Pesquisar
Pesquisar

Minoria não vacinada causa danos enormes ao país, diz Biden ao tomar terceira dose

Nos Estados Unidos, cerca de 25% dos cidadãos elegíveis para se imunizar ainda não tomaram nem mesmo a primeira dose da vacina contra a Covid-19
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Aos 78 anos, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recebeu a terceira dose da vacina contra o coronavírus em um auditório na Casa Branca e ressaltou que se trata de uma aplicação “segura e eficaz”, buscando estimular aqueles que ainda não foram imunizados. 

“Sabemos que para derrotar esta pandemia e salvar vidas precisamos vacinar as pessoas”, disse o presidente ao pedir que todos os cidadãos façam “a coisa certa” o mais rápido possível.

Nos Estados Unidos, cerca de 25% dos cidadãos elegíveis para se imunizar ainda não tomaram nem mesmo a primeira dose da vacina contra a Covid-19

YouTube
Aos 78 anos, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recebeu a terceira dose da vacina contra o coronavírus.

Cerca de 25% dos estadunidenses elegíveis para se vacinar ainda não tomaram nem mesmo a primeira dose do imunizante, o equivalente a quase 70 milhões de pessoas que acabam dificultando a luta contra a variante Delta. “Essa minoria está causando enormes danos ao resto do país ”, alertou Biden. 

EUA tem 2 mil mortes diárias por Covid; em regiões de direita, ocupação de UTIs é de 100%

“Os reforços são importantes, mas o mais importante é fazer com que mais pessoas sejam vacinadas. Isso pode salvar a sua vida e a daqueles ao seu redor”, reiterou o democrata, que tomou a segunda dose da Pfizer em 11 de janeiro, há mais de oito meses.

Nos Estados Unidos, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) autorizaram na última sexta-feira (24) a aplicação das doses de reforço da Pfizer para cerca de 20 milhões de pessoas que receberam a segunda dose há pelo menos seis meses e que atendem a uma série de condições. 

A desigualdade mundial na distribuição de vacinas é algo que vem sendo denunciada amplamente pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que tem apelado aos países com taxas elevadas de vacinação para que não apliquem a terceira dose ao menos até o fim do ano. 

“No momento atual, é como jogar uma segunda boia para alguns enquanto outros estão se afogando ao lado”, afirmou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom, em agosto criticando a medida.

* Com informações de Página 12


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação