Pesquisar
Pesquisar

Morte de jovem durante campanha de Tarcísio pode ter sido execução, diz Tortura Nunca Mais

"Diante da execução [a polícia] teria criado um factoide de intimidação ou atentado ao candidato", explica Ariel de Castro Alves, presidente do grupo
Gil Luiz Mendes
Ponte Jornalismo
São Paulo (SP)

Tradução:

O grupo Tortura Nunca Mais levanta a hipótese de execução de Felipe Silva de Lima, 27 anos, morto em Paraisópolis, zona sul da capital paulista, no dia 17 de outubro, enquanto o candidato Tarcísio de Freitas (Republicanos) estava em campanha no bairro. A divulgação de um áudio pelo jornal Folha de S. Paulo onde um dos seguranças da comitiva do candidato bolsonarista pede para que um cinegrafista da Jovem Pan apague imagens feitas no momento dos tiros, motivou um pedido de esclarecimento junto à Ouvidoria das Polícias de São Paulo.

No documento, enviado no final desta terça-feira (25/10), o movimento de defesa dos direitos humanos relata que após uma semana do ocorrido, pouco foi divulgado sobre o andamento das investigações. Segundo Ariel de Castro Alves, presidente do Tortura Nunca Mais, falta transparência por parte da Polícia Civil sobre o que ocorreu no dia da visita do candidato ao local.

Leia aqui o documento na íntegra

“A Polícia Civil já teria condições de ter esclarecido. Na verdade, parece que ocorreu uma execução, sem confronto nenhum, de um jovem que, junto com um outro, passava pelo local. Diante da execução [a polícia] teria criado um factoide de intimidação ou atentado ao candidato. Está parecendo ter sido uma grande farsa”, afirma Ariel.

"Diante da execução [a polícia] teria criado um factoide de intimidação ou atentado ao candidato", explica Ariel de Castro Alves, presidente do grupo

Montagem Diálogos do Sul
Segundo a assessoria do candidato, estão tentando se aproveitar eleitoralmente da situação

O Tortura Nunca Mais argumenta que em nenhum momento a polícia esclareceu se o rapaz que foi morto estava armado ou não. Pelas imagens que foram feitas por policiais de dentro de um carro onde mostra Renato e um outro rapaz em um moto, não é possível ver nenhuma arma.

“O que precisa se esclarecer é se foi planejado antes pela coordenação de campanha que foram na comunidade que qualquer suspeito que aparecesse, deveriam atirar contra, para apresentarem uma versão de atentado contra o candidato, ou se foi uma execução cometida por policiais. O que temos até agora é um crime comum. O homicídio do rapaz, sem confronto e desarmado. E o crime político, da tentativa de criar uma farsa de um atentado inexistente”, diz o presidente do Tortura Nunca Mais.

Outro lado

A campanha de Tarcísio de Freitas se defende dizendo que o episódio sobre a divulgação do áudio onde é pedido o apagamento das imagens foi retirado de contexto. Porém, no comunicado enviado à Ponte, não se pronuncia em nenhum momento sobre a morte de Renato de Lima. Segundo a assessoria do candidato, estão tentando se aproveitar eleitoralmente da situação.

“Em nome da campanha de Tarcísio, destacamos que toda a equipe da campanha e do instituto passaram por um episódio traumático, no qual tiveram as suas vidas em risco. O uso desrespeitoso de parte da imprensa e da campanha de Fernando Haddad (PT) sobre esse episódio é algo que extrapola qualquer limite referente a posicionamentos políticos e à própria disputa eleitoral”.

Assista na TV Diálogos do Sul

A versão do candidato do Republicanos é que o pedido é para que ninguém filmasse dentro da van que levou os profissionais de imprensa da área onde ocorreram os disparos até uma base onde estava a equipe de campanha. 

“O cinegrafista, bem como outros jornalistas que estavam em situação de risco, foram colocados na van da equipe de Tarcísio para garantir a sua segurança na saída do local. Nesse momento, foi pedido que não fossem feitas imagens internas do carro e nem na chegada da base de trabalho da equipe para que ninguém fosse exposto dada a gravidade do ocorrido”, afirma a equipe de comunicação do candidato.

A Ouvidoria das Policias de São Paulo afirmou, por meio de nota, que recebeu o pedido do Tortura Nunca Mais e vai pedir a Polícia Civil as conclusões sobre o caso. “o Ouvidor das Polícias de São Paulo, requisitou à Corregedoria da Polícia Militar e ao DHPP – Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa, informações detalhadas das investigações em curso, como os laudos oficiais, relatórios com as conclusões das investigações e cópias de possíveis imagens captadas através de COPs- Câmeras Acopladas aos policiais, caso tenham sido utilizadas nessa ação e outras imagens que possam ter sido captadas no local“, afirma o comunicado.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) foi contatada para comentar o pedido feito pelo Tortura Nunca Mais, mas não respondeu até a publicação desta reportagem.

(*) Atualizada em 26/10, às 16h30, para acrescentar o posicionamento da Ouvidaria das Polícias de São Paulo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gil Luiz Mendes

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização