Pesquisar
Pesquisar

Memória, verdade e justiça ou as homenagens indevidas

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Enquanto na Europa as cidades revogam leis que prestam “indevidas homenagens” à civis e militares que atentaram contra as liberdades democráticas, no Brasil, justiça gaúcha considera inválida lei aprovada pela Câmara Municipal de Porto Alegre e Avenida da Legalidade e Democracia volta a ser denominada como Avenida Castelo Branco, homenageando um dos Generais que lideraram o Golpe Civil-Militar de 1964, impondo ao país 21 anos de Ditadura.

João Baptista Pimentel Neto*

Em Madrid, cerca de 50 ruas e logradouros que homenageiam generais que participaram da sangrenta ditadura de Francisco Franco estão sendo renomeadas. Em Berlim, os nomes de duas ruas e uma praça que homenageiam ex-governadores de colônias alemãs na África, estão sendo substituídas por nomes de líderes da resistência africana ao brutal colonialismo germânico. Já em Roma, personalidades que assinaram o ‘Manifesto da Raça’, que excluiu judeus da vida pública no país, não terão mais seus nomes em lugares públicos.

Estas são apenas três das dezenas -quiça centenas- de iniciativas e medidas que estão em curso em vários países da União Européia que objetivam alterar a denominação de ruas, logradouros e prédios públicos que prestam a indevidamente homenagear “personalidades” civis e militares que praticaram atos, defenderam idéias ou representaram regimes reconhecidamente cruéis e antidemocráticos.

Enquanto isso no Brasil -e mais uma vez na contramão da história- medidas semelhantes, mesmo que aprovadas pelos legislativos municipais são anuladas por Tribunais, cujos juízes demonstram que se auto outorgam o poder de ao seu bel prazer interpretar normas constitucionais e determinar os limites do que vem a ser o Estado de Direito.

A avenida é uma das mais importantes vias de Porto Alegre.

Este é o caso, por exemplo, dos desembargadores da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça (TJ) do Rio Grande do Sul que na última quinta feira (26) em sentença aprovada por quatro votos a um, consideraram ilegal a lei aprovada por maioria dos vereadores da Câmara Municipal de Porto Alegre alterou o nome da Avenida Castelo Branco para Avenida da Legalidade e da Democracia.

A decisão atendeu um recurso impetrado pelos vereadores João Carlos Nedel (PP), Mônica Leal (PP) e Reginaldo Pujol (DEM), e pelos ex-vereadores Mário Manfro e Guilherme Socias Villela, sob o argumento de que o rito de aprovação da lei foi ilegal, com número de votos inferior ao necessário para a aprovação, já que seria preciso o voto favorável de dois terços do plenário para alterar nomes de logradouros.

Realmente, segundo a vereadora Fernanda Melchionna e o ex-vereador e atual Deputado Estadual, Pedro Ruas (ambos do PSOL) o projeto foi aprovado por maioria simples, como é requerido para a denominação normal que de ruas e logradouros públicos. Segundo Ruas (Psol), a decisão da Justiça é “assustadora”, já que “o nome que denominava a referida avenida tinha sido adotado sem qualquer base legal, já que nunca existiu Lei aprovada pela Câmara determinando tal denominação. A nomenclatura foi “adotada” como consequência de uma ação realizada pelos apoiadores da Ditadura Militar, que um dia mandaram pôr uma placa com o nome Castelo Branco. Nós fizemos um projeto de lei, tivemos a lei aprovada, promulgada pela Câmara e agora atacada por uma ação de vereadores da direita. Porém o mais surpreendente foi a decisão do Poder Judiciário”.

Este aliás foi o mesmo argumento apresentado no único voto contrário à anulação da Lei, proferido pelo desembargador Leonel Pires Ohlweiler. Para ele, não há prova documental de que a Av. Castelo Branco era assim chamada por denominação oficial. Segundo Ohlweiler, conforme consulta realizada junto à Biblioteca da Câmara de Vereadores, não há registro de legislação que denomine a Av. Castelo Branco. Assim, a votação para denominar a rua de Avenida da Legalidade e da Democracia poderia ter sido aprovada por maioria simples.

Como a decisão não foi unânime, cabe ainda recurso.

 

*João Baptista Pimentel Neto é jornalista e da equipe de redação da Diálogos do Sul.

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela