Pesquisar
Pesquisar

Na contramão das teorias de mercado, Economia Solidária é saída à crise no Brasil

Há diversas experiências de municípios que adotaram bancos sociais, próprios, obtendo resultados perenes e bem-sucedidos, entre outras soluções
Claúdio di Mauro
Diálogos do Sul
Uberlândia (MG)

Tradução:

Se quisermos, de fato, A TRANSFORMAÇÃO DO BRASIL, não podemos eleger apenas Presidente da República e Governadores que apresentem Planos de Governos com essa motivação.  Torna-se indispensável a construção da maioria Parlamentar Federal e Estadual, com os mesmos propósitos.

Não se pode expor o País para se submeter, outra vez aos acontecimentos como o golpe praticado com a traição de Michel Temer e Eduardo Cunha, com participação ativa do Romero Jucá, contra as instituições democráticas do Brasil.

As pessoas tinham direito de discordar das políticas adotadas pela Presidenta Dilma Roussef. O debate político e a oposição, são perfeitamente compatíveis com a democracia. Mas, aplicar um golpe contra as instituições, incluindo o Parlamento e o Supremo, como disse Jucá, isso é processo de desestruturação institucional.

Há diversas experiências de municípios que adotaram bancos sociais, próprios, obtendo resultados perenes e bem-sucedidos, entre outras soluções

Flickr
A mudança que o Brasil precisa não pode ser só dentro do Palácio do Planalto

O pior é que ficou nítido o uso das instituições, via operação lava-jato, não apenas para golpear o mandato de Dilma, mas para tirar do processo eleitoral o ex-Presidente Lula. Hoje, o Brasil amarga duramente as consequências desses atos arbitrários praticados. E agora, recorre ao Lula para arbitrar e reordenar as condições jurídicas institucionais, recuperar o Brasil de tanto tempo perdido e das consequências desastrosas para com a carestia, o aumento desastroso da fome e do desemprego. Brasil estagnado e em processo de retrocesso social, econômico, institucional e de direitos.

Veja também:
Seminário para a Transformação do Brasil está chegando, saiba como participar 

A economia do Brasil não pode se fixar na exportação predominante em larga escala de produtos primários e commodites. A isso tem sido reduzida a exportação do Brasil que envia sua água nos produtos que seguem para exportação. É certo que o Brasil perdeu tempo, apesar de estar repleto de possibilidades de aproveitamento de oportunidades.  Torna-se indispensável haver o resgate de suas capacidades e de mudanças das regras que atualmente existem para beneficiar interesses empresariais, corporativos do grande capital nacional e estrangeiro.

A balança comercial (importações e exportações) não pode pender para os benefícios do capital privado brasileiro e estrangeiro. É preciso definir que as políticas de desenvolvimento econômico serão preponderantes para beneficiar a população brasileira. Sim, que haja equilíbrio entre os interesses do Estado brasileiro, das empresas, das organizações sociais, mas que a população brasileira esteja no centro das políticas de desenvolvimento. Não pode haver apenas crescimento econômico concentrador de riquezas, e capitais, nas mãos dos “chamados agentes do mercado”.

Calcula-se que no Brasil teremos cerca de 70 milhões de pessoas, fora do mercado formal de trabalho, consideradas como “sobrantes” pelo sistema vigente. É um número assustador.

Na concepção de Ladislal Dowbor e de Márcio Pochmann, o Brasil não tem saída e nem terá sucesso  pelas aplicações das teorias do mercado.     

O Brasil deve se expressar pela valorização de práticas vinculadas à Economia Solidária, capaz de atender todas essas pessoas e famílias. Há que se implantar um Sistema Solidário, sem predomínio dos interesses do neoliberalismo fascista que está implantado em nossos territórios. A economia precisa operar com outras modalidades que não as do mercado.

Até mesmo as moedas poderão ter características próprias para as trocas de serviços e mercadorias. E não se pense que a Economia Solidária somente poderá ser aplicada para atender os setores sociais e econômicos que se encontram em situação de miserabilidade. Há diversas experiências de municípios que adotaram bancos sociais, próprios, obtendo resultados perenes e bem-sucedidos.

Muitas são as empresas que em situação de penúria econômica, entregues para administração e gestão pelos seus trabalhadores e sindicatos conseguiram recuperação e sucesso. Boa parte delas com a aplicação de sistemas associativos e de cooperação. São experiências no Brasil e no estrangeiro.

Não há dúvidas sobre o empenho de organizações dos Movimentos Populares onde cidadãos de luta e dedicados se posicionam como lideranças importantes nas ações coletivas. Os sucessos obtidos pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST e pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto – MTST são comprovantes de que as vitórias poderão ser obtidas pelo caminho de outros cenários que não do “livre mercado” neoliberal.

Para que se tenha maior sucesso é indispensável que sejam adotadas Políticas Públicas que priorizem e valorizem a Economia Solidária. A organização pela Democracia Participativa que considere a importância da política como instrumento de base. No dizer de Dowbor, Política em favor da vida digna para todas as pessoas rompendo com a agressividade das desigualdades, em todos os seus formatos. Levar em conta a revolução tecnológica que está se processando, permitindo assim a união e os investimentos na ciência e tecnologia. Sempre se considerando a grande importância dos avanços tecnológicos voltados para as necessidades e transversalidade em favor dos setores empobrecidos.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Claúdio di Mauro

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio