Pesquisar
Pesquisar

Nada muda: presidente da Petrobras nomeado por Bolsonaro vai manter alta de preços

José Mauro Ferreira Coelho é um defensor da atual política de preços, o Preço de Paridade de Importação, e das privatizações da companhia
Redação Esquerda OnLine
Esquerda Online
São Paulo (SP)

Tradução:

Não é a primeira vez que Bolsonaro troca um presidente ou um ministro, com o objetivo de deixar tudo como antes. O general Joaquim Silva e Luna entrou na Petrobras justamente para isto. À época, Bolsonaro fritou o presidente Roberto Castello Branco, um ultraliberal do naipe do Paulo Guedes, para tentar preservar seu resto de popularidade diante de novos aumentos nos preços dos combustíveis. Agora foi a vez do próprio general rodar. 

O Plano A seria a nomeação de Adriano Pires, conhecido economista que presta consultoria para empresas privadas e associações patronais do setor de petróleo, gás e combustíveis. Mas por conta do flagrante conflito de interesses entre Pires e a Petrobras, denunciado inclusive pelo Ministério Público e pelo Tribunal de Contas da União, acabou desistindo.

O Plano B para a presidência da estatal veio com o desconhecido José Mauro Ferreira Coelho, químico com passagens pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), pelo Ministério de Minas e Energia e pela PPSA, estatal responsável pelo pré-sal. Assim como todos os seus antecessores, Coelho é um defensor da atual política de preços – o Preço de Paridade de Importação (PPI), e as privatizações da companhia.

Mas se José Mauro Ferreira Coelho defende a mesma política do general Silva e Luna, por que mudar? Meramente jogo de cena. Afinal, como mostrou a pesquisa Quaest/Genial Investimentos publicada na semana passada, para os brasileiros, o principal responsável pelo aumento dos preços dos combustíveis no país é o presidente Jair Bolsonaro (24% dos respondentes o apontaram como principal responsável).

Demitindo o presidente da estatal ele tenta passar para sua base que está “combatendo” o aumento de preços, e que é contra o PPI. Ao mesmo tempo nomeia alguém em que o mercado confia, para garantir a manutenção da política de preços da companhia.

José Mauro Ferreira Coelho é um defensor da atual política de preços, o Preço de Paridade de Importação, e das privatizações da companhia

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Governo indicou José Mauro Ferreira Coelho como novo presidente da Petrobras

Mercado avança cada vez mais

A grande derrota foi indiscutivelmente o avanço dos minoritários na composição do Conselho. Até agora, a União detinha 7 membros, os minoritários 3 e os empregados 1 (Rosangela Buzanelli). Mas com a nova ofensiva dos minoritários, o número de representantes subiu para 4, tirando um da União (que ficou com 6). Na última eleição, em 2020, os acionistas minoritários já tinham avançado de 2 para 3 membros no Conselho.

Na prática, isto aumenta o poder de o mercado fazer barulho contra qualquer política que não seja estritamente para encher seus bolsos. Este movimento tem como principal nome José João Abdalla Filho, bilionário brasileiro que está pressionando constantemente a estatal e o governo para manter o PPI e assim gerar garantir mais lucros para alimentar sua fortuna.

Redação Esquerda.OnLine


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda OnLine

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos