Pesquisar
Pesquisar

Morte cruzada: em defesa da Educação, povo do Equador luta contra neoliberalismo de Lasso

População foi afetada por aumento nos combustíveis e corte no orçamento das universidades públicas, na saúde e no salário de professores universitários
Nery Padilla
Oclae
Quito

Tradução:

Em 2021, ocorreu uma evidente fraude eleitoral contra Yaku Pérez, com mais de 20 mil editais contendo inconsistências no segundo turno. As mobilizações começaram exigindo a recontagem dos votos

Os setores da burguesia, juntamente com o CNE, não cederam a esse processo democrático para garantir a transparência eleitoral e apoiaram Lasso, que manteve o apoio dos bancos e da grande mídia do começo ao fim.

Equador: após ‘morte cruzada’, esquerda deve se unir com centro para ganhar eleição

Guillermo Lasso tomou posse como presidente em 24 de maio de 2021, com suas propostas de campanha estabelecidas para garantir o acesso gratuito ao Ensino Superior, a criação de 2 milhões de empregos, créditos ao setor agrícola com juros de 1%, etc. 

No entanto, fiel à sua política neoliberal, desenvolveu uma série de medidas nefastas para os setores populares: aumentou todos os meses o preço dos combustíveis (com uma fórmula de faixa com lógica internacional); cortou 213 milhões do orçamento das Universidades Públicas; manteve o vestibular padronizado, elitista e meritocrático para as Universidades às quais apenas mudou o nome para TRANSFORMAR; desconectou mais de mil profissionais de saúde; mais de 650 professores universitários; aprofundou a escassez de medicamentos para o Instituto Equatoriano de Segurança Social (o governo lhe deve 24.500 milhões de dólares); Lasso procurou cercear o direito à equiparação salarial dos professores, etc.

Continua após o banner

Nesse contexto, como Federação dos Estudantes Universitários do Equador (FEUE) Nacional, juntamente com as organizações da Frente Popular, desenvolvemos jornadas de luta em nível nacional, participando em 3 de maio de 2022 na greve de fome de 19 dias convocada pela União Nacional de Educadores (UNE) para a equalização dos salários dos professores e em defesa da Lei Orgânica da Educação Intercultural

Em seguida, nos mobilizamos na greve de junho de 2022 contra cortes orçamentários, alto custo de vida e aumento dos preços dos combustíveis. Processo em que as organizações sociais e populares conseguiram fazer o governo recuar na aplicação das receitas econômicas do FMI.

Após ‘morte cruzada’, eleições e favoritismo de Rafael Correa renovam esperanças no Equador

O governo, fruto de sua ineficácia, incapacidade e contínuos escândalos de corrupção, foi progressivamente perdendo credibilidade, bem como a legislatura constituída pela Assembleia Nacional, o que agravou a crise política. Diante disso, lançaram uma consulta “popular” sem a participação de organizações sociais e populares, buscando refrescar a imagem do presidente e criar condições para aprofundar sua política neoliberal.

Em 16 de dezembro de 2022, realizamos nosso Congresso Nacional com mais de 1.500 estudantes de diferentes províncias e seis delegados internacionais do Brasil, Colômbia e República Dominicana. Ratificamos nossa rejeição ao governo neoliberal de Lasso e partimos para o NÃO na consulta popular, já que não resolveu nenhuma das necessidades objetivas e emergentes da população e viabilizou o programa neoliberal em nosso país. Através de um processo de união das diferentes organizações sociais e populares, derrotamos Lasso no referendo e ficou estabelecido como uma vitória para os povos do Equador.

População foi afetada por aumento nos combustíveis e corte no orçamento das universidades públicas, na saúde e no salário de professores universitários

Twitter | Reprodução
Lasso se estabelece como um incapaz que aprofundou o desemprego, a insegurança, a escassez de remédios e a migração




Impeachment

A mídia digital La Posta apresentou 20 mil documentos com transcrições de áudio, contratos e fotografias em que se expressa um esquema de corrupção em empresas públicas e também a suposta interferência do narcotráfico no governo, por meio de contribuições financeiras à campanha presidencial de Guillermo Lasso. 

Dito isto, após a derrota no referendo e os escândalos de corrupção, o governo convocou um acordo nacional, ao qual nenhuma organização política, social ou popular compareceu. Isso levou a demissões em massa do gabinete presidencial, contradições e distanciamento de setores da burguesia, no aprofundamento da rejeição popular e culminou no pedido de impeachment.

Liderança indígena do Equador defende impeachment de Lasso: “Administração nula”

A FEUE Nacional compareceu no plenário da assembleia e neste espaço apelou à aprovação do relatório da comissão multipartidária que recomendou a convocação do presidente da república ao impeachment. Isso desencadeou um ataque racial e estigmatizante a Nery Padilla, atual presidente da FEUE e imediatamente gerou solidariedade de Associações Estudantis, Universidade Central do Equador (HCU), Universidade Central do Equador (HCD), organizações sociais e populares que condenaram essas práticas retardadas típicas da burguesia e do sistema capitalista.

A Frente Popular da qual a FEUE faz parte convocou protestos e ações de rua para que o Tribunal Constitucional passasse o Julgamento Político e como resultado da Luta e organização, mas a sentença foi favorável ao prosseguimento do processo.

Continua após o banner

Este cenário levantou um grito no país: “Fora Lasso, agora!” A Assembleia Nacional assumiu o protagonismo, pois, através da votação, ficaria definida a censura e destituição do presidente, em que, segundo a lei, são necessários 94 votos.

Guillermo Lasso, por meio de decreto, acionou a medida da morte cruzada e com ela a dissolução da assembleia, expressão de seu desespero pela iminência de sua destituição no Processo de impeachment, e sobretudo pela rejeição popular que ultrapassa os 90%. 

Equador: frente progressista de Rafael Correa resiste a atentados e vence eleições regionais

Esta ação se configura como um mecanismo antidemocrático e ditatorial que abre caminho para o aprofundamento de sua política neoliberal e dependente do Fundo Monetário Internacional por seis meses, através da edição de decretos sem maiores restrições que favorecerão a banca e os setores mais privilegiados.

Os problemas populacionais não foram resolvidos nem pela Assembleia nem por Lasso. Portanto, nossa rejeição a este decreto não significa apoio à Assembleia Nacional; cujos integrantes trocam de lado político como trocam de roupa, com negociadas e com claro desprezo por elementos estruturais e que, ademais, arquivam a Lei Orgânica do Ensino Superior (com elementos avançados resultantes da luta do movimento estudantil) através das bancadas reacionárias dos partidos CREO, UNES, PSC e alguns membros da assembleia PACHAKUTIC, que fortaleceram esse processo empobrecedor e antipopular. Consequentemente, o legislador também é responsável pela crise.

Continua após o banner

Lasso se estabelece como um incapaz que aprofundou o desemprego, a insegurança, a escassez de remédios, a migração, etc. e no que diz respeito ao ensino superior. A gratuidade não foi garantida, mais de 131 milhões de dólares foram entregues às universidades, o aumento de 200 milhões de dólares para o Fundo Permanente de Desenvolvimento Universitário e Politécnico (FOPEDEUPO) não foi desembolsado e foram feitas tentativas para enfraquecer gradualmente as Universidades Públicas, para fortalecer as Universidades Privadas.

Portanto, fazendo uso de nosso direito constitucional de resistência, manifestamos que nos manteremos mobilizados e vigilantes diante dos decretos executivos. Em defesa da Educação Pública, da saúde, do trabalho decente e, portanto, da vida e da segurança.

Continua após o banner

Diante das primeiras eleições como a Federação Estudantil, convocamos organizações de unidade, sociais, populares, operárias, de mulheres, de jovens, de povos, de nacionalidades, etc. construir uma alternativa de governo popular, que esteja ligada às necessidades de grandes setores do país.

Nery Padilla | Presidente da FEUE – Equador


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Nery Padilla

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia