Pesquisar
Pesquisar

Memorial da Resistência lança livro escrito por presos políticos

Redação Diálogos do Sul

Tradução:

No dia 08 de abril, o Memorial da Resistência, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, realizará mais uma edição do Sábado Resistente, projeto realizado em parceria com o Núcleo de Preservação da Memória Política.

Livro MemorialO evento acontece às 14h00, com o lançamento do livro “A repressão militar-policial no Brasil – O livro chamado João”, concebido e escrito por diversos presos políticos quando ainda encarcerados.

Durante quatro décadas, João – apelido dado ao livro – circulou de forma clandestina entre os opositores do regime militar brasileiro. O ensaio de mais de 260 páginas foi escrito de forma coletiva na década de 1970 por presos da Casa de Detenção de São Paulo, com objetivo de ser parte da resistência à ditadura. O livro pretende auxiliar no entendimento da repressão do período e contribuir para analisar a luta de classes no Brasil e a criminalização de movimentos sociais.

Na ocasião, serão apresentados trechos do show “Soledad Vive”, em homenagem à militante Soledad Barret Viedma, morta pela ditadura militar em 1973. O show reconstrói uma narrativa épica, entrelaçada por sambas, guitarras, ruídos e experimentações. Com Bjanka Vijunas (voz), Igor Souza (samples, periféricos, ruídos, percussão e sopros), Michel de Moura (guitarra, violão e voz), Rafael Tosta (guitarra e voz) e Thiago Pereira (baixo acústico).

A maioria dos autores do livro era membro da Ação Libertadora Nacional, mas havia combatentes do Movimento de Libertação Popular (Molipo) e da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), entre eles Aton Fon Filho, Carlos Lichtszejn, Celso Antunes Horta, Gilberto Luciano Beloque, Hamilton Pereira da Silva (Pedro Tierra), José Carlos Vidal, Manoel Cyrillo de Oliveira Netto, Paulo de Tarso Vannuchi, Reinaldo Morano Filho.

PROGRAMAÇÃO

14h00 – Boas vindas – Kátia Felipini Neves (Memorial da Resistência de São Paulo)

14h10 – Coordenação – Maurice Politi (Núcleo de Preservação da Memória Política)
15h00 – Mesa Redonda 
16h30 – Debate

MESA REDONDA

Manoel Cyrillo de Oliveira Neto foi membro da ALN, com a qual participou do sequestro do embaixador norte-americano Charles Elbrick, em 1969. Ficou 10 anos presos, período no qual participou de greves de fome e da criação do João. Hoje atua como publicitário.

Celso Antunes Horta é ex-preso político e ex-membro da ALN. É um dos autores do livro. Atualmente é jornalista.

Hamilton Pereira de Almeida (ou Pedro Tierra) é poeta, político e ex-membro da ALN. Foi preso em 1972 e durante o período encarcerado compôs seus primeiros versos. Foi Secretário de Cultura do Distrito Federal e publicou diversas obras de poesia.

Luiz Eduardo Greenhalg é advogado e durante a ditadura civil-militar foi membro do Movimento Democrático Brasileiro. Foi fundador do Comitê Brasileiro da Anistia (São Paulo), deputado federal por São Paulo e vice-prefeito de Luiza Erundina (1989-1993).

SERVIÇO

Memorial da Resistência de São Paulo
Endereço: Largo General Osório, 66 – Luz – Auditório Vitae – 5º andar
Telefone: (011) 3335-4990/ faleconosco@memorialdaresistenciasp.org.br
Aberto de quarta a segunda (fechado às terças)
Entrada Gratuita

Mais informações à imprensa

Memorial da Resistência de São Paulo
Kátia Felipini Neves (11) 3335.4990 | kneves@memorialdaresistenciasp.org.br

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo – Assessoria de Imprensa

Gisele Turteltaub (11) 3339-8162 | gisele@sp.gov.br 
Viviane Ferreira (11) 3339-8243 | viferreira@sp.gov.br


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"