Pesquisar
Pesquisar
Foto: Michael Vadon / Flickr

Não adianta falar em boom na economia se mais pobres sofrem, alerta Sanders a Biden

Em busca da reeleição, presidente tem apostado em discurso sobre "estado de união", crescimento econômico e baixas taxas de desemprego, mas popularidade não avança
David Brooks, Jim Cason
La Jornada
Washington, DC

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Na última quinta-feira (7), o presidente Joe Biden usou seu discurso anual à nação para tentar convencer um eleitorado pouco entusiasmado com ele e seu oponente de que vale a pena reelegê-lo, pelo menos para evitar a chegada de Donald Trump, que levaria à destruição da democracia americana. Seu primeiro grande feito foi entregar sua mensagem de mais de uma hora com firmeza, coerência e rigor, algo necessário, já que uma maioria do eleitorado, incluindo alguns do seu partido, expressa dúvidas sobre a competência física e mental do presidente mais velho da história. Ele até abordou diretamente o tema da sua idade, declarando que, apesar dela, testemunhou as batalhas deste país. “Não é sobre o quão velhos somos, mas a idade das nossas ideias”.

“Em milhares de cidades e vilarejos, o povo americano está escrevendo a maior história de ressurgimento já contada”, declarou Biden ao Congresso. Ele apontou que sob sua presidência “construímos uma economia do meio para os lados e de baixo para cima – e não de cima para baixo – investindo em toda a América, em todos os americanos, para garantir que todos tenham uma chance e ninguém seja deixado para trás”.

No entanto, talvez o mistério político mais prevalente dentro e fora do governo seja que, apesar de o “estado da união” – o nome oficial deste relatório – ser bastante saudável em termos macroeconômicos, isso ainda não se traduz em apoio ao presidente. Nas pesquisas, Biden não conseguiu superar os 40% de aprovação durante sua presidência, apesar de presidir um boom econômico e uma das taxas de desemprego mais baixas da história, tudo depois da crise provocada pela pandemia.

O problema, comentou o senador Bernie Sanders ao Washington Post ainda na quinta-feira, é que “os democratas parecem pensar – muitos deles – que, se apenas explicarmos tudo o que conseguimos, as pessoas se unirão. Mas isso ignora a dor [econômica] que o povo comum está sofrendo agora”, algo que o próprio senador disse ao presidente há duas semanas em uma reunião de uma hora.

Biden aparentemente está ouvindo. Ele destacou a luta dos trabalhadores e sindicalistas e convidou como convidado especial Shawn Fain, o novo líder do sindicato nacional automotivo UAW, a quem chamou de “um grande amigo e um grande líder trabalhista”. Ele declarou: “Wall Street não construiu este país. A classe média construiu, e os sindicatos criaram a classe média“.

Visão para o futuro

A exposição não foi apenas um relatório presidencial, mas talvez o discurso de campanha mais importante do presidente, que apresentou sua “visão” para o futuro. Biden enfatizou alguns dos temas que se tornaram cruciais na disputa, desde o manejo da imigração até a defesa do direito ao aborto e das liberdades civis, o investimento em infraestrutura, o controle de preços de produtos farmacêuticos e seguros de saúde, bem como a liderança mundial dos Estados Unidos.

Nas últimas eleições, foi detectado que uma das razões pelas quais Biden ganhou, especialmente entre as mulheres, foi o medo de que os republicanos continuassem com seu ataque ao direito ao aborto, e os estrategistas do presidente estão apostando que esse tema motivará novamente o voto a seu favor. Por isso, uma das convidadas do presidente e que se sentou ao lado da primeira-dama Jill Biden, na galeria desta sessão conjunta do Congresso, foi uma mulher que teve que fugir de seu estado, Texas, para conseguir um aborto recomendado por seus médicos.

Outro tema chave na disputa é a imigração. O presidente da Câmara dos Deputados, o republicano Mike Johnson, convidou um parente de alguém supostamente assassinado por um migrante indocumentado e também dois policiais de Nova York atacados, dizem, por migrantes indocumentados, enquanto muitos legisladores republicanos usavam um botão que dizia “Parem com a Crise na Fronteira de Biden”.

Biden, obrigado a abordar o tema, continuou sua guinada para a direita para tentar frear a crítica, até agora eficaz, dos republicanos liderados por Trump, que convenceram uma boa parte do eleitorado de que há uma “invasão” de migrantes perigosos, reiterou que deseja ter a capacidade de “fechar a fronteira”. Acusou os republicanos no Congresso, obedecendo a Trump, de terem se recusado a aprovar medidas que ele propôs para impor maior controle na fronteira.

