Pesquisar
Pesquisar
(Foto: Reprodução)

Mulheres raspam suas cabeças em protesto contra papel do Reino Unido em Gaza

Ato foi inspirado em situação dramática vivida por cidadãs palestinas vítimas do massacre operado por Israel
George Ricardo Guariento
Diálogos do Sul
Taboão da Serra

Tradução:

Nove mulheres rasparam suas cabeças ao lado de fora do parlamento do Reino Unido nesta terça-feira (19), em um ato de protesto contra o papel da Grã-Bretanha na guerra em Gaza.

Os organizadores afirmaram que a ação foi inspirada em uma matéria do Middle East Eye, segundo a qual mulheres palestinas em Gaza estão sendo obrigadas a raspar suas cabeças devido à falta de água para lavar os cabelos.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

De acordo com um comunicado, o protesto foi “contra a recusa do governo britânico em pedir um cessar-fogo imediato em Gaza, a falha em exigir o fim do bloqueio ilegal de alimentos, água e ajuda humanitária, e a contínua obtenção de lucro com a produção e venda de armas com base no Reino Unido para Israel“.

No Brasil, entidades como a Fepal (Federação Árabe Palestina do Brasil) divulgaram a manifestação contra a anuência britânica:

O Coordenador de comunicação da entidade, Marcos Feres, divulgou em suas redes um emocionante vídeo de um dos momentos do protesto:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
George Ricardo Guariento Graduado em jornalismo com especialização em locução radiofônica e experiência na gestão de redes sociais para a revista Diálogos do Sul. Apresentador do Podcast Conexão Geek, apaixonado por contar histórias e conectar com o público através do mundo da cultura pop e tecnologia.

LEIA tAMBÉM

Gaza-mídia2
Geopolítica, mídia hegemônica e ignorância: por uma política de comunicação verdadeiramente plural
Gaza_Palestinos_Rafah
Lucro com desespero: empresa egípcia extorque palestinos que tentam fuga por Rafah
Coalizao_Biden_indocumentados
Coalizão exige que Biden regularize trabalhadores indocumentados: "pagam US$ 17 bi em impostos"
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos