Pesquisar
Pesquisar

Na Argentina, jovens marcham em peso no Dia da Memória, Verdade e Justiça

Houve homenagens a Hebe de Bonafini, antiga presidenta da Associação de Mães da Praça de Maio falecida em novembro passado
Stella Calloni
La Jornada
Buenos Aires

Tradução:

Multitudinárias marchas e atos em Buenos Aires e em toda a Argentina, no dia da Memória, Verdade e Justiça, a 47 anos do golpe cívico militar de 24 de março de 1976, significaram uma advertência sobre a necessidade de defender a democracia em perigo nestes tempos, especialmente depois da tentativa de magnicídio contra a ex-presidenta e atual vice-presidenta, Cristina Fernández de Kirchner, em 1° de setembro de 2022, e pelo avanço de um “Partido Judicial”, sob controle da oposição de direita, que age como um novo esquema de ditadura substituindo o Partido Militar.

A convocatória dos organismos de direitos humanos, partidos políticos, organizações sociais, foi sob a consigna “A 47 anos do golpe genocida, Memória, Verdade e Justiça para defender a democracia”, com o agregado: “Corporação Judicial, Nunca Mais”. Por outro lado, o apoio a Cristina e o repúdio à perseguição judicial foi parte do documento que os organismos leram na Praça de Maio.

Continua após o banner

A resposta à chamada surpreendeu neste ano porque a maioria dos que assistiram eram jovens e incluso adolescentes, expressando-se contra as tentativas de negacionismo, recrudescida nos discursos inclusive nos blocos opositores no Congresso, especialmente porque nas últimas horas o ex-presidente Mauricio Macri, falou uma vez mais do que chamou o “curro” (negócios sujos) dos direitos humanos.

Sob a consigna “Memória, Verdade e Justiça” e “Democracia sem máfias”, La Cámpora e outros agrupamentos kirchneristas marcharam desde cedo a partir da antiga Escola de Mecânica da Armada (ESMA) o maior centro clandestino de detenção e extermínio. 

A marcha, os cartazes e discursos foram todos mais que emocionantes, e em alguns deles reluziu o nome ou a imagem de Hebe de Bonafini, que era presidenta da Associação de Mães de Praça de Maio, e que morreu em novembro passado.

Houve homenagens a Hebe de Bonafini, antiga presidenta da Associação de Mães da Praça de Maio falecida em novembro passado

Foto: Cristina Kirchner/Twitter
Analista Fernando Cibeira: "Comemoração no Dia da Memória está marcada pelos questionamentos ao que se conhece como lawfare"

Também houve muita emoção pelo contexto social na Argentina e na América Latina, e as denúncias sobre o rebrote de uma nova direita com os grupos econômicos, os meios de comunicação e uma maioria de juízes e promotores, incluindo a Corte Suprema, quando está em marcha um julgamento político sobre esta instituição que se desenvolve no Congresso da nação. 

“Vamos seguir cuidando desta democracia na Argentina e em toda a Pátria Grande sempre… porque quando o fazemos, reclamamos que terminem as práticas e discursos de ódio e de negacionismo”, disse Estela de Carlotto, a presidenta das Avós da Praça de Maio, na leitura de um documento que fechou a jornada de comemoração na história praça. 

Estas manifestações se produziram umas horas depois do encerramento do Terceiro Fórum Mundial de Direitos Humanos, o mais amplo de todos, onde houve importantes referências às situações na Argentina e na América Latina. Também foi importante o Grupo de Puebla, ao qual compareceram nomeados juristas e vice-presidentes, que respaldaram a vice-presidenta Fernández de Kirchner e denunciaram o perigo em que estão as democracias na região.

Continua após o banner

Os destacados letrados, entre eles Eugenio Zafaronni e Baltazar Garzón, advertiram que a recente tentativa condenação à prisão e a inabilitação a perpetuidade de Fernández de Kirchner é ilegal.  Desmascararam ponto por ponto esta sentença; um por um foram estudados todos os pontos de uma sentença onde não havia uma só prova, mas só indícios. Isto será levado a organismos internacionais. 

Ademais, destacou-se que celebram este ano os 40 anos de continuidade democrática, “pelo que esta comemoração no Dia da Memória está marcada pelos questionamentos ao que se conhece como lawfare: “o trabalho combinado do Poder Judicial, do poder econômico, midiático e da direita política contra as forças populares”, como declara o analista Fernando Cibeira.

“Referentes dos organismos de direitos humanos, juízes, promotores e investigadores analisam e refletem sobre os logros de um processo que já conta com quase 300 julgamentos por crimes de lesa humanidade e 1.115 condenados. Também propõem a necessidade de conhecer o que sucedeu com cada um dos 30 mil desaparecidos, com todos as crianças apropriadas, assim como avançar sobre os cúmplices civis da ditadura e, em um contexto de reaparecimento de discursos negacionistas, melhorar a transmissão da memória para sustentar o reclamo de Nunca Más”. A vice-presidenta escreveu no twitter: “a democracia está em perigo”.

Stella Calloni | Correspondente do La Jornada em Buenos Aires.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Stella Calloni Atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Já entrevistou diferentes chefes de Estado, como Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales, Luiz Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Daniel Ortega, Salvador Allende, etc.

LEIA tAMBÉM

Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina
Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025