Ao mesmo tempo, também destacou que “não demonizarei os imigrantes dizendo que estão envenenando o sangue do país… Não separarei famílias… Todos viemos de outros lugares, mas todos somos americanos”.

Contraste com Trump

Grande parte do discurso de Biden teve o propósito de marcar um contraste com Trump. Embora tenha se recusado a mencioná-lo pelo nome, o fez indiretamente. “Minha vida me ensinou a abraçar a liberdade e a democracia. Um futuro baseado nos valores fundamentais que definiram a América: honestidade, decência, dignidade, igualdade. Respeitar a todos. Dar a todos uma chance. Não permitir que o ódio encontre refúgio. Agora, algumas pessoas da minha idade veem uma história diferente: uma história americana de ressentimento, vingança e retribuição. Isso não sou eu”.

Ele começou o discurso afirmando que “nunca desde o presidente Lincoln e a Guerra Civil a liberdade e a democracia estiveram sob ataque em casa como hoje”. Lembrou o ataque ao Capitólio há três anos nos “dias mais sombrios”, quando se tentou impedir a transferência pacífica do poder. Indicou que seu antecessor tentou ocultar a verdade do que aconteceu e dirigiu-lhe esta mensagem: “não podes amar teu país apenas quando ganhas”.

Disse que a liberdade e a democracia também estão sob ataque no exterior. De fato, o discurso começou como se fossem tempos de guerra fria, identificando imediatamente a Rússia como o grande inimigo. “Se alguém nesta sala acredita que Putin vai parar na Ucrânia, garanto-vos que não o fará”, disse, instando o Congresso a financiar a defesa da Ucrânia e acusando Trump de ter se curvado ao líder russo. No final, ele também se referiu ao outro desafiante, a China, mas insistiu que deseja “competição, não conflito” com esse país.

Ele se manifestou contra a proibição de livros, promovendo a defesa do direito de voto, elevando o salário mínimo. Também destacou seus esforços para lidar com a mudança climática e sobre a violência armada (convidou uma jovem de Uvalde, Texas, cuja irmã foi uma das vítimas de um tiroteio em massa).

Apoio a Israel

Justificando mais uma vez o apoio a Israel, Biden, em resposta às crescentes críticas à sua cumplicidade com Tel Aviv em todo o mundo na guerra contra o povo palestino, colocou entre seus grandes anúncios nesta noite que os Estados Unidos construirão um cais em Gaza para poder descarregar “ajuda humanitária”. Reconheceu que a guerra teve um efeito maior sobre “civis inocentes do que todas as guerras em Gaza anteriores combinadas”.

Apenas alguns irão perdoar sua política de apoio militar a Israel em troca de sua iniciativa de assistência humanitária, mesmo dentro desta sala, entre seu próprio partido. A deputada democrata Ilhan Omar segurava uma faixa que dizia “Pare de enviar bombas” durante o discurso, e do lado de fora do Capitólio, assim como em frente à Casa Branca, manifestantes gritavam sua demanda por um cessar-fogo enquanto o presidente passava.

Com a conclusão de seu discurso, a campanha de reeleição de Biden começou, e resta ver qual será o “estado da união” nos próximos meses.

Super terça-feira confirma favoritismos

Em 5 de março, milhões de eleitores em 16 estados e um território estadunidense – assim chamado para evitar rotulá-lo como colônia – participaram das eleições internas de cada partido, selecionando dois candidatos que a grande maioria dos estadunidenses não quer: o democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump.

As eleições internas dos dois partidos nacionais ocorreram no Alasca, Alabama, Arkansas, Califórnia, Colorado, Massachusetts, Maine, Minnesota, Carolina do Norte, Oklahoma, Tennessee, Texas, Utah, Virgínia, Vermont e Iowa, bem como no território de American Samoa.

Trump celebrou seus triunfos como uma conquista “nunca antes vista” e “conclusiva”. Ele afirmou que “todos os problemas que temos hoje não seriam problemas” se ele fosse presidente. Ele voltou à sua retórica anti-imigrantes, afirmando que “de algumas maneiras, somos um país do terceiro mundo – somos um país do terceiro mundo em nossas fronteiras”. Biden, por sua vez, é “o pior presente na história”.

Biden, assim como Trump, já está se preparando para a eleição geral, e ao comemorar suas vitórias, atacou o republicano, advertindo que “os resultados deixam os estadunidenses com uma decisão clara”. Vamos avançar ou permitir que Donald nos arraste de volta ao caos, divisão e escuridão que definiu seu tempo como presidente”.

Decisão já foi tomada

Mas o dia com o maior número de eleições internas dos dois partidos nacionais para candidatos presidenciais no ano não passou despercebido: “Não conheço um ato político que tenha atraído mais atenção, apesar de ser tão pouco relevante. A decisão já foi tomada”, declarou o veterano pesquisador republicano Frank Luntz ao The Guardian. “A Super Terça nunca importou menos”.

Esta foi a primeira eleição em estados como Carolina do Norte e Alabama desde que novas medidas destinadas a suprimir o voto estavam em vigor. Esses concursos também estão registrando um novo recorde em gastos eleitorais, e a organização Adimpact relatou um total de 65 milhões de dólares investidos nessas eleições primárias; especialmente na Carolina do Norte, Califórnia e Alabama. Os negócios eleitorais neste país alcançarão níveis sem precedentes este ano, preveem os especialistas.

Segundo pesquisas de boca de urna, imigração e a economia eram as principais preocupações em vários estados, como Virgínia e Carolina do Norte. Mas aparentemente o eleitorado que participou no dia 5 está bastante confuso, com cerca de 60% dos votantes em Carolina do Norte, Carolina do Sul e Iowa indicando que não acreditam que Biden tenha ganhado a eleição de 2020 (Isso apesar do fato de ele ter estado na Casa Branca nos últimos três anos).

Porém, estas pesquisas de boca de urna indicam que o presidente mais mentiroso da história continua convencendo milhões de pessoas de que esta democracia não funcionará se ele não ganhar. Trump disse a Biden: “Comporte-se como homem. Lute suas próprias batalhas. Não use promotores e juízes para perseguir seu opositor. Nosso país é maior do que isso”. O ex-presidente reiterava assim sua mensagem de que Biden, cabeça do “esquerda radical”, está usando os tribunais para interferir na eleição e anular a candidatura de Trump.

Eleição determinante

O presidente do Comitê Nacional do Partido Democrata, Jaime Harrison, declarou que “a eleição deste ano determinará o destino de nossa democracia, determinará nossas liberdades, nossos direitos fundamentais”. Esta é a mensagem democrata que será repetida até novembro; é preciso votar em Biden para evitar que Trump prejudique a democracia estadunidense.

Talvez não seja surpreendente que os eleitores estejam confusos e alarmados, dado que Biden e Trump repetem que, se o outro ganhar, isso marcará o fim da democracia nos Estados Unidos. “Creio que esta poderia ser a última eleição realizada nos Estados Unidos”, comentou um votante democrata à La Jornada ao expressar sua preocupação com um possível triunfo de Trump. Um eleitor republicano indicou à La Jornada estar preocupado que, se Biden ganhar, “haverá uma guerra civil” nos Estados Unidos.

Ainda assim, as pesquisas nacionais continuam mostrando que este é um concurso entre dois candidatos impopulares. Maiorias nas sondagens continuam reprovando o presidente e seu opositor, e não só isso, mas essas maiorias também têm sérias dúvidas sobre a saúde mental de ambos.

“Não comprometidos”

No entanto, houve um grupo de votantes que rompeu com a narrativa da contenda entre esses dois candidatos. A campanha instando os participantes das eleições internas do Partido Democrata a votarem “não comprometido” como expressão de protesto contra as políticas de Biden em apoio à guerra de Israel na Palestina, manifestou-se com dezenas de milhares de votos em vários estados.

Houve momentos de ficção científica neste dia. Por exemplo, em Carolina do Norte, o vice-governador republicano que triunfou como candidato a governador de seu partido nesta noite, acredita que a música de Beyoncé é “satânica”, que a missão à lua de 1969 poderia ter sido fake e que existe uma classe governante clandestina de répteis que levará todos ao fim do mundo.

Os migrantes e a fronteira com o México continuam ao centro da contenda, e Trump parece não ter limites em levar sua retórica anti-imigrantes a extremos quase cômicos, incluindo compará-los com canibais. Esta semana, Trump, em entrevista com um meio direitista na segunda-feira, declarou que os imigrantes que estão chegando provêm “em, muitos casos, de prisões, instituições de doenças mentais, manicômios… Sabe, tipo Silêncio dos Inocentes.  Hannibal Lecter…. Não os queremos neste país”. Hannibal Lecter é o assassino em série e canibal fictício do famoso filme. Aparentemente Trump não viu o filme porque Lecter não é imigrante, mas um estadunidense branco.

Última eleição em EUA

O ex-presidente Donald Trump e o atual presidente Joe Biden não concordam em muitos aspectos. Mas ambos afirmam que existe uma séria ameaça de que o sistema democrático deste país possa chegar ao fim este ano – se o outro ganhar.

Trump conseguiu superar outro obstáculo à sua campanha eleitoral quando a Suprema Corte decidiu a seu favor que o estado do Colorado não podia desqualificá-lo como candidato presidencial só porque tentou subverter os resultados da última eleição presidencial. O estado agora tem que restituir o nome de Trump nas cédulas eleitorais e a decisão unânime da Corte implica que aqueles que impulsionaram iniciativas para anular a candidatura nas cédulas de outros estados já não poderão prosperar. No entanto, Trump ainda enfrenta pelo menos quatro julgamentos com um total de 91 acusações criminais e, por enquanto, continua dividindo seu tempo batalhando nos tribunais enquanto segue com sua campanha.

Trump qualificou a presidência de Biden como um “pesadelo” para o país. Em um discurso recente diante de conservadores, afirmou: “nosso país está sendo destruído, e a única coisa que está entre vocês e a obliteração sou eu”.

Em um comício eleitoral na Carolina do Norte, Trump explicou que a decisão de Biden de permitir o ingresso de mais imigrantes é “uma conspiração para derrubar os Estados Unidos da América”. Biden fala de democracia, mas ele é um perigo à democracia”.

Por seu lado, Biden tem repetido que há uma ameaça existencial à democracia que provém de Trump. “Imaginem o pesadelo se Trump for reeleito”, tem repetido aos seus simpatizantes e em outro evento apontou que “se Trump não estivesse na contenda, não estou seguro de que eu estaria… Não podemos deixá-lo ganhar”, fazendo eco da mensagem de seu oponente de que ele está nisso para defender a democracia e reitera que “se a democracia ainda é a casa sagrada da América, é a questão mais urgente de nossos tempos”.

Em entrevistas e eventos públicos, é evidente que os simpatizantes mais fervorosos desses candidatos abraçaram esses argumentos. No entanto, as pesquisas dos últimos meses sugerem que o público não demonstra grande entusiasmo por nenhum desses problemáticos defensores da democracia. Uma pesquisa da AP/NORC divulgada registrou que mais de 6 em cada 10 adultos duvidam da capacidade mental de Biden e Trump.

Na verdade, as pesquisas das últimas semanas têm registrado não a popularidade, mas a impopularidade de ambos os contendentes. Às vezes, parece que é uma competição para determinar quem é mais reprovado pelo público. Uma pesquisa do New York Times/Sienna divulgada no sábado encontrou que Trump estava ganhando de Biden por 5 pontos percentuais – 48 a 43. Esta é a maior vantagem desfrutada por Trump desde 2015 nesta pesquisa, e representa um revés para Biden, que tão recentemente quanto dezembro estava liderando Trump por 2 pontos. O veterano pesquisador Nate Cohn resumiu o resultado do sábado assim: “Biden é muito impopular, tão impopular que agora é até menos popular que Trump, que permanece tão impopular como era há quatro anos”.

A maioria tem uma percepção “desfavorável” tanto de Biden quanto de Trump, segundo esta, como em outras pesquisas prévias. Com isso, continua a dúvida sobre por que esses dois são os principais contendentes – 45% dos democratas opinam que seu presidente não deveria permanecer neste concurso.

Por isso, será tão importante para Biden o chamado “estado da união”, o discurso do presidente perante ambas as câmaras legislativas, que alguns estão caracterizando como o discurso de abertura de sua campanha de reeleição.

Frequentemente, Biden repete a mesma frase em discursos e entrevistas quando é perguntado sobre alguns dos problemas eleitorais que enfrenta: “Não me comparem com o Todo Poderoso, comparem-me com a alternativa”.

Com ambos repetindo que o outro representa uma ameaça existencial para o experimento democrático dos Estados Unidos, parece que estão convencendo muitos. Uma pesquisa da CBS News divulgada em janeiro encontrou que 70% acreditam que “a democracia dos Estados Unidos e o império da lei estão sob ameaça” nesta eleição. Não é surpreendente, então, que metade dos entrevistados pensem que “haverá violência do lado que perder a próxima eleição”.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes