Pesquisar
Pesquisar

MS: Fazendeiro avança sobre indígenas e deixa plantação com agrotóxicos a 50m de escola

Violação orquestrada pelo proprietário da fazenda Remanso II deixa professores e crianças cada vez mais espremidos e expostos a sérios riscos à saúde
Marina Oliveira
CIMI
Brasília (DF)

Tradução:

“Não entramos em confronto, sabemos que a terra é nossa. Se irmos para cima, nós quem vamos perder como sempre, porque dinheiro compra tudo”. A exaustão, perceptível na fala da liderança Guarani Kaiowá – que terá a identidade preservada ao longo desta matéria –, revela o longo histórico de ataques cometidos por fazendeiros e aliados contra a comunidade Guyraroká, em Caarapó (MS).

No início de julho, os indígenas foram surpreendidos com mais uma violação orquestrada pelo proprietário da fazenda Remanso II, instalada ao lado do território Guyraroká. Sob ordem do fazendeiro, foi reduzida a distância da cerca em relação à uma escola da comunidade.

Assista na Tv Diálogos do Sul

Agora, a menos de 50 metros da divisa com a propriedade, crianças, funcionários da escola e a própria comunidade ficam cada vez mais espremidos em meio às plantações de soja e milho – regadas a agrotóxicos. A ação foi flagrada e registrada, por meio de vídeos, pelos indígenas. Essa situação já foi objeto de incontáveis denúncias feitas nos âmbitos nacional e internacional.

Leia mais: Tio de Damares (ligado a avião com maconha) usa título falsificado para ocupar terra no Pará

De acordo com a liderança mencionada no início desta matéria, o uso constante e excessivo do veneno está fragilizando a saúde da comunidade. “Estamos adoecendo facilmente. Agora mesmo, com esse frio que está fazendo, piora. Estamos com tosse, principalmente as crianças, porque respiramos esse ar contaminado por agrotóxicos. E isso vai matando, aos poucos, a proteção de nossos corpos, os animais, as plantas”, lamentou.

“Isso vai matando, aos poucos, a proteção de nossos corpos, os animais, as plantas”

Aviões de fazendeiros, instalados em área dos Guarani Kaiowá, em Guyraroká, lançam agrotóxicos sobre plantações. Foto: comunidade Guyraroká

Ao Conselho Indigenista Missionário, a liderança Guarani Kaiowá falou também sobre as constantes ameaças sofridas pelos indígenas.

“O conflito existe desde sempre. Estamos em uma terra que eles acham que é deles [fazendeiros e aliados], então isso gera conflito. Desmatam tudo e nos proíbem de pescar e buscar lenha. Já tentei resolver com funcionários da fazenda, mas dizem que só é possível resolver com o proprietário. Não podemos agir contra eles, são muitos e estão crescendo bastante. Eles andam armados, então não podemos avançar. Se avançarmos, perdemos o nosso direito, ou então a própria vida. Agimos conforme a Justiça”, afirma.

“Se avançarmos, perdemos o nosso direito, ou então a própria vida. Agimos conforme a Justiça”

Manifestação Guarani e Kaiowá em frente ao STF. Crédito da foto: Michelle Calazans/Cimi

Não é a primeira vez

Essa não é a primeira vez que o fazendeiro avança sobre Guyraroká, território protegido pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). Em 2019, a comunidade foi envenenada por uma nuvem de pesticida e cal, despejada na fazenda Remanso II. Naquele mesmo momento, havia crianças fazendo refeição na escola – sendo as primeiras atingidas pelo pó venenoso. 

“Em 2019, a comunidade foi envenenada por uma nuvem de pesticida e cal, despejada na fazenda Remanso II”

Violação orquestrada pelo proprietário da fazenda Remanso II deixa professores e crianças cada vez mais espremidos e expostos a sérios riscos à saúde

Foto: Leandro Barbosa
Cerca da fazenda Remanso II fica próxima ao refeitório da escola da comunidade Guyraroká

No episódio, os moradores de Guyraroká tiveram quadros de náusea, diarreia e fortes dores de cabeça. Além disso, alguns animais dos indígenas – entre eles, cachorros e galinhas – morreram envenenados.

No dia 10 maio deste ano, a subsecretária-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e assessora especial para Prevenção do Genocídio, Alice Wairimu Nderitu, visitou a comunidade e pôde constatar a drástica situação vivida, diariamente, pelos Guarani Kaiowá.

“Os moradores de Guyraroká tiveram quadros de náusea, diarreia e fortes dores de cabeça”

Registro da construção da cerca. Foto: Comunidade Guyraroka

Guyraroká 

Desde 2014, o povo Guarani Kaiowá se mobiliza para garantir a demarcação do tekoha – lugar onde se é – Guyraroká. As mais de 20 famílias da aldeia vivem hoje em uma área de apenas 55 hectares, uma pequena parcela dos 11 mil hectares já identificados e delimitados pela Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), em 2004, e declarados como de ocupação tradicional indígena pelo Ministério da Justiça (MJ), em 2009.

O novo pedido de vista – desta vez feito pelo ministro André Mendonça –, que paralisou o julgamento sobre o caso de repercussão geral sobre direitos originários, no Supremo Tribunal Federal, inviabiliza a demarcação do território dos Guarani Kaiowá, expondo os indígenas a esses recorrentes tipos de ataques e violações cometidos pelo agronegócio e setores da economia interessados na exploração predatória dos territórios indígenas.

Marina Oliveira | Assessoria de Comunicação do CIMI


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Marina Oliveira

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda