Pesquisar
Pesquisar

Na Nicarágua, conquistas da Revolução Sandinista não ficam esquecidas na pandemia

A 19 de Julho de 1979, as forças da Frente Sandinista de Libertação Nacional entraram em Manágua, pondo fim a décadas de ditadura apoiada pelos EUA
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

O 41.º aniversário da revolução que pôs fim à ditadura sangrenta da dinastia Somoza calhou a um domingo e, assim, de acordo com o artigo 66.º do Código do Trabalho, o feriado nacional é gozado hoje.

Este ano, a efeméride esteve marcada pela pandemia de Covid-19 no país centro-americano, não tendo sido convocada a concentração que, por norma, reúne muitos milhares de pessoas em Manágua.

Numa cerimónia mais simples, o presidente nicaraguense, Daniel Ortega, dirigiu-se este domingo aos seus compatriotas a partir da Praça da Revolução, tendo exortado o povo a combater unido a Covid-19 e a manter o país a funcionar nas atuais condições, mas cumprindo as medidas decretadas pelas autoridades de saúde, indica a Prensa Latina.

No dia anterior, um canal da televisão nacional transmitiu, a partir do Teatro Nacional Rubén Darío, o concerto virtual “Cantos a la Revolución”, uma antologia de mais de duas horas de canções e hinos que foram a narrativa musical da gesta da revolução desde a fase da insurreição até ao presente.

O leque de canções enalteceu as figuras do herói anti-imperialista Augusto César Sandino, que liderou a expulsão da Nicarágua das tropas intervencionistas norte-americanas em 1933, e Carlos Fonseca Amador, líder da luta contra a ditadura de Anastásio Somoza.

A 19 de Julho de 1979, as forças da Frente Sandinista de Libertação Nacional entraram em Manágua, pondo fim a décadas de ditadura apoiada pelos EUA

Foto: Barricada
Este ano, devido ao contexto de pandemia, não se realizou a habitual concentração de celebração do triunfo da Revolução Sandinista

Avanços sociais e econômicos

Já passaram 41 anos deste o triunfo da Revolução Sandinista e os avanços que o país latino-americano conheceu são inegáveis. Os desafios do atual governo de Daniel Ortega passam pela erradicação da pobreza extrema e por manter a senda do progresso económico, apesar das sanções, da ameaça de golpe por parte dos EUA e do forte abalo que a Nicarágua sofre com a tentativa fracassada de golpe de Estado de Abril-Julho de 2018, também alimentado por Washington.

A Educação gratuita e de qualidade, a cobertura universal da Saúde, a democratização da propriedade da terra e o combate à pobreza destacam-se entre as grandes transformações levadas a cabo pelos governos sandinistas.

Na área da Saúde, verificou-se uma grande aposta na construção de infra-estruturas (ao nível dos cuidados primários, hospitais nacionais e departamentais); a mortalidade materna diminui 59% entre 2006 e 2018, e a mortalidade infantil, 58%, refere a TeleSur.

A gratuitidade da saúde para todo o povo da Nicarágua foi declarada com a chegada ao poder da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), em 1979. Com o novo modelo, foi possível acabar com a poliomelite (em 1982) e controlar doenças como a tosse convulsa e o sarampo.

A área da Educação fica marcada pela Cruzada Nacional de Alfabetização, promovida pelo governo sandinista logo após o triunfo da revolução e que permitiu reduzir o analfabetismo no país de níveis superiores a 50% para 12% – um avanço que foi reconhecido pela Unesco em 1981.

A par do carácter gratuito e de qualidade, a partir de 2007 o governo de Daniel Ortega apostou na valorização profissional dos docentes, bem como numa série de programas de apoio social aos estudantes.

O combate à pobreza (que foi reduzida de 48% para metade) e à pobreza extrema (que diminuiu 20%, passando para 6,3%, segundo dados da TeleSur) esteve e continua a estar entre as metas dos sandinistas.

Com o triunfo da revolução e as políticas a favor do povo, muitos nicaraguenses tiveram acesso à habitação, a água potável e saneamento. Para além disso, foi construída uma extensa rede rodoviária, de estradas e caminhos, e alargou-se a cobertura da rede eléctrica nacional, que hoje abrange mais de 97% do território.

As mulheres passaram a assumir um papel mais destacado na sociedade, a nível social, político e económico, e a segurança aumentou – ao ponto de a Nicarágua ocupar o primeiro lugar entre os países centro-americanos, segundo refere a TeleSur.

Redação AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa