Pesquisar
Pesquisar

Movimento indígena do Equador declara resistência ao governo: "Lasso zomba da realidade de milhares de famílias"

Com a falta de respostas do governo equatoriano, a Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador decidiu ratificar sua postura de resistência
Redação Telesur
Telesur
Caracas

Tradução:

A Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) ratificou neste fim de semana seu estado de resistência devido à falta de resposta do governo do país, liderado pelo presidente Guillermo Lasso, em relação às propostas apresentadas pela entidade e outras organizações.

A Conaie informou que há seis meses o movimento indígena e setores sociais vêm desenvolvendo propostas sobre questões de interesse nacional e para isso foram dialogar com o governo, “mas Lasso zomba da dura realidade de milhares de famílias equatorianas sem dar uma resposta. Diante disso, ratificamos a resistência”, afirmam.

Por sua vez, o presidente da Conaie, Leónidas Iza Salazar, escreveu: “Essa é a atitude de Guillermo Lasso e de um governo incapaz de responder aos problemas econômicos do país e às legítimas propostas do Movimento Indígena e de centenas de organizações sociais. Fomos ao diálogo sem renunciar ao direito de resistir”.

Com a falta de respostas do governo equatoriano, a Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador decidiu ratificar sua postura de resistência

Wikipedia
Leonidas Iza, presidente da Conaie

Após a rodada de diálogos à qual se refere a Conaie, realizada no dia 10 de novembro, o próprio Salazar indicou que o governo do Equador tinha se comprometido a dar uma resposta às demandas em um prazo de aproximadamente 15 dias.

A respeito das mesmas conversas, o Ministro de Governabilidade, Juan Manuel Fuertes, anunciou que o governo nacional atenderia as demandas até o dia 1 de dezembro.

Mais lidas
Ilusão neoliberal de independência contribui para servidão jamais vista, diz psicanalista

No entanto, nem o prazo de 15 dias nem o de 1º de dezembro foram obedecidos, já que as duas datas passaram e nenhuma entidade oficial se manifestou sobre o assunto, nem mesmo para pedir mais tempo.

Entre as demandas das organizações estão a estabilização dos preços do diesel e da gasolina e a contenção da precarização do trabalho.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Telesur

LEIA tAMBÉM

Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos