Pesquisar
Pesquisar

Manifesto assinado por Chico Buarque e Boff pede fim à política genocida de Bolsonaro

Manifesto “Carta aberta à humanidade” pede que STF, OAB e o Congresso Nacional “entre em ação” e coloquem um fim à política genocida de Bolsonaro
Marcelo Hailer
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

Chico Buarque, Leonardo Boff, Júlio Lancellotti e Zélia Duncan assinam o manifesto “Carta aberta à humanidade” onde pedem que o STF, a OAB e o Congresso Nacional intervenham e deem um fim às políticas genocidas do governo Bolsonaro.

No texto, que já conta outras adesões de peso, afirmam que o Brasil se tornou uma “câmara de gás a céu aberto”. “Pedimos urgência ao Tribunal Penal Internacional (TPI) na condenação da política genocida desse governo que ameaça a civilização.”

No manifesto, os signatários apelam para que o Supremo Tribunal Federal (STF), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Congresso Nacional, a CNBB e as Nações Unidas entrem em ação.

Manifesto “Carta aberta à humanidade” pede que STF, OAB e o Congresso Nacional “entre em ação” e coloquem um fim à política genocida de Bolsonaro

Reprodução: Winkiemedia
Jair Bolsonaro se mostra uma ameaça ao mundo segundo Chico Buarque, Boff e Zélia Duncan

Além disso, declaram que “o monstruoso governo genocida de Bolsonaro deixou de ser apenas uma ameaça para o Brasil para se tornar uma ameaça global”. 

Abaixo, confira o texto na íntegra:

CARTA ABERTA À HUMANIDADE

“Vivemos tempos sombrios, onde as piores pessoas perderam o medo e as melhores perderam a esperança.” Hanna Arendt

O Brasil grita por socorro.

O Brasil grita por socorro.

Brasileiras e brasileiros comprometidos com a vida estão reféns do genocida Jair Bolsonaro, que ocupa a presidência do Brasil, junto a uma gangue de fanáticos movidos pela irracionalidade fascista.

Esse homem sem humanidade nega a ciência, a vida, a proteção ao meio ambiente e a compaixão. O ódio ao outro é sua razão no exercício do poder.

O Brasil hoje sofre com o intencional colapso do sistema de saúde. O descaso com a vacinação e as medidas básicas de prevenção, o estímulo à aglomeração e à quebra do confinamento, aliados à total ausência de uma política sanitária, criam o ambiente ideal para novas mutações do vírus e colocam em risco os países vizinhos e toda a humanidade. Assistimos horrorizados ao extermínio sistemático de nossa população, sobretudo dos pobres, quilombolas e indígenas.

O monstruoso governo genocida de Bolsonaro deixou de ser apenas uma ameaça para o Brasil para se tornar uma ameaça global.

Apelamos às instâncias nacionais – STF, OAB, Congresso Nacional, CNBB – e às Nações Unidas. Pedimos urgência ao Tribunal Penal Internacional (TPI) na condenação da política genocida desse governo que ameaça a civilização.

Vida acima de tudo”.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Marcelo Hailer

LEIA tAMBÉM

g20-guarani-ms-3
G20 e universidade do MS fecham parceria para produção de conteúdo jornalístico em guarani
MST-40 anos
Brasil possui 2ª maior concentração de terras do mundo, vergonha que MST combate há 40 anos
Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news