Pesquisar
Pesquisar

México reúne países da América Latina e do Caribe para discutir políticas contra inflação

Encontro, realizado nesta quarta-feira (5), será um marco para trocar ideias acerca da compra e venda de produtos, afirma López Obrador
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Cidade do México

Tradução:

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, confirmou, na última quinta-feira (30), a realização de uma cúpula presidencial anti-inflacionária nesta quarta-feira (5) com homólogos de uma dezena de países latino-americanos e caribenhos.

Em sua conferência de imprensa matutina diária, no contexto da cerimônia de mudança de direção no Conselho da Comunicação integrado por empresários, o mandatário abordou o tema da inflação, que mediatiza as conquistas econômicas e sociais que ocorrem no México, como o aumento salarial e o crescimento econômico.

Abismo entre países irmãos: o que explica inflação no Peru 1000% acima que na Bolívia?

Nesse sentido anunciou que a videoconferência, com presidentes e primeiros ministros da região, será um marco para trocar ideias acerca da compra e venda de produtos, em particular de alimentos que é onde a inflação mais golpeia.

Explicou “que a ideia é comprar e vender alimentos, ajudar-nos a que não falte o abastecimento de algo tão importante que não temos nas quantidades suficientes e que encareceram”.

Mercado, inflação, juros: O que a grande mídia repete sobre Economia é uma farsa

López Obrador considera que a inflação se expressa em três setores básicos a partir dos quais exerce uma influência negativa: 1) os energéticos, que prevê que vão continuar aumentando de preço, em especial a gasolina, 2) alimentos e 3) mercadorias em geral; e sobre isso trabalharão os chefes de Estado e Governo.

No caso dos alimentos a situação é complicada; deu como exemplo que nos Estados Unidos (que não participam da cúpula pois só estarão os países ao sul do rio Bravo) já baixaram a gasolina, mas não os alimentos, e o objetivo da cúpula é que não haja mais carestia.

Lembrou que há quatro anos no México o salário mínimo aumenta com acordo dos trabalhadores e, por isso, os incrementos foram adotados por consenso, e a maioria dos empresários ajudou. Não foi por decreto e sim pelos representantes dos operários e do Governo, disse.

Isso permitiu, acrescentou, que se derrubasse o mito de que se o salário mínimo ou o médio sobe, dispara a inflação, o que não é certo como se observa nesta crise de agora cujas origens são conhecidas.

Pelo contrário, o aumento salarial ajuda os trabalhadores, incrementa o gasto social, o consumo interno, e isso ajuda as pessoas, e se há mais renda também há tranquilidade, estabilidade política e paz social, afirmou.

Encontro, realizado nesta quarta-feira (5), será um marco para trocar ideias acerca da compra e venda de produtos, afirma López Obrador

AMLO
AMLO: "Reforma judiciária deve começar transformando e melhorando os planos de estudo"




López Obrador insiste na necessidade de mudar o Poder Judiciário do México

O presidente Andrés Manuel López Obrador insistiu também em sua conferência de imprensa matutina em transformar totalmente o Poder Judiciário no México.

Abordado sobre a suposta inércia e tendência política conservadora da presidenta da Suprema Corte de Justiça, Norma Piña, respondeu que tem que haver reforma neste poder do Estado como já está ocorrendo no Executivo e no Legislativo.

Assista na TV Diálogos do Sul

No primeiro é onde a transformação mais avançou; já não há tolerância com a corrupção e a impunidade, e no segundo, “já não há moches (recorted) nos orçamentos nem tampouco dinheiro atribuído a cada legislador para o suborno; tinham sido aprovadas leis que beneficiavam os milionários e prejudicavam os pobres”.

A prova de toda esta corrupção é personalizada pelo ex-diretor de Petróleos Mexicanos Emilio Lozoya que declarou publicamente que o Governo do ex-presidente Enrique Peña Nieto (2012-2018) entregava dinheiro em maletas aos parlamentares para que aprovassem leis como a reforma energética para entregar o setor ao capital privado, principalmente estrangeiro.

EUA: ataques de republicanos ao México vão impactar eleições em 2024, adverte ativista

O caso do Poder Judiciário, considerado o mais corrupto de todos, é um assunto complexo, explicou o mandatário, porque exige renovar-se completamente e é um assunto estrutural, pois não se trata só de mudar juízes, magistrados, ministros, é toda a advocacia em geral e sua formação ética e moral nas escolas, na educação, para criar advogados corretos, profissionais e honestos.

Deu como exemplo o juiz Javier Laynez, “que cancelou sozinho, sem consultar ninguém em uma sexta-feira à noite, a reforma de leis eleitorais secundárias aprovadas pelo Congresso da República, o poder do Estado mais próximo do povo, agindo como se ele fosse Sua Sereníssima Majestade, a alteza do supremo conservadorismo, e sem nem sequer ser eleito pelo povo para exercer como juiz da Corte”.

Disse de forma hipotética e irônica que se este mesmo senhor, abusando também de seu poder, lhe ordenasse como presidente da República propor a 1.800 juízes para renovar este poder corrupto, não poderia fazê-lo pois não há garantias no país de que haja tantos advogados honestos.

Com este exemplo fictício, quis dizer que a ênfase na transformação deste poder do Estado está na formação de seus profissionais porque na escola lhes ensinam o direito privado e não o público, que é o principal e que quase desapareceu dos currículos da Academia.

Concluiu nesse sentido que a reforma judiciária deve começar transformando e melhorando os planos de estudo, pondo em correspondência a educação com a nova realidade que se vive no país e fortalecendo valores e o humanismo, e que este seja o tom comum em toda parte.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei