Pesquisar
Pesquisar

Manifestações contra prisão de Pablo Hásel acumulam saldo de 150 detidos na Espanha

O rapper catalão foi condenado a nove meses por chamar o rei emérito Juan Carlos de, entre outras coisas, “bêbado tirano” e “capo mafioso”
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Depois de uma semana de protestos pela detenção do rapper catalão Pablo Hasél, que cumpre uma condenação de nove meses de cárcere pelo enaltecimento do terrorismo e injúrias à coroa, o saldo provisório é de 150 detidos e mais de 200 pessoas feridas, a maioria de caráter leve. 

Dos detidos, só um continua ainda na prisão, enquanto os demais enfrentarão processos judiciais por diversos delitos que vão desde furto, atentado à autoridade e agressões. 

O sétimo dia consecutivo de protestos pela prisão do cantor transcorreu com mais calma que os anteriores. Umas 400 pessoas marcharam pela capital catalã, Barcelona, onde só fizeram uma parada na frente do edifício da Chefatura Provincial da Polícia Nacional, na Via Laietana, onde estiveram durante meia hora atirando todo tipo de objetos: pedras, garrafas, paralelepípedos e objetos metálicos e gritando consignas a favor da libertação do rapper.

O rapper catalão foi condenado a nove meses por chamar o rei emérito Juan Carlos de, entre outras coisas, “bêbado tirano” e “capo mafioso”

Reprodução: Twitter @diogenessentim1
Um dos grafites pedindo liberdade do rapper Pablo Hasél.

Maioria dos manifestantes é jovem e antifascista

Também insultaram os agentes, aos quais chamaram constantemente de “cachorros”, “filhos da puta” e “assassinos”, além de gritar lemas a favor da organização armada catalã desaparecida nos anos oitenta, Terra Lliure. 

Os manifestantes, na maioria jovens vinculados a organizações antifascistas de extrema esquerda, viraram algumas caçambas, vasos e motos particulares, embora nessa ocasião não tenham posto fogo, como aconteceu nos últimos dias. Tampouco houve saques porque a política autonômica catalã ativou um forte dispositivo de segurança na zona de Paseo de Gracia, onde se encontram as lojas de luxo que sofreram a maior parte dos saques durante os protestos. 

Desde o início das mobilizações, em todo o país foram detidas 150 pessoas, das quais 108 na Catalunha. Todas, menos um jovem que continua preso, estão em liberdade. 

Quanto aos prejuízos, as autoridades calculam que já superam a um milhão e meio de euros, além dos ataques a edifícios históricos considerados patrimônios da cidade, como o Palau de la Música, onde os manifestantes destruíram até 14 vitrinas e causaram graves danos à fachada.

Armando G. Tejeda, Correspondente de La Jornada em Madri.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos