Pesquisar
Pesquisar

Massacre dos povos indígenas: história se repete, mas as vítimas sempre são os “outros”

O processo de “pacificação” dos territórios habitados pelos povos originários foi uma política genocida concebida nos núcleos do poder econômico e político
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

Nascemos – os mestiços das urbes – com o carimbo na mirada
“Quando nasci
me puseram duas lágrimas
nos olhos
para que pudesse ver
o tamanho da dor da minha gente”.
(Humberto Ak’abal)

Vida do indígena latino-americano traz, desde o nascimento, o signo da resistência. Séculos transcorreram e os habitantes originários deste exuberante continente perderam pouco a pouco seus territórios e, durante esse processo cruel e injusto, arrancaram suas raízes para empobrecê-los, amansá-los e convertê-los em escravos.  Sem terra nem poder, suas lutas acabam sobre o terreno de seus corpos. Assim é como a colonização se tornou eterna e inevitável, apoiada sobre as colunas do racismo, da discriminação, do despojo e da garantia de impunidade para aqueles que perpetram seu extermínio. O processo de “pacificação” dos territórios habitados pelos povos originários foi uma política genocida concebida nos núcleos do poder econômico e político. As comunidades, no entanto, se mantêm firmes na defesa de seus direitos e uma geração após a outra conseguem sobreviver apesar da constante ameaça do desalojo e da morte. Não há país no continente onde os povos originários possuam o status de cidadãos de plenos direitos e oportunidades. Em todas as nossas nações latino-americanas foram perseguidos como se fossem eles os invasores. E, em todas elas se fala, sem vergonha nem recato, do “problema indígena”.

O processo de “pacificação” dos territórios habitados pelos povos originários foi uma política genocida concebida nos núcleos do poder econômico e político

Montagem Diálogos do Sul
O povo Indígena é marcado como um povo de luta, suor e lagrimas

Entretanto, os núcleos urbanos povoados por uma sociedade mestiça e indiferente à realidade de outras regiões e outras comunidades, perpetua o status apoiando, com seu voto e sua passividade, os abusos de classes políticas vendidas aos grandes empresários e submissa diante dos ditados de uma comunidade internacional aliada com as multinacionais. A perda de territórios ancestrais se soma, então, à irremediável destruição do hábitat de valiosas espécies e de abundantes recursos naturais, propriedade das nações arrasadas pela cobiça.

A resistência indígena diante a invasão de seus territórios, seus povoados e aldeias, seus campos de cultivo e seu entorno — sumido no subdesenvolvimento por força e vontade daqueles que tentam desalojá-los — pende de um delgado fio: a consciência de seus direitos. Contra eles, se instrumentalizou a partir dos centros de poder todos o aparato jurídico, com o objetivo de justificar a aplicação da repressão quando estas comunidades exercem seu direito a protestar e exigem ser escutadas. Enquanto isso, os sicários às ordens do grande capital se dedicam a identificar e assassinar seus líderes, e assediar suas legítimas autoridades.

De onde nos encontramos, na comodidade da bolha, observamos a tragédia de nossos compatriotas como se eles existissem em outra galáxia, afastada de nossa pequena cotidianidade. Não entendemos que a dor dos outros é nossa dor. Que suas tragédias nos vão golpear no próprio centro de nossa indiferença. Que também em nosso código genético estão as cores de seus tecidos e a aspereza de seus destinos. Enquanto negamos a realidade, ela nos coloca frente a nossa incapacidade de aceitar uma identidade recusada por puro costume de repetir estigmas. 

Este prurido de nos sentirmos alheios é o que condena nossos países a ser provedores baratos para o primeiro mundo; uma realidade que se assemelha à roda de moinho em seu eterno girar, sumindo-nos na miséria. A resistência dos povos originários diante da depredação e da corrupção das autoridades deveria ser a luta geral, o campo de batalha deveria ser também as grandes avenidas, essas onde nos sentimos alheios ao devir da História. Se não o fizermos, será mais cedo do que tarde quando nos vejamos sumidos na catástrofe. cA História se repete uma e outra vez, mas as vítimas sempre são os “outros”. 

*Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala 

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

mulheres-guerras-violencia
Violência sexual, perda de direitos, invisibilidade: o impacto das guerras no corpo feminino
gaza-palestina2
“Desaparecimentos forçados”: Israel tortura, mata e amputa membros de reféns palestinos
fome-onu-Somalia
“Tormenta”: fome atinge 18 localidades do mundo e exige ação urgente, alerta ONU
frei-betto-ressocializacao
Frei Betto | Sim, é possível ressocializar presos comuns