Pesquisar
Pesquisar

Mirando cadeira presidencial, Castillo propõe nacionalizar o gás no Peru

Na Venezuela, o gás natural custa 878.75% menos que no Peru. E na Bolívia, o gás natural custa 335% menos que em nossa pátria
Juan Verástegui Vásquez
Diálogos do Sul Global
Lima

Tradução:

Diante de “supostas corrupções” praticadas por ex presidentes, relacionadas ao setor, o candidato à presidência do Peru Pedro Castillo propõe nacionalizar o gás.

Escorrem-se dos nossos dedos tanta riqueza. A Espanha saqueou uma quantidade de tesouros, de tal sorte que o Rei dessa época queria se converter em “Rei do Mundo”, por ter a posse dessa ingente riqueza.

A Inglaterra deu início à sua industrialização e iniciou sua “revolução industrial” por causa dessa riqueza, entre outros aspectos (ver Jorge BasadreJohn Keynes).

Leia também
Peru: ao entregar riquezas naturais, bandeira da dignidade nacional se converteu em trapo

Na atualidade levam embora trilhões de toneladas de nosso ouro, prata, zinco etc.; e de nosso pescado. Inclusive chegam grandes barcos-fábrica, que enlatam nosso pescado e nos vendem, custando no mercado 5 soles cada lata.

Um estudo da FAO esclarece que 99,5% do pescado do nosso litoral foi exportado, ficando para o país só 0,5%. Em ambos os casos não pagam nada, nem pelo ouro, prata etc., nem pelo pescado levado, assim como tampouco pagam os impostos devidos.

Na Venezuela, o gás natural custa 878.75% menos que no Peru. E na Bolívia, o gás natural custa 335% menos que em nossa pátria

SindPetro-Sp
Para que nos serve, então, ter tanta riquezas se havemos de viver na pobreza, com desnutrição crônica das nossas crianças, anemia etc, etc.

Quem lucra com a exploração do gás no Peru

Cusco é a região que, quase em sua totalidade, produz o gás natural que se consome no país, e é o distrito de Megantoni (Echarate) pertencente a este departamento, onde se localizam estas ricas jazidas de gás natural, convertendo-se assim no distrito mais rico do país; no entanto, vergonhosa contradição, um botijão de gás natural em Megantoni custa 1.400 soles, ou seja, seu preço é de 257,6% mais caro em relação à Lima, onde custa 39,15 soles e mais ainda que o preço no México, país para onde se exporta esse gás natural de Echarate, que é menor do que o que se vende no Peru. 

Mas, não é só isso, em Megantoni, de acordo com o INEI, 90% de seus habitantes cozinham com lenha, por ser muito caro o preço do seu próprio gás natural, sendo o distrito que quase em sua totalidade produz gás natural e é um dos mais ricos do país; mas também, 48% dos seus habitantes estão em condições de pobreza, não têm água potável, nem saneamento básico (esgoto); não têm eletricidade todos os dias nem todas as horas do dia e quando chove a cidade fica paralisada de 15 a 20 dias.

Em Megantoni há elevados índices de anemia, de tuberculosedesnutrição crônica; alguns moradores nem tem documento de identidade. A agricultura é a principal atividade dessa zona. 

Não obstante ser o distrito que quase em sua totalidade produz gás natural no país e até se exporta para o México, não conta com nenhum hospital, nem postos médicos para atender seus moradores que padecem de doenças ainda não identificadas que atacam especialmente as crianças.

A corrupção também corrói seus ingressos; e em 2018 correspondeu a mais de 294 milhões de soles do projeto de gás natural. Os empresários compram lotes, assentamentos e contratos, mas não pagam impostos. 

Tudo isso é produto do gás natural ser explorado por grandes empresas transnacionais, o Consórcio Camisea, conformado por Pluspetrol com 27.2% de ações, Hunt Oil com 25.1%, SK com 17.6%, Tecpetrol com 10%, Sonatrach 10% e Repsol 10%  

Que ironia do destino! Megantoni não é dono de seu gás natural, tampouco Cusco e menos o Peru, enquanto durar a concessão. Cusco tem uma riqueza extraordinária. As reservas estimadas são de 13 trilhões de pés cúbicos de gás natural e 660 milhões de barris de líquidos. 

Este contrato foi assinado na gestão do Presidente Alejandro Toledo e do Premier Pedro Pablo Kuczynski. (nenhum está preso e nem há nenhuma investigação). Em 20 de outubro de 2006, a revista estadunidense Forbes, de finanças e negócios, informa que Pedro Pablo Kuczynski assessora o grupo líder do programa de exportação do gás natural de Camisea, Hunter Oil.

Por nosso gás natural, a Repsol paga USD 2.45 por milhão de BTU (Unidade Térmica Britânica), e o vende ao México por USD 9.50 por milhão de BTU. Um negócio redondo. Entre 2013 e 2016 foram perdidos 2 bilhões de dólares de ingressos fiscais, em regalias que correspondem a 1% do PIB. 

Leia também
Fome no Peru revela contraste perverso, cheio de injustiças e iniquidades do neoliberalismo

Para que nos serve, então, ter tanta riquezas se havemos de viver na pobreza, com desnutrição crônica das nossas crianças, anemia etc, etc.

Diferenças entre o Peru e a Bolívia

Existe, então, uma diferença abismal com relação, por exemplo, à Bolívia. É um país rico em gás natural, mas ele é explorado pelo Estado e toda a utilidade gerada fica no país, refletindo-se em uma drástica diminuição da pobreza e do analfabetismo e, na atualidade, já não existe mendicância nem ambulantes nas ruas. Então, é ou não conveniente a nacionalização proposta por Pedro Castillo Terrones?

PREÇO DO GÁS NA VENEZUELA ………………..………. S/ 4.00

PRECIO DO GÁS NO EQUADOR (RAFAEL CORREA)…S/ 9.00

PRECIO DO GÁS NA ARGENTINA……………………………S/ 6.0

PRECIO DO GÁS NO CHILE …………………………………….S/ 18.0

O que significa que, na Venezuela, o gás natural custa 878.75% menos que no Peru. E na Bolívia, o gás natural custa 335% menos que em nossa pátria.

Seguiremos informando sobre a corrupção e desperdício de nossa ingentes riquezas. O próximo artigo será sobre a mineração. 

Juan Verástegui Vásquez, Colaborador de Diálogos do Sul de Lima, Peru.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Juan Verástegui Vásquez

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Putin-Xi (1)
Do comércio à segurança, união China-Rússia ganha força e vira dor de cabeça para Ocidente
crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor