Pesquisar
Pesquisar

Método fonético é a melhor maneira de se alfabetizar crianças?

Segundo a psicologia moderna, Método Grafo-fônico ou Fonético é uma maneira mecânica de aprender, porque a memória ativa das crianças ainda está em desenvolvimento
Elda Maúd de León
Diálogos do Sul Global
Cidade do Panamá

Tradução:

Há quase 4.000 anos A.C. o povo Sumério da Mesopotâmia inventou a escrita e é possível imaginar que os escribas ensinariam sua arte executando desenho por desenho e pronunciando seu som correspondente. Ou seja, cada sinal (grafema) com seu som (fonema). 

Resulta natural acreditar que é mais fácil aprender letra por letra, assim o ensino se inicia com as vogais, que vão se unindo a consoantes para formar sílabas e depois palavras.  

Este modo de ensinar a ler a escrever se chama Método Grafo-fônico ou Fonético, e está baseado na suposição que é mais fácil aprender da parte ao todo. Segundo a psicologia moderna, esta é uma maneira mecânica de aprender, porque a memória ativa das crianças ainda está em desenvolvimento e começar lendo uma letra ou uma sílaba dificulta a aprendizagem, em vez de facilitá-la.

Segundo a psicologia moderna,  Método Grafo-fônico ou Fonético é uma maneira mecânica de aprender, porque a memória ativa das crianças ainda está em desenvolvimento

Instituto Alfa e Beto
Alguns teóricos opinam que não se deve culpar a visão nem a audição pelos problemas com a leitura.

Faz tempo que os psicólogos descobriram que os seres humanos percebem totalidades ou conjuntos, que são de fácil assimilação e ajudam a comparação, a diferenciação e a análise, ou seja, a reflexão, que é a atividade cognitiva fundamental.  Se uma criança olha uma página onde aparece uma flor, verá desde o primeiro momento a flor como uma totalidade. O cérebro não funciona percebendo primeiro uma pétala, depois outra, até juntá-las e por fim reconhecer a flor.  

Ofereço minha experiência com uma síntese do Método Global:

Na primeira fase se conversa com as crianças sobre seus gostos, jogos, família; ensinam-se canções, poemas; relatam-se contos sobre animais, fadas e assuntos cotidianos. O ensino da leitura e da escrita através do Método Global valoriza a experiência adquirida durante os primeiros anos de vida. Além disso, dá grande importância à expressão oral, porque a criança que não fala bem terá dificuldade para aprender a ler. 

Alguns teóricos opinam que não se deve culpar a visão nem a audição pelos problemas com a leitura, pois sua origem está nas capacidades cognitivas e principalmente nas competências linguísticas adquiridas em casa. 

Na segunda fase, se poderia desenvolver uma aula assim: se pede às crianças que tragam uma foto da mamãe e a mostrem; diante da pergunta “quem é esta?”, o aludido dirá “minha mãe”. Se pedirá que a mostre aos seus companheiros e diga “Esta é minha mãe”.  Se continuará fazendo perguntas sobre o tema até que entre todos elaborem três ou quatro orações curtas. Esta técnica se baseia em um argumento psicológico: se aprende melhor quando o tema nos interessa, porque a criança poderá encontrar ou criar significado, enquanto o que não tiver significado será difícil de aprender. 

Na terceira fase, a professora escreve na lousa o “Cartaz de leitura” com as frases elaboradas na fase oral. Esta é minha mãe, Minha mãe é bonita e Eu amo minha mãe. Serão lidas repetidamente na lâmina que a professora terá preparado, e pouco a pouco irão reconhecendo as palavras individuais. Se continuará com a cópia das frases do cartaz, assim começa a escrita, que requer boa visão e coordenação motora. Mais adiante, quando a dominem, serão feitos ditados para avaliar a aprendizagem. Esta fase se baseia no pressuposto aprender do todo à parte.

Graças ao desenvolvimento da linguagem, surgiram no ser humano novos fenômenos tão fundamentais como a reflexão e a consciência. As palavras não são coisas mas sim atividades cerebrais que denotam objetos reais ou imaginários, estados de ânimo, sentimentos etc. 

A acepção última da palavras ler, é compreender. Ler de maneira compreensiva facilitará o aproveitamento escolar posterior; eis aí a grande importância de um bom ensino da leitura e da escrita.  

Senhora ministra: me preocupa que os resultados da prova Pisa tenham empurrado o Ministério da Educação ao uso do muito antigo Método Fonético, há muito tempo superado por diversas opções pedagógicas. 

*Doutora em Educação e Mediação Pedagógica 

Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade do Panamá


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Elda Maúd de León

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)