Pesquisar
Pesquisar

México avança no direito ao aborto, mas prática segue sendo proibida no país; entenda

Especialistas dizem que para despenalizar o aborto em toda a República ainda se requer a modificação de todos os códigos penais locais
Angélica Jocelyn Soto Espinosa Y Anayeli García Martínez
Cidade do México

Tradução:

Em uma decisão histórica, nesta terça-feira a Suprema Corte de Justiça da Nação (SCJN) enviou uma mensagem aos congressos de todo o país para não criminalizarem as mulheres que interrompam uma gestação não desejada; mas não despenalizou o aborto em nível nacional.

Ao declarar inconstitucional que o estado de Coahuila sancione com pena de um a três anos de prisão a mulher que decide fazer um aborto, o alto tribunal estabeleceu um precedente que obriga todos os tribunais do país a não criminalizar quem toma esta decisão.

No entanto, para despenalizar o aborto em toda a República ainda se requer a modificação de todos os códigos penais locais.

Assim explicaram em entrevista as advogadas feministas, Leticia Bonifaz Alfonzo, Karla Micheel Salas Ramírez e Yolanda Molina Reyes, assim como o advogado especialista em direitos sexuais e reprodutivos, Alex Alí Méndez, explicando que a mensagem da Suprema Corte é que não se pode castigar com cadeia as mulheres que abortam.

Com esta decisão, derivada da análise de uma ação de inconstitucionalidade que em 2017 interpôs a Procuradoria Geral da República (PGR), a única unidade da federação onde o aborto voluntário não será sancionado é Coahuila, já que a Suprema Corte determinou que o artigo 196 de seu Código Penal é inconstitucional e viola os direitos das mulheres.

Especialistas dizem que para despenalizar o aborto em toda a República ainda se requer a modificação de todos os códigos penais locais

CIMA
Manifestantes reafirmam os direitos das mulheres sobre o corpo

A advogada da área de Documentação e Litígio do Grupo de Informação em Reprodução Eleita (GIRE), Yolanda Molina Reyes, lembrou que o México é uma federação, ou seja, cada Estado pode definir como castigar uma conduta delituosa.

No país, atualmente quatro unidades da federação despenalizaram o aborto até doze semanas de gestação: Cidade do México, Oaxaca, Hidalgo e Veracruz. Nas 28 unidades restantes os códigos penais estabelecem sanções para a interrupção da gravidez.

Não obstante, a especialista no Comitê para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, Leticia Bonifaz Alfonzo, explicou que esta sentença, que estará disponível nos próximos meses, estabelece um precedente para que qualquer mulher, sem importar em que parte da República se encontre, possa apresentar um recurso para evitar ser criminalizada por interromper sua gravidez.

Após legalização do aborto, reforma Judicial é nova prioridade do Congresso argentino

Trata-se então de uma sentença de cumprimento para os operadores do Poder Judiciário, tanto em nível local como federal. Não obstante, as advogadas indicaram que a mensagem para os congressos locais e federal é a necessidade de reformar uma legislação que é inconstitucional.

Se não houver as reformas pertinentes nos códigos penais, as autoridades das unidades da federação se arriscam a que alguma pessoa interponha um recurso de inconstitucionalidade, explicou a diretora do Grupo de Ação pelos Direitos Humanos e a Justiça Social, Karla Micheel Salas Ramírez.

A especialista do Comitê CEDAW, Bonifaz Alfonzo, explicou que esta jurisprudência é retroativa, isto é, aquelas mulheres que foram encarceradas porque lhes aplicaram o artigo penal de 2017 em Coahuila (especificamente o que foi analisado pela Corte) podem apelar à resolução da SCJN e solicitar sua libertação.

O advogado Alex Alí Méndez explicou que, embora com esta ação de inconstitucionalidade tenha se estabelecido jurisprudência, continuam vigentes os códigos penais que penalizam o aborto em 28 estados da República.

Retrocesso: Texas aprova lei anti-aborto e oferece 10 mil dólares a quem delatar mulheres

Até agora o que fica claro é que as mulheres no estado de Coahuila, as acompanhantes e o pessoal médico que as assiste em um procedimento de aborto não terão o temor de serem sancionados ou criminalizados. Trata-se de uma vitória imediata, que manda um sinal de vanguarda às autoridades de todo o país.

A sentença pode ser utilizada pelas mulheres de qualquer unidade da federação para reclamar seu direito à atenção em um procedimento de aborto, por meio de um recurso e significa que no México todas as mulheres têm direito ao aborto sem serem criminalizadas por isso.

Tradução: Ana Corbisier 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Angélica Jocelyn Soto Espinosa Y Anayeli García Martínez

LEIA tAMBÉM

Lin Jian - China
China expõe contradições da UE sobre Direitos Humanos e critica interferências
sudao-refugiados
Fugir da guerra para passar fome nos países vizinhos: o martírio dos refugiados do Sudão
Fujimori-Peru
PL no Peru que pode deixar Fujimori impune e engavetar 600 crimes viola direito internacional
imigração
Antes esperança para refugiados, Norte global germina ódios, aumenta muros e deixar morrer