Pesquisar
Pesquisar

Moraes diz que plano revelado por Do Val é "ridículo", mas garante punição aos envolvidos

Ministro do STF dá sua versão da história revelada por Marcos do Val e chama operação golpista de "tabajara"
Cintia Alves
Portal Vermelho
Brasília (DF)

Tradução:

O ministro do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, rompeu o silêncio sobre as revelações feitas pelo senador Marcos do Val na noite de quinta (2), durante participação sua, por videoconferência, em evento do grupo Lide, em Lisboa.

Moraes admitiu que teve uma audiência com Do Val, mas afirmou não saber qual seria o assunto a ser tratado com o senador. Do Val então revelou o que o ministro chamou de “operação Tabajara”.

Denúncia de Marcos do Val confirma golpismo de Abin e GSI e urgência de prender Bolsonaro

“O que ele disse foi que o deputado Daniel Silveira o teria procurado e que teria participado de uma reunião com o então presidente da República [Jair Bolsonaro] e a ideia genial que tiveram foi colocar uma escuta para que o senador me gravasse e, a partir dessa gravação, pudessem solicitar a minha retirada da presidência dos inquéritos, relatou Moraes. As informações são do O Globo.

Segundo o relato da Folha, que também enviou repórter ao evento do Lide, Moraes solicitou um depoimento formal ao senador Marco Do Val, mas o bolsonarista se recusou a colocar a queixa no papel.

“Disse que era uma questão de inteligência e não poderia confirmar. O que não é oficial, não existe”, pontuou Moraes.

Segundo o ministro, a “operação tabajara” mostra o “ridículo a que chegamos na tentativa de um golpe de Estado no Brasil.”

Segundo Folha, Moraes deu a entender, mas falando genericamente sobre os atos golpistas, que o caso será investigado pela Polícia Federal. “As investigações da PF continuarão e vamos analisar a responsabilidade de todos aqueles que se envolveram na tentativa de golpe.”

Ministro do STF dá sua versão da história revelada por Marcos do Val e chama operação golpista de "tabajara"

STF
O Ministro Alexandre Moraes

As revelações de Marcos do Val

Na quinta-feira (2), Marcos do Val ocupou praticamente todos os meios de comunicação com a história de uma reunião com Jair Bolsonaro e Daniel Silveira, em 9 de dezembro de 2022, quando foi apresentada ao senador a ideia de grampear o ministro Alexandre de Moraes.

A intenção era captar alguma conversa que pudesse constranger o ministro. Na entrevista que concedeu à revista Veja e que foi gravada, Do Val disse que Bolsonaro afirmou pretender prender Moraes após o vazamento do grampo, anular as eleições de 2022, impedir a posse de Lula e se manter no poder.

Depois da repercussão, Do Val recuou e tentou isentar Bolsonaro de responsabilidade, atribuindo o plano a Silveira. Ele disse que a motivação de Silveira seria afastar Moraes dos inquéritos contra o ex-deputado federal.

Pressionado pela imprensa, Do Val, contudo, admitiu que Bolsonaro ouviu todo o plano e não se opôs. Além disso, teria dito, ao final do encontro, que “aguardaria” Do Val responder se seria ou não o encarregado de usar equipamentos da Abin/GSI para executar a escuta clandestina em Moraes

Cintia Alves | Jornal GGN


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Cintia Alves

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização