Em uma reunião no segundo dia de sua estadia em Israel, Macri também visitou o Museu do Holocausto e jantou com Trabalho MP Erel Margalit, considerado um dos maiores israelenses no desenvolvimento de startups especialistas de alta tecnologia e estaria ligado ao avanço armamentista internacional ou seja, dos principais fabricantes de armas.

Não admira que A Entidade (serviço secreto do Vaticano) tem o seu olhar atento sobre esse caráter político e grande influência sobre o ambiente do primeiro-ministro de Israel, um falcão com todas as letras. A Violência no Oriente Médio deixa Francisco muito preocupado. 

“Netanyahu entende que a Argentina sempre teve um bom relacionamento com Israel e que aqui vive a maior comunidade judaica do continente. Disse que podem ser parceiros estratégicos não só nessas áreas de tecnologia e inovação em segurança, mas em muitas outras”, disse Avruj à mídia, dando o exemplo da “contribuição científica que Israel pode dar, como o que eles fizeram no deserto com água “.

A violência repressiva do Estado argentino nas mãos de Macri é muito semelhante à violência exercida nos territórios palestinos usurpados por Israel. Há evidências e semelhanças categóricas na atuação na Argentina de especialistas em repressão e brutalidade com o monopólio da força contra os mais indefesos.

As fontes deste artigo foram: lapoliticaonline, AJN (Agência de Notícias Judaica), Daily Mirror, Erik Frattini especialista em questões do Vaticano com mais de 60 livros escritos em Serviços de Inteligência, Página 12, e fontes próprias.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Cícero

LEIA tAMBÉM

mapuche-carabineros
2 anos de estado de exceção na terra mapuche: "É muito chocante. Nos tratam como terroristas"
Macron - Nova Caledônia3
Revolta na Nova Caledônia: por que França tentou golpe e insiste em controlar arquipélago?
Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado