Pesquisar
Pesquisar

Negacionismo genocida impede colaboração entre Uruguai e Brasil no combate ao Covid-19

O governo uruguaio tem se esforçado em reativar um acordo sanitário bilateral, mas esbarra na pouca disposição de um governo que nega a pandemia
Hugo Rius
Prensa Latina
Montevidéu

Tradução:

Assim como o Brasil estende sua gigantesca sombra econômica para o Uruguai, agora assume os tentáculos de um coronavírus expansível através de fronteiras porosas.

Virtual calcanhar de Aquiles nos empenhos do país rio-platense para manter plana a curva de propagação da Covid-19, deixa o governo, as autoridades e os cidadãos comuns conscientes, com a atenção posta na extensa linha demarcatória setentrional.

Pelo menos quatro departamentos territoriais: Artigas, Rivera, Cerro Largo e Rocha limitam com a potência sul-americana e, em alguns casos, com cidades binacionais de livre trânsito potencias corredores para portadores do vírus SARS Cov-2.

Assim se compreende que o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, se deslocasse para avaliar pontos de controle nos limites de Cerro Largo e, mais recentemente, por duas vezes em quatro dias, a Rivera, onde em pouco tempo dispararam os casos de Covid-19, com dois falecimentos.

O governo uruguaio tem se esforçado em reativar um acordo sanitário bilateral, mas esbarra na pouca disposição de um governo que nega a pandemia

Facebook / Reprodução
Segundo as autoridades uruguaias, as maiores preocupações no controle da pandemia relacionam-se as fronteiras com o Brasil

Heranças da Frente Ampla e o combate a Covid-19

O fato de ser um país pequeno, com uma população de pouco mais de três milhões de habitantes, baixa densidade demográfica e escassas áreas de superpopulação, favoreceu as medidas adotadas pelo governo uruguaio para enfrentar a pandemia desde 13 de março em que se declarou oficialmente a emergência nacional sanitária.

Houve um precoce fechamento de fronteiras, suspensão das aulas, de todo tipo de espetáculo, de atividades econômicas e comerciais, e exortações à permanência em casa, sobretudo as pessoas da faixa etária de maior risco, a evitar aglomerações e incentivar uma cultura do uso de máscaras e lavagem de mãos, entre outros hábitos de higienização.

Também os 15 anos de governo da Frente Ampla legaram uma sólida base sanitária construída para encarar uma pandemia tão desconhecida e virulenta, reforçando a cadeia assistencial hospitalar.

O atual subsecretário de Saúde Pública, José Luis Satdjian, resumiu essas fortalezas no reconhecido Sistema Nacional Integrado de Saúde (SNIS), com uma rede de atenção primária importante, sistemas de saneamento e outras condições pré-existentes como a digitalização dos uruguaios, o que facilitou a telemedicina e evitar saturações nos setores de cuidados intensivos.

A isso se soma uma força humana científica cultivada por décadas, que desenvolveu pesquisas, inventivas em produção de testes e necessários dispositivos médicos.

Cenário recomenda prudência

Com a chegada de junho e do agressivo inverno austral, o Uruguai exibe por enquanto uma das mais baixas taxas de infectados, num cenário em que o epicentro da pandemia migrou para às Américas.

O número de casos positivos é no momento de apenas 800, com 22 óbitos e uma boa porcentagem de recuperados.

Mesmo assim, os integrantes do Comitê Científico Honorário, que monitora e assessora o governo em seu recente propósito de restabelecer atividades suspensas, estão conscientes que um novo rebrote do vírus pode acontecer.

O médico biólogo Rafael Radi, que coordena esse grupo, aponta que a pandemia no Uruguai se encontra sob “relativo controle” e que “abre-se um cenário possível e de relativa segurança para fazer uma reabertura das escolas”, baseada em quatro pilares: “progressividade, regulação, monitoramento e evidência”.

Também sublinha que de imediato “nossa tarefa hoje é superar o inverno com a pandemia controlada”. Para o especialista “nas fases novas, na ausência de vacinas ou tratamentos, a única estratégia sustentável para o país é evitar os contágios”, indicou e remarcou que para isso é determinante o “distanciamento físico sustentado”.

Controle interno e causas externas  

No transcurso da pandemia, o Uruguai atravessou por várias etapas, desde o inicial contágio de pessoas pertencentes as classes mais abastadas, seguidos dos significativos contágios em asilos de idosos, em um hospital e em assentamentos irregulares suburbanos.

O país saiu vitorioso e controlou todas as ameaças de propagação, mas agora ainda é necessário o cumprimento de protocolos para o recomeço de aulas e atividades de trabalho e, o acatamento instável das normas de proteção cidadã abrem potencialidades de indesejáveis retrocessos.

Neste cenário, segundo as autoridades uruguaias, as maiores preocupações relacionam-se as fronteiras com o Brasil, que apresenta um dos maiores índices de infecção e letalidade do mundo.

Esforços infrutíferos

Neste contexto, o governo uruguaio tem se esforçado em reativar um acordo sanitário bilateral assinado durante o período dos governos da Frente Ampla, no Uruguai e do Partido dos Trabalhadores, no Brasil.

A questão tem arestas imperiosas pela complexidade de abarcar cidades binacionais, ou irmanadas, de livre trânsito como Rivera-Santana de Livramento; Artigas-Quaraí; Cerro Largo-Aceguá, e Chuy no departamento de Rocha, onde se compartilha a mesma rua, com diferença de cidadania em calçadas opostas.

Uruguaios e brasileiros cruzam de um lado para o outro em livre escolha de domicílio, locais de trabalho, de estudo e de serviços, e até amizades. Contingentes se transladam para safras de cana-de-açúcar e para trabalhar em obras.

À primeira leitura, a emergência sanitária mundial leva a pensar na colaboração entre os países e consequentemente entre os dois países.

Negacionismo genocida impede colaboração

O grande problema reside em conseguir uma coordenação, ou “medidas espelho” como gosta de dizer o chanceler Ernesto Talvi, com um governo cujo presidente, praticamente nega a pandemia e age com contumaz irresponsabilidade, indiferente às estatísticas da letalidade pandêmica.

Por sorte, o governador do Rio Grande do Sul é um dos que desafiam o ultradireitista com a autonomia garantida pela Corte Suprema e, assim, resta alguma esperança de que o Uruguai consiga conter a expansão do coronavírus em seu território. Caso contrário, só lhe restará o desafio de enfrentar unilateralmente a ampliação do número de infectados resultantes da política genocida do atual mandatário brasileiro.

Hugo Rius Correspondente de Prensa Latina no Uruguai.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Hugo Rius

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia