Pesquisar
Pesquisar

Milhões de feministas e ativistas pelo fim do neoliberalismo se unem em marcha no Chile

Comemorando o dia internacional da mulher neste último domingo (8), chilenos transcendem reivindicações de gênero contra governo de Piñera
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

Centenas de milhares de mulheres, muito mais que um milhão, marcharam neste último domingo (8) pelas avenidas do Chile, comemorando o Dia Internacional da Mulher, em uma manifestação que transcende as reivindicações nitidamente de gênero, para se conjugarem com a mudança cultural que experimenta a sociedade chilena e as profundas reformas exigidas desde do levante de outubro de 2019, segundo analistas.

É impossível que ambos processos sociais não se entrelacem, pois, o “basta!” das mulheres chilenas contra a discriminação no trabalho, salarial e política, a violência machista e os abusos sexuais está diretamente conectado com o tipo de sociedade mercantilista e espoliadora construída pelo neoliberalismo desde a ditadura pinochetista e até hoje.

Mobilização em Santiago pelo Dia Internacional da Mulher parece ter sido ainda maior que os atos do final de 2019 que sacudiram o país / Foto: Francisca Yáñez

Orgulhosas de si mesmas e com uma alegria imensa, que não oculta a raiva e as dores contidas, as mulheres – velhas, jovens, avós, adolescentes, profissionais, estudantes, operárias, aposentadas, meninas, mapuches, estrangeiras e muitas outras diversidades -, assumiram literalmente o protagonismo e as ruas de dezenas de cidades do Chile, começando por Santiago, onde facilmente mais de um milhão delas cobriu os quatro quilômetros que separam a Plaza de la Dignidad (Plaza Italia) do Palácio de La Moneda, sede do governo.

Em seu interior, em um ato convocado para a ocasião, o presidente Sebastián Piñera anunciou dois projetos de lei: um para tornar obrigatório o monitoramento telemático para proteger mulheres vítimas de violência doméstica; e outro para estabelecer um registro de acesso público dos devedores de pensão familiar.

Impossível não dizer que Piñera, autor de algumas frases claramente machistas e grotescas acerca das mulheres, foi alvo seleto nas consignas nada amáveis das participantes das marchas, assim como o “Estado opressor”, descrito como “um macho violador” e o patriarcado como “escravidão encoberta”, ao mesmo tempo que os poucos homens que apareceram eram instados a retirarem-se sob o coro de: “que se vão os machos!”.

A polícia, que anunciou que 1700 “carabineras” cuidariam das marchas ao nível nacional, manteve-se à distância e evitou os choques, apesar de que por momentos, nas proximidades da sede de governo, houve entreveros e incidentes.

Comemorando o dia internacional da mulher neste último domingo (8), chilenos transcendem reivindicações de gênero contra governo de Piñera

Carta Capital / Foto: Francisca Yáñez
Mobilização em Santiago pelo Dia Internacional da Mulher parece ter sido ainda maior que os atos do final de 2019 que sacudiram o país

A interpretação

Neida Colmenares, diretora da carreira de ciência política da Escola de Governo da Universidade Central, diz que a massividade do 8 de março “dá conta da celebração das mulheres com relação à aprovação da paridade de gênero na convenção constituinte”. Ela se refere a que justamente esta semana e depois de meses incertos, o Parlamento chileno votou favoravelmente uma lei que garante que a metade dos integrantes da provável assembleia constituinte que se constituirá em outubro para redigir uma nova constituição, sejam mulheres.

“Esse é um fato político relevante que dá conta da luta e da capacidade de organização das mulheres para que este movimento vá influindo na modificação das políticas públicas”, acrescenta.

Também indica que a marcha, “com cerca de dois milhões de pessoas, dá conta da rearticulação do movimento social. As mulheres celebram a paridade e também dão um sinal muito positivo do que podemos esperar que ocorra com o plebiscito de abril, augurando aprovação ao processo constitucional”.

A cientista atribui ao feminismo um papel fundamental em gerar condições para o levantamento social de outubro, porque ao menos desde 2018 vinham protagonizando mobilizações.

“As mulheres não estiveram absolutamente centradas apenas em suas demandas, mas também em temas como a superação da pobreza e a equidade. Fomos as primeiras a mobilizar-nos multitudinariamente e em permear a agenda social e política. E agora, a pouco mais de um mês do plebiscito, com uma demonstração de força contundente para um governo de direita que recebe uma mensagem clara e que gera boas condições para que ganhe a aprovação e o mecanismo da convenção constitucional”, comenta.

Da mesma forma, calcula que esta massividade nas ruas terá correlação com a participação no plebiscito de 26 de abril, quando se decidirá se o Chile avança ou não para um processo constitucional e por meio de que mecanismo.

“Acho que sim. Estamos marchando sem considerar a luta feminista e pelos direitos como algo distinto do que está acontecendo no Chile. A demanda feminista vinculou-se e encontrou seu contexto com o que ocorre no país”, conclui.

Aldo Anfossi, Especial para La Jornada desde Santiago do Chile

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia