Pesquisar
Pesquisar

Manter distância dos conflitos regionais é uma das prioridades do novo governo Libanês

A curto prazo, o governo deve enviar um sinal claro à comunidade internacional sobre combate à corrupção, desperdício de recursos públicos e redução do déficit
Armando Reyes Calderín
Prensa Latina
Líbano

Tradução:

Resolver a crise econômica e manter-se dissociado dos conflitos regionais são as prioridades do governo no Líbano, concordam hoje em assinalar analistas locais.

O recém empossado executivo deve começar a promulgar reformas chave e a estimular a comunidade internacional e árabe a aportar ajuda financeira, disseram.

A pior crise econômica e financeira em décadas constitui o maior desafio do gabinete liderado pelo professor universitário que se tornou primeiro ministro, Hassan Diab.

Com uma equipe governamental de 20 especialistas alheios a partidos políticos, Diab tem mínimas oportunidades de recuperar a confiança dentro e fora do país, consideram os observadores.

“O desafio mais importante passa por solucionar a crise econômica, social e financeira”, indicou o professor de ciências políticas da Universidade Americana de Beirute, Simon Haddad.

A curto prazo, o governo deve enviar um sinal claro à comunidade internacional sobre combate à corrupção, desperdício de recursos públicos e redução do déficit

Prensa Latina
O primeiro ministro, Hassan Diab

A curto prazo, o governo deve enviar um sinal claro à comunidade internacional sobre combate à corrupção, desperdício de recursos públicos e redução do déficit orçamentário, acrescentou.

Haddad indicou a necessidade de um programa para tranquilizar os rentistas e aliviar as restrições às retiradas e transferências bancárias.

Em meio a uma crise de liquidez, há restrições em um nível sem precedentes para a extração de divisas e remessas ao exterior.

A escassez influiu em um aumento da taxa cambial para quase 40% do valor dos dólares estadunidenses no mercado paralelo com relação à libra libanesa.

Da mesma forma, deslocou o esquema dos importadores que, para comprar produtos, precisam do bilhete verde, mas seus bolsos se ressentem, visto que sua aquisição tornou-se mais difícil e cara.

Por esse motivo, há falta de medicamentos e outros artigos, enquanto os comerciantes se defendem aumentando os preços e, portanto, afetando as economias dos cidadãos mais simples.

O professor associado da Universidade Libanesa Americana, Imad Salamey, insiste em que o governo esteja dissociado dos conflitos regionais e alinhado aos interesses dos estados árabes.

“… é necessário recuperar a confiança interna e externa com fortes medidas anticorrupção e um plano integral para sanear os principais setores públicos, especialmente energia e água”, afirmou.

Salamey enfatizou que devem ser realizadas eleições antecipadas para eleger um Senado e uma Câmara de Deputados integrada por não profissionais.

Enquanto isso, para o analista político Kassem Kassir o governo de Diab deve esforçar-se por resolver a situação econômica e financeira, reduzir o déficit orçamentário, restabelecer a confiança no setor bancário e impulsionar o setor elétrico em crise.

Também deve manter o Líbano afastado das alianças regionais, fortalecer as relações com os países árabes e a comunidade internacional, insistiu.

*Armando Reyes Calderín é correspondente de Prensa Latina no Líbano

**Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

***Tradução: Beatriz Cannabrava

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando Reyes Calderín

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação