Pesquisar
Pesquisar

Não olhe para cima, olhe para longe: O ano começa com uma inevitável pergunta: Até quando?

Para governos, menor preocupação é a saúde pública e maior interesse consiste em pôr em marcha a economia, a qualquer preço
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

O reponte de contágios provocado, em certa medida, pelas reuniões de fim de ano e a confusão gerada por medidas sanitárias insuficientes e contraditórias, marca com força o início de uma nova folha no calendário. 

Em alguns países do continente continua a campanha de vacinação para o segmento infantil com a intenção de retornar às aulas presenciais, e em outros mais avançados, já se começa a administrar a quarta dose em adultos. Estas medidas emergente demonstram até que ponto os governos respondem à imperiosa necessidade de recuperar o controle da economia e, com isso, um estilo de vida cujas características parecem formar parte do passado. 

O que não se diz é quanto prejuízo irreparável causou esta pandemia nos países menos desenvolvidos. Evita-se escarvar na quantiosa perda de oportunidades de estudo e de trabalho para os segmentos médios e com maior ênfase para os menos favorecidos de nossas sociedades, onde as restrições de mobilidade, o fechamento de estabelecimentos educativos e comerciais, assim como a redução drástica da renda tem provocado um forte descenso das diferentes capas sociais. Além disso, o impacto negativo na qualidade de vida cruzou todo o universo, desde as famílias de alta renda até aqueles que sobrevivem na extrema pobreza.

Para governos, menor preocupação é a saúde pública e maior interesse consiste em pôr em marcha a economia, a qualquer preço

Montagem
Os adultos reagem com temor ante a incerteza do futuro imediato

Mas se os adultos reagem com temor ante a incerteza do futuro imediato, é fácil imaginar quanto dessa angústia permeia para o resto da família, especialmente sobre jovens e crianças cujas rotinas foram anuladas de golpe, impedindo-os de realizar atividades essenciais no processo de alcançar um desenvolvimento integral e saudável. 

O efeito psicológico da pandemia na população infantil e juvenil é um fator desconhecido, cujas consequências na saúde física e mental estão ainda por ser vistas. 

Neste processo complexo e carregado de incógnitas, cruza-se um cúmulo de hipóteses, opiniões contraditórias de cientistas e posturas antagônicas de grupos de interesse — entre esses, líderes religiosos que negam a existência do vírus — capazes de confundir ainda mais uma população pouco informada e temerosa, mas sobretudo sujeita a decisões não consensuadas nem compartilhadas. 

A autoridade dos governos tem feito disso, neste caso específico, um ensaio de prova e erro contaminado pelos interesses de setores de poder cuja menor preocupação é a saúde pública e cujo maior interesse reside em pôr em marcha a economia, a qualquer preço.

O custo social da pandemia é, até o presente, difícil de calcular. Em algumas nações do continente, o grosso da população vive afastada dos centros urbanos e sem presença do Estado. Ou seja, habitam em uma esfera cujos indicadores são desconhecidos pelas instituições e onde carecem de todos os recursos básicos de atenção sanitária. 

Veja também
POA: Fascistas invadem Câmara, agridem vereadoras negras e exibem suástica em ato antivacina 

Ao ser vítimas de uma doença tão devastadora como a provocada pela Covid-19 e suas variantes, suas esperanças de vida se reduzem ao mínimo. Estas comunidades são, em sua maioria, integradas por povos originários que têm sido historicamente marginados, desprovidos de poder econômico, político e assediados de maneira constante em uma batalha sem quartel por suas terras e seus recursos.

Para começar a entender o alcance dos efeitos do vivido atualmente no mundo é necessário dar uma olhada ao longe, prestar atenção ao que sucede além de nosso entorno imediato e ainda muito além de nosso limitado conceito de sociedade. Nas fronteiras urbanas está o início de uma realidade distinta, cujos indicadores representam o verdadeiro perfil de nossos países. 

No interior das cidades também existe outra fronteira, outra divisão ilustrativa da desigualdade, e é a marcada entre a população adulta e os amplos setores de infância e adolescência, mais afetados que ninguém por este fenômeno sanitário complexo e desconhecido que escapa à sua compreensão e altera sua vida de modo radical.

Vale a pena dar uma olhada à verdadeira pátria que decidimos ignorar. 

*Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


Veja também

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA