Pesquisar
Pesquisar

Mortes de meninas argentinas por forças de segurança do Paraguai geram tensão regional

Chanceler argentino exige que governo paraguaio esclareça as mortes das meninas Lilian Mariana Villalba e María del Carmen Villalba em Yby Yahú
Stella Calloni
Diálogos do Sul Global
Buenos Aires

Tradução:

A chancelaria argentina demandou ontem ao seu correspondente do Paraguai o esclarecimento e a identificação dos responsáveis pela morte de duas meninas argentinas de onze anos em um suposto “enfrentamento das Forças de Tarefas Conjuntas desse país (FTC) com o chamado Exército do Povo Paraguaio (EPP), ao serem consideradas integrantes deste último”. 

Isto aconteceu a 500 quilômetros ao noroeste, em Yby Yahú no estado de Concepción, próximo à fronteira com o Brasil. De acordo com o atestado médico uma das meninas tinha seis impactos de bala e a outra, dois. Foram enterradas rapidamente sem que se conhecesse sua identidade. Parece que colocaram armas com elas para simular um enfrentamento, informaram meios paraguaios. 

A chancelaria argentina rechaçou “da maneira mais enérgica as expressões injustificadas do General Héctor Grau como Comandante da FTC”, que acusou a Argentina de se converter em uma “creche de soldados do Exército do Povo Paraguaio”.

O chanceler argentino, Felipe Solá, exigiu o esclarecimento das mortes das meninas cujos nomes eram Lilian Mariana Villalba e María del Carmen Villalba.

O comunicado do governo paraguaio registrou que: “Em um enfrentamento da FTC se teria constatado que foram abatidas duas menores de idade do sexo feminino, e se deixou constância na reclamação que a Promotoria Antissequestros paraguaia lhes atribuiu idades de adolescentes: 15 e 17 anos”. 

Por sua vez, um comunicado argentino refutou: “Não é possível aceitar que não tenham advertido, aqueles que foram testemunhas dos fatos sucedidos, a escassa idade das meninas”, além de tachar de “absurdas” as acusações do Paraguai. 

Também se fez constar que as autoridades paraguaias solicitaram a cooperação argentina diante da impossibilidade de identificar as vítimas e que, com base em informação recebida desse país, corpos forenses argentinos puderam verificar ao ser consultado o Registro Nacional das Pessoas, que as meninas eram efetivamente argentinas. 

Chanceler argentino exige que governo paraguaio esclareça as mortes das meninas Lilian Mariana Villalba e María del Carmen Villalba em Yby Yahú

Facebook | Reprodução
"As meninas foram agarradas vivas e torturadas", disse a mãe de uma das vítimas

Ocultação de cadáveres

A advogada Daysi Irala, representante das mães das pequenas, que viviam na província argentina de Missiones, fronteiriça com o Paraguai, denunciou que uma juíza paraguaia não permitiu que ela, nem os familiares, nem o cônsul argentino participassem do exame dos cadáveres.

“Uma vez mais estão negando a possibilidade de que os familiares vejam o corpo, porque estão ocultando a barbaridade que cometeram, por isso não nos deixam ver o corpo” e advertiu que “têm medo de que vejam o que fizeram os militares com as meninas, porque inclusive recebemos informação de que foram torturadas selvagemente e que teriam marcas de queimaduras no corpo”, revelou Irala.

Para as autoridades paraguaias o EPP é uma organização terrorista que sequestra com fins extorsivos, mata e semeia o terror usando todos os meios, inclusive o recrutamento de crianças.

Suspeitas de ação dos EUA

Os dirigentes políticos da esquerda paraguaia e jornalistas investigativos nesse país consultados por La Jornada, têm “sérias suspeitas sobre as origens do EPP, como uma criação contra insurgente que foi treinada pelas tropas especiais dos Estados Unidos, que permanecem no Paraguai desde 2005, e que têm imunidade. 

O presidente paraguaio, Abdo Benítez, ao expressar sua dor por esta situação, afirmou que as meninas foram expostas “de maneira covarde e irresponsável” pelo EPP.

A Coordenadoria de Direitos Humanos do Paraguai (Codehupy) assinalou que o ocorrido tem as características de um crime de Estado, e questionou a pressa por enterrar os corpos.

Stella Calloni colaboradora da Diálogos do Sul desde Buenos Aires

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Stella Calloni Atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Já entrevistou diferentes chefes de Estado, como Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales, Luiz Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Daniel Ortega, Salvador Allende, etc.

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda