Pesquisar
Pesquisar

Moçambique: Nascida no meio do Ciclone Idai, bebê Tereza traz esperança

A mãe de Teresa, Amélia, o pai José e o irmão mais velho de 5 anos fugiram para escapar das águas que consumiam sua casa, deixando tudo para trás
Redação Unicef
Unicef
Sussundenga

Tradução:

Matarara (Sussundenga), MANICA/Moçambique – Quando o ciclone IDAI atingiu Moçambique na noite de 14 de Março, centenas de milhares de crianças viram suas vidas viradas de cabeça para baixo pelas inundações. No meio da escuridão, da dor e do sofrimento, uma luz brilhou, a bebé Teresa José nasceu, no dia 15 de Março, na escola primária de Matarara, no distrito de Sussundenga, província de Manica.

A mãe de Teresa, Amélia José, o pai José Mateus e o irmão mais velho de 5 anos, José, tiveram que fugir de sua casa para escapar das águas que consumiam sua casa, deixando tudo para trás.

As fortes chuvas provocaram muitos danos na comunidade de Matarara, deixando um rastro de destruição e centenas de famílias sem casa. No dia 19 de Março, o nível das águas reduziu o suficiente para permitir o acesso as equipas de socorro.

A mãe de Teresa, Amélia, o pai José e o irmão mais velho de 5 anos fugiram para escapar das águas que consumiam sua casa, deixando tudo para trás

© UNICEF Moçambique/2019/Javier Rodriguez
No meio da escuridão, da dor e do sofrimento, uma luz brilhou, a bebê Teresa José nasceu, no dia 15 de Março, na escola primária de Matarara

A escola primária de Matarara é agora usada como abrigo e centro de acomodação para mais de 400 famílias depois de o rio Buzi ter inundado as suas casas.

A escola primária de Matarara é agora usada como abrigo e centro de acomodação para mais de 400 famílias.
© UNICEF Moçambique/2019/Javier Rodriguez

Uma equipe de saúde e nutrição fornece água potável e cuidados básicos de saúde às famílias afetadas. Eles também estão a colher informações e priorizando assistência médica a mulheres grávidas, crianças menores de cinco anos, pessoas com deficiência, pacientes com HIV e outros.

Uma equipe de saúde e nutrição do Ministério da Saúde fornece água potável e cuidados básicos de saúde às famílias afetadas.
© UNICEF Moçambique/2019/Javier Rodriguez

Essas famílias estão tentando sobreviver à pior experiência de suas vidas, outras de luto por terem perdido seus familiares. Estima-se que 1,900,000 pessoas foram afetadas em Moçambique, das quais 1,000,000 são crianças. 2,600 salas de aulas foram parcialmente ou completamente destruídas, 39 centros de saúdes foram afetados e mais de 11,000 casas foram completamente destruídas deixando milhares de pessoas deslocadas.

“A situação é séria e o UNICEF e os seus parceiros estão prontos para apoiar o Governo a levar assistência urgente à população afetada, incluindo água potável, meios para o saneamento e higiene, bem como cuidados médicos”, disse Marcoluigi Corsi, Representante do UNICEF em Moçambique.

Apesar da dor e sofrimento, a bebê Teresinha representa a esperança de um futuro promissor. © UNICEF Moçambique/2019/Javier Rodriguez

A bebê Teresa e sua família vivem neste abrigo improvisado desde o seu nascimento. Eles tiveram sorte! No abrigo as histórias de desaparecidos e falecidos são comuns, mas pelo menos para essa família além de toda a adversidade, a bebê Teresinha representa a esperança de um futuro promissor.

Clique aqui e faça uma doação online para a Unicef, para ajudar as vítimas afetadas pelo Ciclone Idai.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Unicef

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda