Pesquisar
Pesquisar

Mulheres são maioria das vítimas da violência contra jornalistas; impunidade alimenta crimes

Maioria dos homicídios relatados em 2022 ocorreram em países sem cenários de guerra ou conflito
Waldo Mendiluza
Prensa Latina
Paris

Tradução:

Em 2022, 86 profissionais da imprensa perderam a vida em todo o mundo, vítimas de violência, enquanto as agressões em linha se consolidaram no planeta como uma via de censura, sem que seja possível medir com precisão a magnitude e o dano.

América Latina e Caribe foi a região com mais vítimas mortais em 2022, com 44 homicídios, seguidas por Ásia e Pacífico (16) e Europa do leste (11).

“Depois de vários anos de quedas consecutivas, o forte aumento do número de jornalistas assassinados em 2022 é alarmante. As autoridades devem redobrar seus esforços para pôr fim a estes crimes e garantir que seus autores sejam castigados, porque a indiferença é um fator importante neste clima de violência”, advertiu em janeiro a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay.

Assista na TV Diálogos do Sul

O problema não é novo, nem tampouco a inquietação que gera, daí que a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) lançou em 2012 o Plano de Ação sobre a Segurança dos Jornalistas e a Questão da Impunidade.

Desde então existe uma maior consciência sobre o fenômeno e vários países adotaram medidas para proteger os repórteres; no entanto, os crimes e os ataques continuam por toda parte.

Grande mídia quer Lula obediente aos EUA e calado sobre geopolítica, diz analista palestino

Em entrevista a Prensa Latina, o chefe da Seção da Unesco para a Liberdade de Expressão e a Segurança dos Jornalistas, Guilherme Canela, ressaltou a prioridade que o sistema das Nações Unidas outorga ao tema.

De acordo com o especialista em direitos humanos, prova desta vontade é a inclusão do complexo assunto na Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável da ONU, especificamente no objetivo 16, “Promover sociedades justas, pacíficas e inclusivas”, no qual estão expostos desafios de garantir o acesso público à informação e de proteger as liberdades fundamentais.


Continua após o banner

Enquanto isso, a Unesco, como componente do sistema das Nações Unidas, destacou a implementação há uma década do Plano de Ação para a Segurança dos Jornalistas e a Questão da Impunidade.

Trata-se de um esforço junto a muitos atores, desde os Estados membros até a sociedade civil, com uma visão que chamamos “das tres P”: proteção, prevenção e procura de justiça, afirmou.

Mídia ocidental demoniza Rússia para favorecer interesses geopolíticos dos EUA

Segundo a organização multilateral, a questão da impunidade merece uma especial atenção, apesar de alguns avanços nos últimos anos.

Os índices de assassinatos não esclarecidos são escandalosos, 86%, panorama que a Unesco considera amedrontador para o trabalho dos repórteres e muito negativo para a liberdade de expressão.

Maioria dos homicídios relatados em 2022 ocorreram em países sem cenários de guerra ou conflito

Mazur/cbcew.org.uk/Flickr
Bispos prestam condolências à família da jornalista palestina Shireen Abu Akleh, assassinada por Israel (País de Gales, 21 de maio de 2022)




Não apenas assassinatos

A Unesco considera a elevada cifra de jornalistas assassinados uma amostra das crescentes fissuras nos sistemas do Estado de Direito, que ressaltam o descumprimento pelos governos de suas obrigações de proteger os profissionais da imprensa e prevenir e processar os crimes contra eles.

Chama a atenção o fato de que a maioria dos homicídios relatados no ano passado (86) ocorreram em países sem cenários de guerra ou conflito.

Grande mídia ignora protestos na França contra Otan e envio de armas à Ucrânia

Os motivos dos assassinatos são diversos, entre eles, represálias por informar sobre o crime organizado, os conflitos armados, o auge do extremismo, a corrupção, os delitos contra o meio ambiente e o abuso de poder.

Canela alertou que a violência física e, em particular, a morte, é a forma mais crua da censura, mas não a única.

Lamentavelmente, vemos também detenções arbitrárias, sequestros e intimidação, e mais recentemente a questão dos crimes em linha, explicou.

Continua após o banner

Nas plataformas digitais, as ameaças e os ataques contra jornalistas crescem de maneira exponencial, um campo em que a impunidade é preocupante.

A esse respeito, Canela abordou a importância da preparação de procuradores e juízes, que devem adaptar suas investigações e processos ao contexto dos crimes e da violência em linha.

Para nós – expôs à Prensa Latina o especialista da Unesco – o trabalho é de muitos componentes, desde os Estados e a sociedade civil até, neste caso, as empresas provedoras de serviços pela Internet, chamadas a desempenhar um papel chave diante do assédio e das agressões nas redes.


Mulheres jornalistas, mais vulneráveis

As mulheres representam um alvo particular das agressões, situação acentuada com a chegada da Internet e das plataformas digitais.

O chefe da seção da Unesco encarregada da Liberdade de Expressão e Segurança dos Jornalistas comentou os resultados de uma consulta que reuniu denúncias de ameaças e assédio por 73% das profissionais entrevistadas. 20% o delas afirmou que esta violência se materializou fora do espaço virtual, relatou Canela.

Para atrair a atenção sobre o tema, a sede da Unesco realizou em fins de abril uma exposição fotográfica sobre os perigos e as ameaças que enfrentam em escala global as mulheres jornalistas no exercício de sua profissão.

Continua após o banner

A missão dos Países Baixos na organização multilateral e em organizações não governamentais preparou a exibição, que ilustrou os desafios de segurança com que lidam as repórteres, por meio de 12 mulheres que testemunharam com suas histórias pessoais.

Um desses testemunhos coube à jornalista afegã Lailuma Sadid, que compartilhou suas experiências e os problemas em seu país para abordar a situação das mulheres e seus direitos, e em especial daquelas comprometidas em informar a opinião pública.

Waldo Mendiluza | Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Waldo Mendiluza

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda