Pesquisar
Pesquisar

Movimento estudantil na África do Sul: a conversa que começou em 1976 e ainda não terminou

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

“Sizofunda Ngekani” (Vamos aprender à força) é a palavra de ordem, o canto dos alunos universitários da África do Sul, desde o anúncio de aumento de 8% nas taxas universitárias, pelo Ministro de Educação Superior, Blade Nizmande.
Por Augusto Juncal *
O ano passado foi marcado por grandes e massivos protestos dos estudantes, o que resultou num vitorioso não aumento das taxas naquele ano. Mas a luta não é somente contra o aumento das taxas, mas por todo um processo de descolonização do ensino superior ainda branco e de ranço apartheidista.
A nova onda de protestos, que está acontecendo em quase todas as universidades do país, desde o anúncio do aumento no último 19 de setembro, está sendo tratada com extrema violência, num pacto, Estado, Universidade, Polícia e Segurança privada. A extremada “mão pesada” da polícia” detonou a raiva dos estudantes, e os protestos escalaram pelos campi do país. De um lado, as pedras dos estudantes, do outro os tiros e as bombas da polícia.
Como sempre acontece, os protestos começam em paz, mas a polícia tem a tarefa de torná-los violentos, sendo ela mesma a iniciar a violência. E justificar as repressões e as prisões. Justificar a militarização da universidade, cujos recursos destinados a gastos com polícia e segurança privada poderiam ser destinados à educação. Sem falar no dinheiro que se vai em corrupções.
Igualzinho ao Brasil. Reforma no ensino pelo governo golpista e cortes sociais e eles nadando na corrupção.

Foto: reprodução/ Twitter
Foto: reprodução/ Twitter

O Governo diz que o aumento de 8% é para quem pode pagar e que isso permitirá que os pobres tenham acesso à educação gratuita. Mas existe aí entre pobres e ricos uma grande massa de estudantes, chamados os “missingmiddle”, mal traduzido por mim como “os desaparecidos do meio”. Ou seja, aqueles alunos cuja família ganha acima do estipulado para o NSFAS (sigla em inglês para Fundo nacional de Ajuda Financeira aos Estudantes), mas que não ganham o suficiente para pagar uma universidade para os filhos.
Mas, como dentro de uma boa tradição estudantil militante e socialista, embora não seja essa a consciência dos estudantes em protesto, eles pedem educação gratuita PARA TODOS. Pautando assim o papel do Estado em garantir a TODOS esse direito universal e inalienável de crianças e jovens. A palavra de ordem é “It’s free education for all or no education at all”, que quer dizer, “ou há educação gratuita para todos ou não haverá pra ninguém” (mantendo a minha liberdade de tradução!).
A postura do CNA (Congresso Nacional Africano) segue vergonhosa. O seu Secretário Geral, Gwede Mantashe disse que se ele fosse o ministro da educação, ele fecharia todas as universidades por um longo período para dar uma lição nos estudantes. E disse que ele isso já foi feito em outro país, que ele não quis mencionar o nome. E dá uma indireta aos pais que querem que os filhos estudem, mas têm pouco dinheiro: que vendam as vacas. E os que não têm, vendem o quê? Essa é a alma da cúpula do Congresso no poder. O cinismo típico das elites dominantes. Vemos o quão bem o CNA aprendeu do Estado anterior o cinismo de suas colocações e ações. Tal qual as elites brancas brasileiras. Cínicas, desavergonhadamente cínicas.
Enquanto isso, a universidade faz seu jogo sujo com os alunos. Eles fecham as universidades, expulsando de lá os alunos que moram nos alojamentos. Sendo que aquele que moram mais longe, e sem dinheiro para retornar para casa, se vêm na rua, sendo acolhido por algumas noites em casa de amigos, acolhidos em igrejas e casas comunitárias. Sendo que houve alunos a quem sequer foram permitidos entrar na universidade para pegar seus pertences.
A mídia por sua vez, tenta desqualificar a mobilização dos estudantes qualificando os alunos de trapaceiros, indisciplinados e militantes (no sentido de guerrilheiros violentos). Então, estudantes protestaram diante do prédio do jornal The Herald, que negou a eles o direito de resposta.
E no meio dos estudantes, as organizações se posicionam em favor da educação gratuita para todos. São elas: EFFSC (Comando Estudantil do EFF
O Secretário Geral do CNA Gwede Mantashe. … coibiu a ANCYL de rejeitar a proposta de aumento da taxa do ministro Nzimande. Mas o ANCYL apoia a luta pela educação gratuita pata todos.
Entre o ENFFSC e o PYA há desentendimento que contribui para o enfraquecimento dos estudantes. Mas estes, ainda que desorganizados e sem lideranças e estratégias claras, estão dando uma lição de luta aos apáticos movimentos populares da África do Sul. Gostaria de ver muitos desse líderes, dessas ditas organizações, serem arrastados, e levando paulada como estão levando os estudantes. Ou ousarem ser massacrados como os mineiros de Marikana. Mas estes ousaram e não moveram um pé da sua resistência. E os estudantes, ainda que, como disse, desorganizados, seguem ousados na luta. Como diz a palavra de ordem: Juventude que ousa lutar constrói o poder popular.
Que os movimentos populares, os sindicatos, as auto- ONGs progressistas, aprendam com os estudantes da África do Sul. Mas com tristeza, o que eu noto é uma falta de apoio concreto à luta legítima e de embrião revolucionário dos estudantes. Ninguém está indo às ruas em apoio a eles. E até agora, sé me chegou uma manifestação de apoio aberto, através de uma carta à sociedade, escrita pelo Abahlali BaseMonjonlo, um movimento de luta por moradia da província de KwaZulu Natal. O mais foi silêncio.
Enfim desde os estudantes de Soweto de 1976 até os estudantes de toda África de 2016, nada mudou. E os protestos continuam. E espero que continuem até a vitória.
Até lá, sempre.
(*) é militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação