Pesquisar
Pesquisar

"Não vai ter golpe!": em discurso firme, Lula critica militares e garante punição a terroristas

“Vamos investigar e vamos chegar a quem financiou. E tenho certeza que vamos descobrir”, declarou nesta segunda (9) durante encontro com governadores
Tiago Pereira
Rede Brasil Atual
São Paulo (SP)

Tradução:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira (9) que não vai permitir que a democracia escape das mãos do povo brasileiro. Lula disse que no Brasil é possível discordar, fazer greves e passeatas. “A única coisa que não é possível é alguém querer acabar com a nossa incipiente democracia”. Isso porque é a democracia, segundo ele, o único regime capaz de garantir dignidade ao povo.

Lula se reuniu com os 27 governadores da federação, e com os chefes dos demais poderes em Brasília. O encontro ocorreu como ato de desagravo aos Três Poderes da República, que foram atacados por terroristas bolsonaristas no último domingo (8).

“Quantas vezes tivemos passeatas e mais passeatas contra o governo, e nunca aconteceu nada. Mas dessa vez, as pessoas não tinham pauta de reivindicação. Eles não tinham o que reivindicar. O que eles querem é golpe. E golpe não vai ter”, reafirmou o presidente.

Assista na TV Diálogos do Sul

Nesse sentido, Lula afirmou que o governo está empenhado em investigar os financiadores dos atos antidemocráticos. De acordo com o presidente, não é possível que os bolsonaristas tenham permanecido meses acampados em frente aos quarteis, sem quem fossem devidamente custeados.

Ele citou ainda os ônibus que trouxeram essas pessoas a Brasília, muitas vezes com motoristas contratados por empresas de transporte. “Vamos investigar e vamos chegar a quem financiou. E tenho certeza que vamos descobrir”. Ele chegou a dizer que os vândalos que depredaram as sedes dos Três Poderes em Brasília podem ter sido usados como “massa de manobra” por gente que não mostra a cara publicamente. Nesse sentido, disse que seu governo não vai ser “nem autoritário, nem morno” com aqueles que cometeram os atos de vandalismo. Mas exigiu a devida responsabilização de todos os envolvidos.


“Nenhum general se moveu”

Além disso, Lula criticou a falta de ação dos militares diante das manifestações golpistas. “Nenhum general se moveu para dizer “não pode acontecer isso, é proibido pedir isso”. Dava a impressão que tinha gente que gostava quando o povo estava clamando pelo golpe”.

Da mesma forma, disse que as autoridades do Distrito Federal foram “negligentes” diante das ameaças terroristas. Também criticou a atuação das forças de segurança locais, que pareciam compactuar com o golpismo. “É fácil a gente ver, nas imagens das invasões, policiais conversando com os agressores”, afirmou. “Mesmo aqui dentro do Palácio, soldados do Exército brasileiro conversando com essas pessoas, como se fossem aliados”, acrescentou.

Transição deixa defesa com porteira fechada para os militares

Atribuiu ainda ao ex-presidente Jair Bolsonaro as mentiras destinadas a atacar a credibilidade das urnas eletrônicas, o que classificou de “negacionismo eleitoral”. E o comparou ao ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que também se negou a reconhecer o resultado das urnas. Disse ainda que os bolsonaristas ficaram “sem líder”, quando o ex-presidente decidiu viajar para evitar passar a ele a faixa presidencial. “Na medida que as pessoas ficam sem líder, porque o líder antecipou a sua saída, as pessoas ficaram nas ruas sem ter o que fazer. Então foram para a porta dos quarteis reivindicar um golpe”.

“Vamos investigar e vamos chegar a quem financiou. E tenho certeza que vamos descobrir”, declarou nesta segunda (9) durante encontro com governadores

Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Segundo Lula, o Ministério Público está mobilizado para impedir que esses eventos como os registrados em Brasília voltem a ocorrer

Disse que todos os governadores estavam ali presentes para “emprestar solidariedade” aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, que tiveram suas dependências praticamente destruídas pelos ataques. Além disso, afirmou que todos os estados estão “articulados e imbuídos” a cumprir as decisões estabelecidas pelo ministro Alexandre de Moraes, citando que as polícias estaduais atuaram para desmobilizar os acampamentos bolsonaristas em frente aos quarteis. Também Destacou que 16 estados enviaram tropas ao Distrito Federal, para apoiar a intervenção na Segurança Pública e garantir a manutenção da ordem na capital federal.

Lula inicia 3º mandato e renova esperanças com discurso de reconstrução e democracia

A ministra Rosa Weber, presidenta do Supremo Tribunal Federal, agradeceu o apoio dos governadores. “O nosso prédio histórico, em seu interior, foi praticamente destruído, em especial o nosso plenário. Essa simbologia me entristeceu de maneira enorme, mas quero assegurar a todos que nós vamos reconstruí-lo”, afirmou. Ela garantiu que, em 1º de fevereiro, o ano judiciário terá início com a sede da Suprema Corte devidamente restaurada.


“Não nos ajoelharemos”

O presidente em exercício do Senado, Veneziano Vital do Rêgo, disse constatar presencialmente a dimensão da “famigerada ação” contra as sedes dos poderes em Brasília. Ressaltou a reação “uníssona” de todos os senadores condenando os atos de depredação e violência. “Não podemos deixar de punir aqueles que ousaram atentar contra as nossas instituições, contra a nossa democracia, e por consequência, contra a sociedade”.

Nesse sentido, ele anunciou que o Senado se reunirá amanhã, “mesmo sem portas, em meio aos destroços”, para votar o decreto de intervenção no DF. “Nós não nos ajoelharemos. Tranquilizem-se, cidadãos brasileiros, porque a democracia não haverá, de novo, de ser atacada, tão vilmente, como foi na tarde e noite de ontem”.

Do mesmo modo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ressaltou que a democracia vive de símbolos, e estes sofreram um “ataque terrível” no dia anterior. Disse que se sentiu machucado ao ver os cenários de destruição na “Casa do Povo”, como a Câmara é conhecida. E ressaltou também a unidade do encontro com Lula e os governadores. Lira disse também que a união de todos os poderes demonstram à população brasileira que as instituições “não pararão”.

Falaram ainda os governadores do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (MDB-RS), e de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos). “Qualquer ruptura, qualquer interrupção da ordem democrática, sem dúvida nenhuma, é muito pior do que qualquer mal que qualquer governo pudesse vir a fazer, uma vez que foi eleito democraticamente pela população”, disse Leite. Tarcísio afirmou que a democracia brasileira sai ainda mais fortalecida depois dessa reunião, e clamou por “pacificação”.

No 1º dia de governo, Presidente Lula tem 15 encontros com líderes internacionais; confira

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT-RN), reafirmou a “irrestrita solidariedade” dos governadores ao presidente Lula e aos demais chefes de poderes, diante do que chamou de “atentados à democracia”. Disse que os atos de violência que atingiram o “coração da República” não podem “ficar impunes”. “Não vamos abrir mão do Brasil que nós merecemos e que nós precisamos, que é o Brasil da paz”, disse Fátima.

Por outro lado, a governadora em exercício do Distrito Federal, Celina Leão (PP-DF), se referiu ao eventos ocorridos ontem como “um dia de luto” na história da democracia. Ao mesmo tempo, ela tentou limpar a barra do governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), a quem classificou como “um democrata”. Ele foi afastado do cargo durante a madrugada, por decisão do STF, em função da inação diante dos atos de violência.

Bastante contestado pela sua atuação em favor do ex-presidente Bolsonaro, o procurador-geral da República, Augusto Aras, tentou se justificar. Disse que trabalhou, nos últimos dois anos, “no controle e no monitoramento” dos atos antidemocráticos. E que, nesse período, a situação nunca havia “saído do controle” . Além disso, declarou seu “amor à democracia”, o “única opção de regime político”, segundo ele.

Ao final, disse que o Ministério Público está mobilizado para impedir que esses eventos como os registrados em Brasília voltem a ocorrer em outras unidades da federação. E prometeu buscar a responsabilização dos culpados, não apenas na reparação dos danos, mas também nas penas restritivas de liberdade, “para ato tão torpe, que é atacar a democracia”.


“Golpe não vai ter”

Após a reunião , o presidente Lula saiu do Palácio do Planalto em caminhada simbólica com autoridades até o Supremo Tribunal Federal (STF). Ele foi seguido pelos governadores e vice-governadores das 27 unidades federativas do país, além de ministros do STF, entre eles a presidenta Rosa Weber. Deputados e senadores também formaram o ato, considerado histórico e simbólico da união dos três poderes em defesa da democracia e das instituições e contra a tentativa de instaurar o terrorismo no país.

No meio da caminhada, ao falar com jornalistas, Lula disse que o governo vai até o fim para apurar os responsáveis pelos atos terroristas. “Não vamos dar trégua até descobrir quem financiou tudo o que aconteceu neste país”, afirmou o presidente. “O que eles querem é golpe, e golpe não vai ter”, completou.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Tiago Pereira

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização